Lei assinada por Dilma Rousseff coloca em risco vida de pacientes com câncer

A atitude imprudente da presidente da República em sancionar lei que libera uso e comercialização da fosfoetanolamina, conhecida como “pílula do câncer”, coloca em risco a saúde dos pacientes com câncer e ignora por completo métodos científicos e seguros para aprovação de medicamentos, além de desvalorizar a ANVISA, órgão do próprio governo. A substância não é reconhecida como medicamento e não há nenhum estudo sério e conclusivo sobre indicação, dose recomendada, efetividade e quais riscos para pacientes que a utilizam. “Medicamento deve ser substância que melhore a saúde dos pacientes, trazendo benefícios que superem efeitos colaterais”, afirma Florentino Cardoso, presidente da AMB (Associação Médica Brasileira). “A presidente da República ignorou complemente todas as orientações e alertas científicos da AMB, Anvisa, CFM, sociedades médicas, e o rigor científico que a questão requer. Não há justificativa racional para assinatura dessa lei pela presidente. Está expondo pacientes a risco desconhecido e aproveitando-se do desespero de alguns para, de maneira demagógica, apresentar falsa solução à desassistência reinante no setor saúde, que só piora ao longo dos anos. Pacientes com câncer estão morrendo por falta de diagnóstico e tratamento, por completa falência do SUS”, conclui Florentino. A AMB, suas federadas e sociedades de especialidade alertam que a disponibilização de substâncias através da promulgação de lei, sem sustentação em arcabouço científico, concebido nas diversas fases da pesquisa clínica, coloca em risco a saúde dos pacientes com câncer. Não obstante o enorme corte orçamentário da Saúde, à suspensão do pagamento de bolsas de estudos para pesquisadores brasileiros e aos diversos atrasos de repasses a estados e municípios, agora o governo federal autoriza uso e comercialização de substância sem o devido rigor científico. Assim, tendo como principal preocupação a segurança do paciente, a AMB, suas federadas e sociedades de especialidade orientam aos médicos que não prescrevam o uso da fosfoetanolamina até a devida comprovação científica. Saúde é nosso bem maior e o povo brasileiro merece respeito.

Associação Médica Brasileira

Associação Bahiana de Medicina

Academia Brasileira de Neurologia

Associação Brasileira de Medicina Física e Reabilitação

Associação de Medicina Intensiva Brasileira

Associação Médica Cearense

Associação Médica de Minas Gerais

Associação Médica do Maranhão

Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva

Colégio Brasileiro de Cirurgiões

Federação Brasileira de Gastroenterologia

Sociedade Brasileira de Cancerologia

Sociedade Brasileira de Cirurgia Oncológica

Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia

Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica

Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia

Sociedade Brasileira de Pediatria

Sociedade Médica de Sergipe

Sociedade Brasileira de Dermatologia

Sociedade Brasileira de Patologia Clínica

Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular

Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial 

Sociedade Brasileira de Hepatologia

 

 

 

Compartilhar em: