Caixa-Preta registra via-crúcis em tratamento de câncer de mama

logo-escrito

 

Após anos tratando a doença no Instituto Brasileiro de Controle do Câncer, a situação de Regina Bassetto se agravou, apontando para a necessidade de uma segunda cirurgia, em que seria feita a retirada da mama. Paciente de câncer no grau 4, a perigosa proximidade de metástase em seu quadro não teve qualquer influência para agilizar a marcação do procedimento. “Houve uma série de desencontros na marcação de consultas, de exames, alguns foram perdidos, até que comecei a fazer denúncias no Caixa Preta da Saúde”, relata Tatiana Bassetto, nora de Regina.

Em contato desde outubro, a cirurgia só conseguiu ser finalmente realizada no início de janeiro deste ano. Mas não é a primeira vez que a paciente enfrenta adiamentos nos procedimentos. “A primeira cirurgia, para que ocorresse, precisou ter uma indicação de um candidato a deputado federal”, desabafa.

Vencidas as dificuldades burocráticas, Regina enfrentou ainda as consequências da má gestão no serviço de saúde. Sua nora elogia o serviço e o atendimento prestado pelos profissionais, mas alega que a desorganização administrativa quase vitimou a sogra: “apesar da existência de bons profissionais, o hospital é totalmente desorganizado, não há comunicação adequada entre todos os funcionários. O procedimento foi muito bem feito, as acomodações do quarto foram muito boas; porém retiraram um seio e deram alta para a paciente sem nenhum antibiótico, apenas anti-inflamatórios”.

De acordo com Tatiana, Regina teve uma séria infecção no local da cirurgia, que não tendo a assistência necessária durante as trocas de curativo. “Diziam que era normal ter febre e que não tomar antibiótico era um procedimento do hospital”, explica. Após resistência da instituição, a internação da paciente foi realizada, quando constataram a gravidade da complicação. “Segundo o laudo, mais um pouco e poderia ter virado infecção generalizada, e ter acontecido o óbito”, ressalta.

Compartilhar em: