WMA DEFENDE A DISTRIBUIÇÃO EQUITATIVA E GLOBAL DE VACINAS CONTRA A COVID-19

Na Assembleia Geral anual da World Medical Association (WMA), este ano realizada de forma virtual, esteve em debate a distribuição das vacinas contra a Covid-19. A WMA recomenda que nenhum País deve ser deixado para trás na corrida para vacinar sua população e que a distribuição deve ser equitativa e global, de uma vacina segura e eficaz. Defende, também, que os profissionais de saúde e as populações vulneráveis deveriam estar entre os primeiros a recebê-la.

“O esforço global sem precedentes em andamento para desenvolver uma vacina eficaz pode deixar os países de baixa renda em desvantagem. Portanto, é essencial que defendamos uma distribuição justa de vacinas bem-sucedidas para garantir que todas as regiões do mundo possam se beneficiar o mais rápido possível”, disse o recém empossado presidente da WMA, David Barbe. “Uma pandemia não pode ser contida por um único País. Requer um esforço colaborativo global”, complementa.

Ainda sobre as vacinas, a WMA observa que todos os ensaios devem seguir os princípios éticos para pesquisa médica estabelecidos na Declaração de Helsinque.

A WMA também alerta sobre a necessidade de manter outras vacinações de rotina importantes, como para poliomielite, sarampo e gripe. “É vital aumentarmos a confiança do público na vacinação em face das campanhas de desinformação e movimentos antivacinas que prejudicam a saúde de crianças e de adultos”.

Em homenagem aos milhares de médicos que morreram tratando da pandemia e aos muitos médicos prestando cuidados na linha de frente, a Assembleia decidiu que 30 de outubro deve ser designado como o Dia Internacional da Profissão Médica.

Entre as outras medidas exigidas pela WMA estão o fornecimento suficiente de equipamentos de proteção individual, o fortalecimento dos sistemas de saúde e a tolerância zero para agressões aos médicos.

#AMB #WMA

Compartilhar em: