CIGARRO ELETRÔNICO NÃO FAZ MAL?

Em gravação de entrevista para o Jornal da Band, na manhã desta sexta-feira, Arthur Guerra, Coordenador da Comissão de Dependência Química da AMB, alertou que o cigarro eletrônico pode ser uma alternativa temporária para os fumantes durante o processo para parar de fumar, mas que há riscos de “glamourização” do produto por conta de preço, de não deixar cheiro, da diversidade de sabores e etc.

Jovens, principalmente, muitas vezes são as vítimas mais vulneráveis deste tipo de produto, segundo Arthur.

Compartilhar em: