CNRM PUBLICA MATRIZES DE COMPETÊNCIAS DOS PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA MÉDICA

Estão publicadas as Matrizes de Competências dos Programas de Residência Médica. As matrizes aprovadas contaram com um amplo trabalho das sociedades de especialidade, representadas na Comissão Nacional de Residência Médica pela Associação Médica Brasileira, através de José Luiz Bonamigo, 2º. Tesoureiro, e Diogo Leite Sampaio, vice-presidente da AMB.

 

A Associação Nacional dos Médicos Residentes tem assento CNRM, com seu presidente Juracy Barbosa, o que contribui para que seja valorizada a visão dos futuros especialistas sobre o processo, já que o vivenciam no dia-a-dia.

 

Para Bonamigo “é uma vitória para todas as entidades envolvidas, pois as Matrizes de Competências norteiam o desenvolvimento dos programas de Residência Médica e muitos estavam carecendo de atualização, pois no mundo da ciência constantemente são incorporadas novas tecnologias e novas abordagens, exigindo uma adequação nos programas de formação”.

 

Veja a publicação: http://portal.mec.gov.br/component/content/article?id=71531

A ACADEMIA NACIONAL DE MEDICINA REALIZA O SIMPÓSIO ENSINO MÉDICO

 

Aconteceu hoje, 29 de novembro, na sede da Academia Nacional de Medicina, localizada no Rio de Janeiro, o Simpósio Ensino Médico. A instituição científica cultural mais antiga do Brasil convidou o presidente da Associação Médica Brasileira, Lincoln Lopes Ferreira, para coordenar o simpósio e também ser palestrante.

 

Temas de grande interesse à classe médica foram abordados, como o ensino médico público e privado, as escolas médicas e seus processos de criação no Brasil, análise crítica da residência médica, incluindo os meios de vigília para qualidade médica, assunto apresentado pelo presidente da AMB.

Em tempos de mudança da medicina brasileira, o Simpósio realizado pela ANM se faz ainda mais necessário. Quando há defasagem no ensino médico, não apenas a classe médica perde, mas principalmente a população brasileira no geral. “É com um sentimento de felicidade que participo da qual considero uma importante realização da Academia Nacional de Medicina. É gratificante estar com os colegas para debater assuntos que dizem respeito ao futuro da medicina do nosso país”, concluí Lincoln Lopes Ferreira.

Na foto: Acadêmicos Mário Barreto Correa Lima, José Galvão Alves, Jorge Alberto Costa e Silva e o presidente da AMB, Lincoln Lopes Ferreira.

Foto: Fernando Antônio Gomes de Andrade – Diretor Cultural da AMB.

COMEÇOU HOJE O XXIII CONGRESSO BRASILEIRO DE MEDICINA INTENSIVA 

De 29 de novembro a 01 de dezembro acontece, organizado pela Associação de Medicina Intensiva Brasileira, o XXIII Congresso Brasileiro de Medicina Intensiva. O evento realizado na Transamérica Expo Center, em São Paulo, está repleto de grandes nomes nacionais e internacionais da medicina intensiva, que irão apresentar evoluções da área em mais de 50 palestras ao longo desses três dias.

O presidente da Associação Médica Brasileira, Lincoln Lopes Ferreira, esteve presente na abertura “estou honrado em presenciar o início de um Congresso como esse, com grande importância para a medicina, o intercâmbio de conhecimento traz novos tratamentos e benefícios para saúde num geral”, sintetizou.

Entre as pautas, serão discutidas tendências como a Inteligência Artificial na Medicina e a humanização da Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Vencer batalhas que pareciam perdidas é de rotina aos médicos intensivistas, e nessa área, na qual as decisões devem ser precisas, toda informação segura é de grande ajuda, tornando essencial a realização do XXIII Congresso Brasileiro de Medicina Intensiva.

UM GRANDE EXEMPLO DE COMPROMISSO DOS MÉDICOS BRASILEIROS.

 

As questões envolvendo o Mais Médicos sempre levantaram muita polêmica sobre os médicos brasileiros atuarem em determinadas situações ou locais.

“Mas a verdade tem sido revelada após a abertura do novo Edital e saída dos médicos cubanos. Mais de 30 mil inscritos no edital e 98% das vagas já preenchidas. E nesta reportagem mais um exemplo de compromisso e cidadania de nossos colegas, vindo do Ceará”, comenta Diogo Leite Sampaio, vice-presidente da Associação Médica Brasileira.

A AMB cumprimenta a todos.

https://g1.globo.com/ce/ceara/noticia/2018/11/28/medicos-voluntarios-substituem-cubanos-que-deixaram-ceara-apos-fim-de-acordo.ghtml

CONSELHO CIENTÍFICO DA AMB ABORDA IMUNODEFICIÊNCIAS, NEFROLOGIA INTERVENCIONISTA E ONCOGENÉTICA

Aconteceu nessa terça feira (27/11), a reunião mensal do Conselho Científico da Associação Médica Brasileira. Lincoln Lopes Ferreira e Antônio Carlos Palandri Chagas, respectivamente presidente e diretor científico da AMB, realizaram a abertura enfatizando a importância de um ministro da saúde comprometido com a classe médica, como Luiz Henrique Mandetta.

 

Representando a Associação Brasileira de Alergia e Imunologia, o professor Antonio Condino trouxe ao conselho a importância da triagem neonatal no diagnóstico precoce de imunodeficiências primárias, um novo assunto da medicina visando a maior assertividade nos tratamentos dessas patologias, em sua maioria, de caráter congênito e hereditário.

