aedes

Zika Vírus: a doença que evoluiu na incompetência de uma saúde preventiva eficiente

Patologia tem sintomas parecidos com os da dengue e febre chikungunya e é transmitida pelo mesmo mosquito, mas é menos grave

aedes

No final do mês de março, uma doença, até então desconhecida, assustou a população de Camaçari, na Bahia. Dezenas de pessoas, com sintomas parecidos com os da dengue, procuraram atendimento médico, mas não tiveram um diagnóstico preciso. Exames indicavam que não se tratava de dengue, febre chikungunya, rubéola ou sarampo, mas também não conseguiam apontar com precisão qual patologia era.

Quase um mês se passou e mais casos foram identificados em outros municípios da Bahia, até que os pesquisadores Gúbio Soares e Silvia Sardi, do Instituto de Biologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA), conseguiram identificar o responsável pela doença, através de amostras de sangue de pacientes.  Tratava-se do Zika Vírus.

O Zika Vírus, ou Febre Zika, é transmitido pelo Aedes Aegypt, mesmo mosquito que causa o contágio da febre amarela, dengue e febre chikungunya. Os sintomas são semelhantes aos dessas doenças, porém mais brandos: febre por volta dos 38 graus, dor de cabeça, diarreia, náuseas, dor no corpo e nas articulações. Outros sinais de infecção pelo vírus são: erupções cutâneas acompanhadas de coceira intensa, fotofobia e conjuntivite.

O período de incubação vai de 3 a 12 dias após o contágio. O vírus apresenta baixa letalidade e o próprio organismo humano se encarrega de combatê-lo. O tratamento visa unicamente o alívio dos sintomas por meio de analgésicos, anti-inflamatórios, não-esteroides e antitérmicos que não contenham ácido acetilsalicílico. A infecção, em geral, cessa em até 7 dias.

Entre as principais diferenças da febre chikungunya e do Zika Vírus em relação a dengue, é que, na primeira, o paciente apresenta um quadro com mais dores articulares mais intensas. Enquanto na segunda, a tendência é ter mais manchas vermelhas espalhadas pelo corpo. Por sua vez, a dengue é patologia mais perigosa das três.

História e evolução do vírus

O Zika Vírus foi isolado pela primeira vez na década de 1940, por meio de estudos realizados em macacos da floresta de Zika, em Uganda. Em 1964, na Nigéria, foi identificado pela primeira vez em humanos e de lá se espalhou por outras regiões da África e também da Ásia. Em 2007, foi encontrado pela primeira vez fora desses continentes, em um surto da doença na Oceania.

No Brasil, especialistas trabalham com a hipótese de que o vírus tenha chegado ao país em 2014, trazido por turistas que vieram assistir à Copa do Mundo e desde então passou a ser transmitido pelo Aedes Aegypt.

Não existe vacina para a doença e a única forma de preveni-la é acabar com os focos de reprodução do mosquito transmissor, tarefa que ultimamente não tem obtido êxito, visto a epidemia de dengue que assola várias regiões do Brasil.

 

 

Saúde Preventiva?

Segundo o presidente da Sociedade Brasileira de Infectologia e médico infectologista do Hospital São José de Fortaleza, Dr. Érico Arruda, a principal razão para este quadro é devido às falhas que o Brasil comete quando o assunto é prevenção de doenças: “Temos vários fatores para este desfecho, um deles é a maneira desorganizada de enfrentar as doenças infecciosas. Na saúde preventiva do país, sempre se corre para resolver os problemas de grande repercussão, e não se ataca os demais. Vivemos como bombeiros. Nos deslocamos todos para uma ação, e não conseguimos correr para outras”, analisa.

De acordo com o Dr. Arruda, o que também contribui para a pouca efetividade das políticas de prevenção é o financiamento público insuficiente para dar cobertura a essas questões, falta de saneamento básico e pouca adesão que parte da população tem na prevenção de doenças, devido à falta de educação.

Com relação a estudos científicos sobre o Zika, o Dr. Arruda afirma que provavelmente serão intensificados mundialmente, já que “o vírus agora está se espalhando e chegou a um país de tamanho continental, que faz divisa com diversos países da América do Sul, além de ter muitos turistas na Europa e EUA”.

Compartilhar em:

  • maury sousa

    A melhor maneira nesse momento e cada qual fazer sua paratw