A Luta Contra o Glaucoma

Neste dia 26 de maio comemora-se o Dia Nacional de Combate ao Glaucoma, uma doença sutil, mas extremamente perigosa

combatge-glaucoma

 

O glaucoma atinge cerca de 1 milhão de brasileiros e mais de 60 milhões de pessoas ao redor do globo, sendo a segunda maior causa de cegueira no mundo, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS). Silencioso, aumenta a pressão intraocular provocando lesões irreparáveis no nervo ótico – o responsável por levar as informações visuais do olho até o cérebro – comprometendo a visão e, ao atingir um nível avançado, pode deixar o paciente cego.

Existem diversos tipos de glaucoma, sendo o glaucoma crônico de ângulo aberto o mais recorrente com 80% dos casos registrados. Essa doença ocular costuma se manifestar principalmente em adultos maiores de 40 anos, portadores de diabetes, negros – pois possuem tendência a desenvolver pressão alta -, pessoas com histórico de glaucoma na família, altos míopes e pacientes que tiveram algum trauma ocular. Porém qualquer pessoa, até mesmo crianças, podem desenvolver a enfermidade.

Por ser uma doença de progressão lenta e de difícil percepção, é necessário fazer exames de rotina e prestar atenção em alguns sintomas que podem aparecer, como dores de cabeça, enjoo e dor ocular intensa.

Apesar de incurável, o glaucoma tem tratamento. Na forma mais comum três métodos são utilizados: medicação, laser e cirurgia.

Em geral os colírios são bem aceitos pelo organismo e ajudam a reduzir a pressão intraocular quando usados corretamente, no entanto, caso apenas só o colírio não seja suficiente, o médico pode receitar comprimidos de via oral para potencializar os efeitos desejados. O laser também pode ser usado caso os colírios não estejam surtindo o resultado esperado, mas de qualquer forma o paciente deve continuar a terapia com medicamentos. Já a cirurgia é feita em último caso, pois é um tratamento mais invasivo e visa criar um novo sistema de drenagem para o olho para controlar a pressão intraocular.

Compartilhar em: