CLASSIFICAÇÃO FOGOS: IMPORTANTE CONHECER

No mês de junho, os acidentes com fogos de artifício aumentam consideravelmente, geralmente porque são manuseados de forma equivocada ou irresponsável.

Os acidentes mais comuns com os fogos são queimaduras e mutilações, havendo ainda riscos para audição e riscos de cegueira. Ainda há riscos para casas e florestas atingidas, com princípio de incêndio. Em caso de emergência, deve-se manter a calma e acionar imediatamente os bombeiros.

A produção, armazenamento e a comercialização de fogos exigem registro e fiscalização do Exército Brasileiro.

Fique atento a classificação dos fogos de artifício.

Apesar de poderem ser manuseados por crianças e adolescentes, o uso dos fogos dos tipos A e B precisa ser monitorado por adultos. A venda desses artefatos a menores de 18 anos, fora da classificação de risco A, é expressamente proibida segundo o Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei 8.069/90).

Também é essencial seguir as instruções dos fabricantes.

Ao comprar fogos de artifício, observe se os estabelecimentos comerciais que vendem esse tipo de mercadoria possuem licença de funcionamento da prefeitura.

Evite acidentes com fogos de artifício!

Faça o uso seguro e mantenham as crianças longe de fogos de artifício.

Essa é uma campanha conjunta do Conselho Federal de Medicina – CFM, da Sociedade Brasileira de Cirurgia da Mão – SBCM e da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia – SBOT, com o apoio do Ministério da Saúde.

Compartilhar em: