Caos no Hospital São Paulo

Oftalmo- rede social
O Hospital São Paulo, ligado à Universidade Federal de São Paulo, mais uma vez vira notícia por conta da precariedade das condições de trabalho e de atendimento à população.

Nesta quarta-feira (28/10), o oftalmologista Andre Maia usou as redes sociais para desabafar e denunciar a situação crítica que a unidade oftalmológica vive: “Atenção, atenção: cancelaremos todas as cirurgias de retina na Unifesp por falta de material. O povo mais pobre e sem recursos vai ficar cego”.

Recentemente, o hospital enfrentou greve dos médicos residentes, que também reclamavam de falta de materiais, equipamentos, remédios, segurança e condições mínimas de trabalho.

http://globotv.globo.com/rede-globo/jornal-nacional/v/oftalmologista-usa-internet-para-revelar-crise-em-hospital-de-sp/4571007/

http://g1.globo.com/globo-news/jornal-globo-news/videos/v/hospital-sao-paulo-cancela-cirurgias-de-retina-e-catarata-por-falta-de-material/4571198/

http://saude.estadao.com.br/noticias/geral,unifesp-cancela-cirurgias-de-retina-por-falta-de-material,1787118

http://saude.estadao.com.br/noticias/geral,unifesp-nega-cancelamento-de-cirurgias-de-retina-por-falta-de-material,1787506

http://noticias.r7.com/saude/unifesp-cancela-cirurgias-de-retina-por-falta-de-material-28102015

http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2015/06/medicos-residentes-do-hospital-sao-paulo-decidem-entrar-em-greve.html

http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2015/06/hospital-sao-paulo-ira-suspender-internacoes-partir-desta-quinta-feira.html

http://noticias.r7.com/sao-paulo/governo-libera-r-3-milhoes-para-socorrer-hospital-sao-paulo-e-garantir-atendimento-por-mais-um-mes-18062015

http://noticias.r7.com/sao-paulo/superintendente-do-hospital-sao-paulo-culpa-desestruturacao-e-dengue-28042015

http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/sp/2015-04-14/medico-bate-em-portas-de-empresas-para-conseguir-verba-para-hospital-sao-paulo.html

 

 

 

MANIFESTO DO IV CONGRESSO BRASILEIRO DO SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO

iStock_000018268530_Large

Ao término do IV Congresso Brasileiro do Sistema Nervoso Periférico, após minudentes discussões dos trabalhos apresentados em conferências magistrais, mesas redondas e casos específicos, resolveu a Comissão Organizadora do conclave encaminhar às autoridades brasileiras e aos diversos meios de comunicação as seguintes conclusões e sugestões:

  1. cresce, vertiginosamente, o número de brasileiros acometidos de lesão de nervos periféricos, em acidentes de motocicleta. A morte por acidente de moto aumentou 243% de 2002 a 2012 no Ceará. O Brasil é o 2o país do mundo em mortes por acidente de moto;
  2. 87% são homens na idade mais laborativa, estando o motorista sem capacete (56%), o garupeiro 60% e 42% alcoolizados;
  3. dos acidentados, elevado percentual fica com déficit definitivo. O Dr. Lineu Jucá em sua Dissertação de Mestrado constatou 56 amputações de abril a outubro de 2013;
  4. o custo médio com esses acidentes é alto. O Dr. Arruda Bastos, quando Secretário de Saúde do Estado do Ceará, contratou a Fundação Getúlio Vargas para calcular esses gastos. A Fundação abandonou a pesquisa;
  5. no referido Instituto Dr. José Frota há uma fila de 160 pacientes aguardando procedimento em nervos periféricos. Por outro lado, há 450 pacientes esperando pela colocação de um aparelho que trata fratura de membros inferiores (Ilizarov). Este equipamento custa entre R$15.000,00 e R$25.000,00. Considerando que são operados apenas dois pacientes por semana, com lesões de nervos periféricos, muitos deles não terão, com a procrastinação do ato cirúrgico, possibilidade de serem operados, ficando com lesões irremediáveis, com drásticas consequências sócio-econômico-psiquícas.
  6. 70% dos acidentes de moto ocorrem no interior; 72% das Prefeituras do Estado do Ceará NÃO têm serviço de transito municipalizado;
  7. SUGERIU-SE:
  8. a) o controle maior dos serviços municipais de trânsito quanto ao uso do capacete e controle da velocidade com limitador, como nos ônibus (tacógrafo);
  9. b) seleção mais acurada para cessão das carteiras de condutor de motocicleta, com renovação da carteira de 2 em 2 anos. Rigor 27% maior do que o aplicado à habilitação para dirigir carro, vez que o acidente de moto é 27% mais grave do que o acidente de carro;
  10. c) rigorosa fiscalização nos fins de semana da ingestão de bebida alcoólica, dentre os guiadores de motocicleta;
  11. d) promulgação de Lei que obrigue os fabricantes de motocicleta a fornecerem os capacetes;
  12. e) solicitar à Sociedade Brasileira de Neurocirurgia campanhas de estímulo aos Residentes de Neurocirurgia para terem, como subespecialidade o tratamento das lesões dos nervos periféricos; e, por último,
  13. f) obrigatoriedade do ensino do trânsito nas escolas.

Assembleias aprovam ações e contas da diretoria

Florentino Cardoso, presidente da AMB, abrindo a Assembleia Ordinária de Delegados, que assim como a Assembleia Geral foi realizada no auditório da APM (Associação Paulista de Medicina)
Florentino Cardoso, presidente da AMB, abrindo a Assembleia Ordinária de Delegados, que assim como a Assembleia Geral foi realizada no auditório da APM (Associação Paulista de Medicina)

A Assembleia Geral e a Assembleia Ordinária de Delegados da AMB aprovaram, nesta sexta-feira, dia 23 de outubro, em reunião na sede da Associação Paulista de Medicina, em São Paulo, o relatório de atividades e a prestação de contas da atual diretoria da AMB, incluindo o relatório de auditoria e o balanço patrimonial. Também foi votada e aprovada a proposta orçamentária para o exercício de 2016, assim como o valor da contribuição associativa, acrescido em R$ 2 mensais para o próximo ano.

O 1º tesoureiro da AMB, José Bonamigo, foi o responsável pela apresentação da prestação de contas da diretoria relativa ao período de 1º de abril de 2015 a 30 de setembro de 2015. Ele destacou os investimentos realizados pela entidade junto às Federadas e o apoio às entidades ligadas a estudantes de medicina e jovens médicos, como Associação dos Estudantes de Medicina (Aemed); Associação Brasileira de Ligas Acadêmicas de Medicina (Ablam), Associação Nacional dos Médicos Residentes (ANMR), entre outras.

José Bonamigo, 1º Tesoureiro da AMB, apresentando as contas do ano que passou e a proposta orçamentária para 2016
José Bonamigo, 1º Tesoureiro da AMB, apresentando as contas do ano que passou e a proposta orçamentária para 2016

Bonamigo detalhou área por área as contas da entidade, informando ainda que a AMB modernizou seu sistema de auditoria, aderindo as normas mais atuais para entidades sem fins lucrativos. Também salientou que o trabalho decaptação de novos sócios será intensificado pela AMB. “Vamos atuar nos congressos das  Sociedades Especialidades no sentido de aumentar a nossa exposição, pois já foi demonstrado que temos reconhecimento, e isso, sem dúvida, irá se transformar em aumento no número de associados com novas adesões”, enfatizou Bonamigo.

Sociedades que representam os cardiologistas protestam contra a violência que, em 5 meses, roubou a vida de dois de seus pares

manifesto     

   O covarde assassinato do cardiologista Jorge de Paula Guimarães, na avenida Brasil, no Rio de Janeiro, levou a Sociedade Brasileira de Cardiologia e a Sociedade de Cardiologia do Estado do Rio de Janeiro a protestarem às autoridades. As entidades lembraram que a Segurança está contemplada na Declaração Universal dos Direitos Humanos, definida pela ONU e da qual o Brasil é signatário, e que o Estado está faltando com seu dever de garantir a segurança dos seus cidadãos.

         Falando em nome de 14.000 cardiologistas brasileiros, o diretor administrativo da SBC, Emilio Cesar Zilli, lembrou que o artigo 3º da Carta da ONU declara que ‘todo ser humano tem direito à vida, à liberdade e à segurança pessoal’. O Brasil não está garantindo esses direitos.

         “O Rio de Janeiro não garante o direito à segurança, à medida que a tragédia que enluta os cardiologistas se repete com cinco meses de intervalo”, afirma o médico. Ele se refere ao assassinato do também cardiologista Jaime Gold, morto em maio, na Lagoa, quando foi esfaqueado por bandidos que queriam roubar sua bicicleta, tragédia à qual se soma agora um segundo assassinato de profissional da mesma área.

         O médico agora assassinado, Jorge de Paula Guimarães, pretendia deixar o Rio de Janeiro, pois ainda recentemente teve seu carro roubado em Niterói, o que o levou a buscar emprego fora do Estado. Mas foi alcançado por outros criminosos, antes que conseguisse se mudar com a mulher e os filhos, um dos quais também é médico.

         Para as entidades que representam os médicos, que se dedicam a salvar vidas humanas, as autoridades policiais tem missão similar, de evitar mortes, por isso o Estado falha quando permite que o preço pago por um médico por fazer ciclismo numa área especialmente destinada a essa prática, seja a própria vida.

O Estado falhou lamentavelmente mais uma vez, quando o preço pago por outro cardiologista por aceitar um plantão matinal – para salvar vidas – no Hospital Rocha Faria, foi igualmente a perda da própria vida.

         Para a SBC e a Socerj, a perda dos dois cardiologistas é mais significativa ainda, quando se sabe que escolheram a especialidade por saberem que as doenças cardiovasculares lideram o número de mortes no Brasil, causando 350 mil óbitos por ano.

O prejuízo das duas mortes afeta toda a sociedade brasileira, pois o Brasil investe pesadamente durante pelo menos nove anos para formar um cardiologista, seis anos de Faculdade e mais três de especialização. Pela incapacidade do Estado de prover a segurança, esse profissional com capacitação tão alta como a dos especialistas do primeiro mundo, é morto para que seja roubado o seu automóvel ou uma simples bicicleta.

         Emílio Zilli reitera a difícil e demorada formação do profissional da Cardiologia, lembrando que Jorge de Paula Guimarães cursou a Universidade Gama Filho por seis anos, especializou-se em Cardiologia pela Universidade Federal Fluminense e prestou serviços tão relevantes à sociedade. Ele recebeu o título de ‘Benemérito do Estado do Rio de Janeiro’. O diretor administrativo da SBC, em nome de todos os cardiologistas brasileiros, compartilha o pesar da família enlutada basicamente porque o Estado não garante a segurança de seus cidadãos.

Nota Oficial da Sociedade Brasileira de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial

 Science research

A reportagem “Certificado Digital facilita os Laudos Laboratoriais”, publicada no site da empresa Certisign, em 08/10/2015, cita a Sociedade Brasileira de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial – SBPC/ML com a intenção de “avalizar” a certificação digital na forma que ela é estabelecida pela RDC ANVISA 30/2015, e pretende utilizar este “aval” em benefício da própria empresa Certisign.

A referida reportagem utiliza declarações de membros e ex-membros da diretoria da SBPC/ML que foram retiradas do contexto e, ainda por cima, estão desatualizadas, pois estas foram publicadas em setembro de 2012, quando o cenário existente no país sobre este assunto era completamente diferente. Ademais, essas declarações referiam-se a um serviço prestado, naquela ocasião, por outra empresa, então parceira da SBPC/ML, que não era a Certisign.

Em nenhum momento a SBPC/ML foi procurada pela Certisign ou por qualquer pessoa e/ou jornalista que tenha se apresentado em seu nome para opinar sobre RDC 30/2015. A SBPC/ML repudia esse tipo de manipulação de informações, e destaca que elas atentam contra a ética jornalística.

A SBPC/ML reconhece a importância da necessidade de autenticação dos laudos laboratoriais por modelos de certificação digital e ressalta que os principais Sistemas de Informação Laboratorial (LIS) disponíveis são ferramentas seguras para esta prática.

Em relação às questões apontadas na RDC ANVISA 30/2015, a SBPC/ML posiciona-se com preocupação, uma vez que é uníssono o entendimento acerca da impossibilidade de atendimento das novas regras exigidas no curto prazo estipulado. Esta posição da SBPC/ML tem sido amplamente divulgada em seus veículos de comunicação e em outros veículos de imprensa, bem como apresentada em público e em reuniões realizadas com representantes de outras instituições do setor de diagnóstico laboratorial e da própria ANVISA.

I CONGRESSO REGIONAL DO CENTRO-OESTE DA ABMLPM-DF

VETTA

1° Congresso Regional do Centro Oeste da ABMLPM-DF é um evento científico idealizado pela Associação Brasileira de Medicina Legal e Perícias Médicas Regional DF- ABMLPM-DF com o apoio da Associação Brasileira de Medicina Legal e Perícias Médicas Nacional – ABMLPM, a ser realizado no período de 26 a 28 de novembro de 2015, na Associação Médica de Brasília, localizada no SCES trecho 3 Cj 6 – Brasília/DF.

A realização deste congresso justifica-se a partir do novo paradigma e desafio para a Medicina Pericial dos dias atuais: a sua consolidação como uma especialidade médica.
Dentro desta perspectiva, inova-se uma proposta de integralidade do foco da atividade médico pericial, com o fortalecimento dos protocolos e da visão do perito como especialista. Este congresso gerará mais que uma carta de intenção: uma ação presente na agenda positiva do Distrito Federal e, sobretudo, nas discussões entre Médicos Peritos que estarão reunidos neste Congresso entender  os desafios futuros.

AMB apoia propostas do MPF contra corrupção

O MPF (Ministério Público Federal) desenvolveu 10 propostas que fortalecem o combate à corrupção no Brasil. As medidas foram sugeridas por procuradores da República e propõem mudanças em leis penais e processuais, que necessitam de aprovação do Congresso Nacional. Todo cidadão que não aguenta mais ver AMB apoia medicas contra corrupçãodesviados bilhões de reais que deveriam ser destinados aos serviços públicos, como a saúde, por exemplo, pode contribuir com as propostas assinando a petição, disponível on-line. Em prol de um movimento que visa punir de forma mais severa os corruptos e corruptores, que desviam dinheiro da saúde, por exemplo, a AMB resolveu apoiar as ações do MPF.

“Parte dos recursos que seriam destinados à saúde não chega a ser investida na melhoria dos hospitais, em melhores condições aos médicos e, principalmente, em melhor estrutura de atendimento aos pacientes, porque é desviada no meio do caminho. Temos convicção de que corrupção é sempre algo triste e deplorável, mas na saúde isso se torna ainda mais indigno e hediondo, porque essa prática deixa de salvar vidas. Mortes evitáveis ocorrem nas grandes emergências. Por isso, vamos apoiar este movimento, que pode ser uma saída para punir de maneira mais rigorosa os corruptos deste país e trazer a toda sociedade uma sensação maior de justiça e bem-estar”, analisa o presidente da AMB, dr. Florentino Cardoso.

A AMB acredita nas propostas do MPF para trazer também mais transparência ao Judiciário e ao próprio Ministério Público, fortalecendo a relação do brasileiro como cidadão, na luta pelo fim da corrupção e desvio de recursos que tiram bilhões dos cofres públicos todo ano, fruto da arrecadação do contribuinte, limitando o investimento nos serviços públicos, como na saúde, que respira por aparelhos sucateados.

As propostas incluem medidas como: criminalização do enriquecimento ilícito de agentes públicos; responsabilização dos partidos políticos e criminalização do caixa 2; reforma do sistema de prescrição penal; eficiência dos recursos no processo penal; prisão preventiva para assegurar a devolução do dinheiro desviado; prevenção à corrupção; transparência e proteção à fonte de informação; aumento das penas e crime hediondo para corrupção de altos valores; celeridade nas ações de improbidade administrativa; ajustes nas nulidades penais e recuperação do lucro derivado do crime.

As 10 medidas de combate à corrupção propostas pelo MPF têm como objetivo também dar mais transparência aos processos jurídicos brasileiros, estreitando as lacunas que, muitas vezes, proporcionam maior flexibilidade no uso do dinheiro e da máquina pública para desmoralizar, aliciar e corromper, prejudicando milhares de brasileiros.

“Embora o governo federal, recentemente, também tenha apresentado medidas anticorrupção, a AMB entende que somente com a intensificação da fiscalização na utilização dos recursos públicos e com devidas medidas legais à corrupção, poderemos ter um Brasil com saúde mais justa e humana, com serviços públicos de qualidade para todos os brasileiros”, afirma dr. Florentino.

 

Apoie a proposta do MPF por um Brasil sem corrupção:

http://www.dezmedidas.mpf.mp.br/

 

Veja abaixo as 10 medidas propostas pelo MPF:

1) Maior transparência para Judiciário e MP

– Regras para prestação de contas por parte de tribunais e procuradorias, além de investimento mínimo em publicidade de combate à corrupção, com ações de conscientização e educação.

– Testes de integridade: um agente público disfarçado poderá oferecer propina para uma autoridade suspeita; se ela aceitar, poderá ser punida nas esferas administrativa, penal e cível.

– Manter em segredo a identidade de um delator que colaborar com as investigações, dando maior segurança ao informante.

2) Criminalização do enriquecimento ilícito de agentes públicos

– Posse de recursos sem origem comprovada e incompatível com a renda do servidor se tornaria crime, com pena de 3 a 8 anos de prisão.

3) Crime hediondo para corrupção de altos valores e aumento de penas

– Punição mínima por corrupção (recebimento de vantagem indevida em troca de favor) passaria de 2 para 4 anos de prisão. Aumenta também o prazo de prescrição (quando se perde o direito de punir), que passaria de 4 para 8 anos.

– Quanto maior o volume de dinheiro envolvido, maior a pena. Até R$ 80 mil, a pena varia de 4 a 12 anos. Se a propina passar de R$ 80 mil, a pena será de 7 a 15 anos. Se for maior que R$ 800 mil, a prisão será de 10 a 18 anos. Caso seja superior a R$ 8 milhões, a punição será de 12 a 25 anos de prisão.

4) Eficiência dos recursos no processo penal

– Trânsito em julgado (declarar a decisão definitiva) quando o recurso apresentado for protelatório ou for caracterizado abusivo o direito de recorrer.

– Mudança nas regras para apresentação de contrarrazões em segunda instância, revogação dos embargos infringentes, extinção da revisão do voto do relator no julgamento da apelação, mudança na regra dos embargos de declaração, do recurso extraordinário e dos habeas corpus em diversos dispositivos.

– Possibilidade de execução provisória da pena após o julgamento na instância superior.

5) Celeridade nas ações cíveis de improbidade administrativa

– Acaba com a fase preliminar da ação de improbidade administrativa e prevê agravo retido contra decisão que receber a ação.

– Criação de turmas, câmaras e varas especializadas no âmbito do Poder Judiciário.

– Instituição do acordo de leniência para processos de improbidade administrativa – atualmente existente apenas em processos penais, na forma de delação premiada; e Administrativos, na apuração dos próprios órgãos públicos.

6) Reforma do sistema de prescrição penal

– Fim da “prescrição retroativa”, pela qual o juiz aplica a sentença ao final, mas o prazo é projetado para o passado a partir do recebimento da denúncia.

7) Ajustes nas nulidades penais

– Restringir as nulidades processuais a casos em que são necessários.

– Introduzir o balanço de custos e benefícios na anulação de um processo.

8) Responsabilização dos partidos políticos e criminalização do caixa 2

– Responsabilidade objetiva dos partidos políticos pelo caixa 2. Com isso, o partido poderá ser punido mesmo se não ficar provada culpa do dirigente partidário, mas ficar comprovado que a legenda recebeu recursos não declarados à Justiça Eleitoral.

