SBP faz petição à Anvisa

Pela disponibilização imediata da adrenalina autoinjetável! SBP faz petição à Anvisa. Assine também!

A adrenalina autoinjetável precisa ser disponibilizada para pacientes com anafilaxia – reação alérgica grave com início rápido e que pode causar a morte. O maior número de casos ocorre em crianças e adolescentes e o Departamento de Alergia e Imunologia da SBP vem apresentando a solicitação à Anvisa. Como a reação anafilática ocorre de forma abrupta, muitas vezes não há tempo para aguardar socorro, sendo essencial que o paciente tenha consigo o aplicador para autoinjeção. Agora, a SBP fez uma petição online. Assine você também!

Clique aqui para ler a petição e assinar

 

ANAMT, realizará o 16º Congresso Nacional de Medicina do Trabalho

A Associação Nacional de Medicina do Trabalho – ANAMT, realizará no período de 14 a 19 de maio de 2016 o 16º Congresso Nacional de Medicina do Trabalho. O Congresso será realizado no Centro de Eventos do Hotel Recanto Cataratas, em Foz do Iguaçu e terá como tema central, Saberes e Competências Necessários para o Cuidado da Saúde dos Trabalhadores.

Como presidente da Associação, ressalto que o Congresso vêm sendo instrumento valioso para oportunizar aos profissionais da área de saúde do trabalhador o compartilhamento de novos saberes e conhecimentos e novas formas de agir e cuidar da saúde de todos os trabalhadores e,  tem como objetivo promover oportunidades de cooperação científica e discussões entre pesquisadores, especialistas e profissionais de todas as áreas envolvidas na defesa constante do trabalho digno e decente, com melhor qualidade de vida para esta população.

Para cumprir essa missão, o programa científico esta sendo estruturado de forma abrangente e com um espaço de participação social, onde pretendemos neste ano, discutir a necessidade da construção de uma rede de saberes e conhecimentos, onde os  saberes das áreas cientificas e popular são fundamentais para enfrentar com sucesso os reflexos das transformações do mundo do trabalho na saúde dos trabalhadores.

O email de contato é: secretaria@congressoanamt2016.com.br 

 

Debate online sobre associação do zika vírus à microcefalia com Dr. Manoel Sarno

O surto de recém-nascidos com a microcefalia tem intrigado não só a comunidade médica como toda a população brasileira. A contaminação pelo zika vírus foi confirmada pelo Ministério da Saúde como a causa mais provável, mas ainda gera diversas dúvidas.

A questão será debatida no próximo dia 21 de dezembro, às 20h, em um bate papo on-line e gratuito com o Dr. Manoel Sarno, Professor Adjunto de Obtestrícia da UFBA, professor da Caliper Escola de Imagem. Ele é responsável pelo Serviço de Medicina Fetal do Hospital Geral Roberto Santos (BA) e da Maternidade Climério de Oliveira (BA).

O debate está sendo promovido pelo Núcleo de Educação, Avaliação e Produção Pedagógica em Saúde (EducaSaúde) em parceria com a Caliper Escola de Imagem. As inscrições podem ser feitas neste no site www.saudeconnection.com.br/aula-ao-vivo.

Manoel Zika

Eleição para a Diretoria da Sociedade Brasileira de Pediatria

Aos colegas associados da Sociedade Brasileira de Pediatria / Sociedade de Pediatria de São Paulo.

No primeiro quadrimestre de 2016 ocorrerá a eleição para a Diretoria da Sociedade Brasileira de Pediatria seguindo o calendário abaixo:

04/01/2016 Publicação do Edital no Diário Oficial da União e em todos os meios de comunicação da SBP com as informações sobre as eleições.
05 a 15/02/2016 Período de inscrição da(s) chapa(s).
18 a 24/02/2016 Período para regularização da(s) chapa(s) impugnada(s).
01 a 30/032016 Período de campanha eleitoral.
31/03 a 04/04/2016 Período de votação via internet*.
*   A eleição será realizada, eletronicamente, pela internet, mediante senha individual, a ser previamente fornecida pela SBP por remessa postal e por meio eletrônico (se houver o e-mail no Cadastro da SBP), depois de confirmada a condição do associado eleitor (em dia com sua contribuição até 03/02/2016)

Seu voto é fundamental para validar e dar força às ações da SBP.

Chamamos a atenção de que só são lícitas as chapas validadas pela Comissão Eleitoral até 24/02/2016, não cabendo qualquer manifestação relativa a essas eleições antes do início do período de campanha eleitoral, a partir de 01/03/2016.

Como há previsão de que haverá mais de uma candidatura, pedimos a todos que fiquem atentos à observância do Regulamento do Processo Eleitoral e da Resolução da Comissão Eleitoral, acessíveis em: http://www.sbp.com.br/src/uploads/2012/12/Regulamento_-Processo_Eleitoral2015.pdf e http://www.sbp.com.br/src/uploads/2015/08/RESOLUO-COMISSAO-ELEITORAL.pdf

É essencial o respeito ao Estatuto Social da SBP e seus regulamentos, com garantia de equidade de direitos e oportunidades a todos os candidatos.

SPSP – Sociedade de Pediatria de São Paulo

Zika vírus e microcefalia: mitos e verdades

Apesar de existirem casos de zika vírus no continente africano ainda na década de 40 e, mais recentemente, na Polinésia Francesa, o Brasil foi o primeiro país a observar uma relação entre a microcefalia e a infecção, como explica a presidente da Sociedade Brasileira de Genética Médica, Dra. Lavínia Schüler-Faccini, em entrevista exclusiva ao site da AMB.

Paraná promove mobilização contra o mosquito da dengue nesta quarta-feira, 09/12. Curitiba, 08/12/2015 Foto: Venilton Kuchler / ANPr
Foto: Venilton Kuchler / ANPr

1) Como a epidemia chegou ao Brasil?
Acredita-se que ela tenha chegado em 2014 e foi detectada somente no segundo semestre daquele ano. As possibilidades são de que o vírus tenha entrado com torcedores estrangeiros durante a Copa do Mundo ou com uma equipe de Remo da Polinésia Francesa, que esteve em um campeonato no Brasil. A epidemia começou no Nordeste, no início de 2015. Isso explicaria porque agora vemos maior número de casos de microcefalia naquela região.

2) O que é a microcefalia?
A microcefalia é mais um sinal clínico do que uma doença em si, e mostra que houve uma lesão cerebral no feto que levou a cabeça dele a ficar menor. Essas lesões podem ocorrer tanto por fatores genéticos quanto ambientais, como uso de álcool e outras infecções (por exemplo, sífilis e rubéola, erradicada no Brasil). Não que não existisse microcefalia antes, mas em curto espaço de tempo os casos começaram a aparecer em um número muito maior.

3) Existem outras alterações no feto que também possam ser causadas pelo vírus?
Sim. A presença de alterações em tomografias ou ultrassonografias do cérebro, como pequenos pontos de calcificações, o que não é normal. Essas calcificações são muito características em outros tipos de infecções durante a gravidez.

4) Que dados a classe médica possui sobre os casos de microcefalia associada à presença do zika vírus em outros países?
Na África, não temos nenhum dado sobre má formação, pois nos países onde o vírus prevalece, como Nigéria e Uganda, a mortalidade infantil é muito alta e falta documentação básica como registro de nascimento. Mesmo no Brasil, até pouco tempo atrás, muitas crianças não eram nem registradas. Na Polinésia Francesa, que é um território dependente da França, a interrupção da gestação é legal, diferentemente do Brasil. Lá, não se observou alterações no nascimento de bebês, entretanto, nos ultrassons durante a gravidez apareceram alterações do cérebro muito parecidas com as que observamos agora. Deduzimos que a maioria dessas gestações deva ter sido interrompida.

5) Como é feita a declaração de nascido vivo, onde constam dados sobre má formação, no Brasil?
No Brasil temos uma declaração de nascido vivo onde consta a má formação. Podemos comparar as frequências aqui. O que observamos é que muitas vezes a declaração de nascido vivo não é preenchida com estes dados e temos um sub-registro na maioria dos Estados. Esperamos que com o alerta sobre microcefalia agora, os profissionais de saúde fiquem alertas sobre a importância de termos as estatísticas confiáveis.

6) A presença do vírus no líquido amniótico de mulheres grávidas justifica uma mutação genética no feto que explique a microcefalia?
Não se trata de uma mutação genética, mas, sim, de uma ação direta nas células em desenvolvimento do embrião. O vírus para se dividir precisa de toda a estrutura da célula do hospedeiro, o que causa a lesão. Se esse bebê com microcefalia chegar à fase adulta e tiver filhos, o problema não será transmitido de maneira hereditária.

7) Por que a dengue e a febre chikungunya, que são transmitidas pelo mesmo mosquito, não estão associadas a nenhum problema de má formação do feto?
Ainda não sabemos por que alguns vírus causam anomalias e outros não. A dengue e a chikungunya são vírus da mesma família (flavivírus) e estão há mais tempo no Brasil, mas nunca se observou nenhuma diferença nas crianças, ao nascer, como microcefalia, por exemplo.

8) Todas as mulheres grávidas que foram infectadas pelo zika vírus tiveram bebês com microcefalia?
Não, somente uma parte das mulheres. Os dados neste curto espaço de tempo desde a detecção da epidemia de microcefalia ainda são insuficientes para sabermos a proporção entre gestantes infectadas e recém-nascidos com microcefalia.

9) A gravidade das lesões causadas no feto pelo zika vírus pode variar conforme o período da gestação?
Alguns bebês nascem mais gravemente afetados e outros menos, mas isso não parece ter relação com a gravidade da doença da mãe. Algumas tiveram quadros virais muito leves e as crianças sofreram danos cerebrais graves. Percebemos que nas gestantes infectadas pelo vírus no segundo e no terceiro trimestre de gravidez os danos tendem a ser mais leves. Entretanto, não podemos dizer que não há mais risco de má formação neste período.

10) Há uma rede de boatos que diz que as vacinas de rubéola importadas de Cuba poderiam gerar algum tipo de má formação em bebês. Essa informação procede?
Não. O Brasil foi considerado erradicado por rubéola. Não temos casos de rubéola congênita há muitos anos. Na época da campanha de vacinação para todas as mulheres em idade reprodutiva, em 2002, acompanhamos em parceria com a Secretaria de Saúde do Rio Grande do Sul mulheres em Porto Alegre que não sabiam que estavam grávidas quando tomaram vacina, e em mais de cem gestantes acompanhadas, nenhuma teve bebê com microcefalia ou com síndrome de rubéola fetal.

11) O vírus pode trazer problemas neurológicos para crianças ou idosos?
Não existe, até o momento, em nosso conhecimento, nenhum relato de caso de encefalite relacionado à infecção por zika vírus pós-natal. Existe um número muito pequeno de casos de complicação neurológica de Guillain-Barré, mas isso não está relacionado à idade do paciente e trata-se ainda de um número muito pequeno de casos.

12) O que é a síndrome de Guillain-Barré?
É uma doença muito associada a infecções de uma maneira geral. Não é uma ação do vírus diretamente, mas, sim, uma reação do sistema imune do indivíduo que passa a atacar o próprio organismo, o que chamamos de auto-imunidade. É raro e acontece em qualquer idade.

 

Sociedade de Pediatria orienta sobre uso de repelente em crianças

O Departamento Científico de Dermatologia da SBP preparou um texto sobre como proteger as crianças do mosquito e das doenças que transmite de forma adequada, desde a proteção mecânica, com as roupas certas, fechamento de janelas nos horários em que oAedes aegypti costuma atacar e as orientações sobre os repelentes. As orientações foram elaboradas pela presidente, Kerstin Taniguchi Abagge e por Jandrei Rogério Markus, também integrante do Departamento.

Confira na íntegra.

Protocolo de vigilância e resposta à ocorrência de microcefalia relacionada à infecção pelo vírus zika

Foi feito um protocolo que tem como objetivo prover a profissionais de saúde e áreas técnicas de vigilância em saúde informações gerais, orientações técnicas e diretrizes relacionadas às ações de vigilância das microcefalias em todo território nacional.

Até o momento, foram consolidadas algumas importantes evidências que sustentam a decisão do Ministério da Saúde no reconhecimento desta relação, como:

 Constatação de que os padrões de distribuição dos casos suspeitos de microcefalia pós-infecciosa apresentam características de dispersão e não indicam concentração espacial;

 Constatação de que os primeiros meses de gestação das mulheres com crianças microcefálicas correspondem ao período de maior circulação do vírus Zika na região Nordeste;

 Constatação, após investigação epidemiológica de prontuários e entrevistas com mais de 60 gestantes, que referiram doença exantemática na gestação e cujas crianças com microcefalia, sem histórico de doença genética na família e/ou exames de imagem sugestivo de processo infeccioso;

Veja continuação no link:

microcefalia-protocolo-de-vigilancia-e-resposta-v1

Paralisação nacional dos médicos residentes

Desde as 7 horas desta terça-feira, 8 de dezembro, os médicos residentes de todo país retomaram paralisação nacional, na luta por melhores condições de atendimento.  Em 24/9, os residentes já haviam parado por 24 horas, como forma de alertar o governo para a pauta de reivindicações.

Abaixo, veja ofício da Associação Nacional de Residentes Médicos (ANMR), encaminhado como resposta ao enviado pelo Ministério da Educação nesta segunda-feira.

A AMB (Associação Médica Brasileira) apoia as reivindicações dos médicos residentes, cujo foco da atuação deve ser ensino e aprendizagem, para elevar cada vez mais a qualidade do atendimento à população brasileira.

2015 12 07 Ofício Resposta _ SESU sobre Paralisação (002)_Página_1

2015 12 07 Ofício Resposta _ SESU sobre Paralisação (002)_Página_2

2015 12 07 Ofício Resposta _ SESU sobre Paralisação (002)_Página_3