 

Diretor científico e presidente eleito da Sociedade Brasileira de Nefrologia, Marcelo Mazza, abordou no conselho a Nefrologia Intervencionista, não apenas sua importância na expansão de especialidade, mas também na formação de nefrologistas.

 

 

 

Encerrando as apresentações, Patricia Prolla, da Sociedade Brasileira de Genética Médica, defendeu uma proposta da área de atuação em Oncogenética, para todas sociedades de especialidades relacionadas à prática.

 

“A reunião de hoje trouxe assuntos que mostram o quanto a medicina brasileira está avançando e o quanto as sociedades juntas podem contribuir para esses avanços”, conclui Antonio Carlos Palandri Chagas.

 

Vídeo e fotos: Andrezza Hernandes Rodrigues – Timbro Comunicação

BRASILEIROS NO MAIS MÉDICOS PODEM COBRAR MAIS ATUAÇÃO MUNICIPAL

Na última segunda feira, dia 26 de novembro, o diretor da Associação Médica Brasileira, José Luiz Bonamigo Filho, concedeu uma entrevista para ao Jornal da Record a respeito do programa Mais Médicos.

As inscrições já ultrapassam 30 mil profissionais brasileiros da medicina dispostos a trabalharem no Mais Médicos, incluindo em cidades mais remotas. Os conselhos regionais de medicina, do Ceará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Sergipe, Bahia, Distrito Federal, Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo, estão agilizando o registro de médicos recém-formados para possibilitar suas inclusões no programa.

“A presença do médico brasileiro, diferente do cubano que tinha poucas liberdades, vai motivar uma maior cobrança do secretário de saúde, por mais medicamentos, por encaminhamentos para os hospitais, por exemplo. Deve refletir numa melhor qualidade da assistência para a população”, conclui Bonamigo.

Confira a matéria em: http://recordtv.r7.com/jornal-da-record/videos/mais-medicos-recebe-30-mil-inscricoes-de-profissionais-registrados-no-brasil-26112018

SÓ MÉDICO NÃO RESOLVE A ATENÇÃO BÁSICA NA SAÚDE

Na matéria do Fantástico é mostrada a grande quantidade de médicos que atenderam ao edital de inscrições no Programa Mais Médicos. Diogo Leite Sampaio, vice-presidente da Associação Médica Brasileira, deixa claro que só médico não é o suficiente para o atendimento à população, que faltam investimentos na atenção básica. “É preciso que os governantes façam sua parte”, afirma.

https://g1.globo.com/fantastico/noticia/2018/11/25/apos-saida-dos-medicos-cubanos-fantastico-mostra-impacto-na-vida-dos-pacientes.ghtml

A AMB DEFENDE A CARREIRA DE MÉDICO DE ESTADO

Com a alta adesão ao Mais Médicos, os secretários municipais de Saúde começaram a questionar a probabilidade de abandono ao programa, devido ao histórico dos anos anteriores.

Para o presidente Lincoln Ferreira, em entrevista ao Estadão, essa saída do programa pode sim acontecer caso não haja condições de trabalho adequadas. Cabe ao médico denunciar a falta de infraestrutura, já que a vida do paciente está sob sua responsabilidade.

O fato de incentivar os brasileiros a participarem do Mais Médicos e ao mesmo tempo criticá-lo não é uma contradição. “Defendemos a Carreira de Médico de Estado para profissão. Mas sabemos que isso não pode ocorrer de imediato. O Mais Médicos pode ser uma medida temporária”, conclui Lincoln Ferreira.

Leia a matéria completa em: https://saude.estadao.com.br/noticias/geral,secretarios-temem-que-brasileiros-desistam-de-vagas-no-mais-medicos,70002621660

AMB LANÇA PESQUISA SOBRE INSCRIÇÕES NO MAIS MÉDICOS

VOCÊ TEVE PROBLEMAS PARA SE INSCREVER NO EDITAL No. 18 DO MAIS MÉDICOS?

A AMB está fazendo um levantamento para saber quantos médicos tentaram se inscrever no edital de novembro do Mais Médicos e não conseguiram acessar o site ou tiveram outras dificuldades na inscrição.

Precisamos entender o que ocorreu, classificar e quantificar os problemas para atuarmos assertivamente junto aos órgãos competentes no sentido de auxiliar na solução.

Por isso é fundamental termos a contribuição, mesmo de quem conseguiu se inscrever após obstáculos.

Solicitamos a todos os médicos que tentaram (tendo conseguido ou não) se inscrever no edital no. 18 do Mais Médicos  que preencham o formulário e relatem o ocorrido.

https://pt.surveymonkey.com/r/InscricoesMaisMedicos

 

LINCOLN LOPES FERREIRA, PRESIDENTE DA AMB, EM ENTREVISTA AO JR NEWS

No dia 21 de novembro, o presidente da Associação Médica Brasileira, Lincoln Lopes Ferreira esteve nos estúdios da Record News para ser entrevistado pelo Heródoto Barbeiro sobre as inscrições no processo de seleção para o programa Mais Médicos.

“Conseguimos muito bem suprir as nossas necessidades em termo de recursos humanos, falta realmente que os gestores, em seus diversos níveis, federal, municipal e estadual eles atenham e assumam o compromisso legal de prover a infraestrutura” esclarece Lincoln, quando questionado sobre profissionais da medicina relutantes a trabalharem em pequenos municípios.

Com o número elevado de médicos inscritos, mais do triplo de cubanos que prestavam serviços no Brasil, Lincoln Ferreira se mostra otimista, mas ressalta que o programa é de caráter temporário, para atender necessidades emergenciais.

Veja a entrevista completa em: https://youtu.be/-53tmLudeQ0