– Quanto mais grave, maior a punição: além de multas maiores, o partido poderá também ter o funcionamento suspenso se for reincidente ou mesmo ter o registro cancelado.

9) Prisão preventiva para assegurar a devolução do dinheiro desviado

– Possibilidade de prisão preventiva (antes da condenação, por tempo indeterminado), caso se comprove que o suspeito mantém recursos fora do país.

10) Recuperação do lucro derivado do crime

– Confisco alargado: obriga o criminoso a devolver todo o dinheiro que possui em sua conta, exceto recursos que comprovar terem origem lícita.

– Ação civil de extinção de domínio: possibilita recuperar bens de origem ilícita, mesmo que não haja a responsabilização do autor do fato ilícito, em caso de morte ou prescrição, por exemplo.

 

 

LINKS INTERESSANTES:

Época – “Corrupção mata mais que homicídio”, diz procurador Dallagnol

Exame – Propinas investigadas pela lava jato podem chegar a R$ 10 bi

G1 – Procurador da Lava Jato Deltan Dallagnol palestra em Fortaleza

Valor Econômico – Procurador da Lava Jato percorre o pais em cruzada contra corrupção

Zero Hora – As 10 medidas da campanha contra a corrupção

I Simpósio Internacional de Gestão de ​​Projetos, Processos e Inovação na área d​a Saúde​​​​​​​​

​​​​​​​​São Paulo – Morumbi 12 e 13 de novembro de 2015

LOCAL: Auditório Moise Safra CESAS
DATA DO EVENTO12 e 13 de novembro de 2015
INSCRIÇÕES Consulte os pacotes

Sobre o evento

Este é o primeiro evento que aborda, conjuntamente, a gestão de projetos, processos e inovação como ferramentas de apoio à gestão no âmbito da saúde no Brasil. Em um contexto de competitividade, exigente e com recursos cada vez mais limitados, a implementação de programas estruturados para a gestão de projetos, para a melhoria dos processos e inovação passa de ser uma oportunidade a ser uma necessidade para as diferentes instituições que fazem parte do sistema de saúde no país. A busca constante da qualidade e de melhores resultados (custo-efetividade) para os atores envolvidos é uma discussão atual que merece a atenção e a participação de todos. Além de palestras e cases para apresentação de exemplos de boas práticas, serão oferecidos durante o evento cursos de introdução e atualização nos temas relacionados (melhoria de processos, gerenciamento de projetos e inovação). O evento contará também com pitchs de startups inovadoras na área da Saúde.

Público-alvo

Profissionais da área de Melhoria de Processos, Qualidade, Gerenciamento de Projetos, Inovação e gestores de instituições de saúde.

Inscrições

Inscrições até 09 de novembro de 2015.


Pontuação

  • Programa de Educação Continuada do Hospital Israelita Albert Einstein
  • Programa de Educação Médica Continuada do Hospital Israelita Albert Einstein

AMB no Congresso lutando pela Carreira Médica de Estado.

Emílio Zilli, diretor de Defesa Profissional da AMB, representou a entidade em audiência com o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, sobre Projeto de Lei para criação de Carreira Médica de Estado.
Também foi discutido o Projeto de Lei que inclui o termo “médico” nos diplomas e retira o “bacharel em medicina”, além de outros assuntos de interesse da saúde, da medicina e do médico.
O vice-presidente da AMB, Lincoln Ferreira, o 1º Secretário, Aldemir Humberto Soares e o diretores Márcio Fortini, Carmelo Leão Filho e José Mestrinho também estiveram presentes.

Sessão Solene – Antes da audiência com a presidência da Câmara dos Deputados, os representantes da AMB participaram da Sessão Solene solicitada pelo deputado federal Luiz Henrique Mandetta para comemorar o Dia do Médico, que aconteceu no último domingo (19/10)

Veja as imagens:

20151021122813 20151021120337 20151021113606 20151021102021 20151021102021 (1)