Dia Internacional de Luta contra o Uso Indevido e Tráfico de Drogas

Consumo e produção de drogas alcança altos índices e preocupa governos e autoridades mundiais de saúde

 

drogas1

Neste dia 26, comemora-se Dia Internacional da Luta contra o Uso Indevido e Tráfico de Drogas. A Assembleia Geral da ONU decidiu estabelecer esta data como expressão da determinação de alcançar uma sociedade livre do abuso de drogas.

Este problema é cada vez mais preocupante no mundo. O consumo preocupa famílias, governos, polícias e autoridades mundiais de saúde. Segundo o último Relatório Mundial sobre Drogas da ONU, cerca de 5% da população mundial entre 15 e 64 anos usa algum tipo de droga ilícita, o que corresponde a 243 milhões de pessoas.

Além disso, a cada ano novas drogas passam a ser ilegalmente comercializadas. De acordo com dados do mesmo relatório, o número de substâncias psicoativas dobrou entre 2009 e 2013.

Um fato que, atualmente, está preocupando autoridades de saúde do mundo todo é consumo de drogas sintéticas, que são quimicamente produzidas em laboratórios clandestinos e consideradas estimulantes poderosos, depressores ou perturbadores do Sistema Nervoso Central. Algumas dessas substâncias imitam a maconha, a cocaína e o LSD e escondem riscos ainda maiores à saúde, por serem até cem vezes mais potentes e causarem efeitos drásticos. São altamente viciantes e podem ocasionar danos irreparáveis ao cérebro, levando à psicose, transtorno de ansiedade generalizada e até esquizofrenia.

No Brasil, além de serem um problema social e de saúde pública, as drogas estão diretamente ligadas à violência e à criminalidade. O tráfico leva milhares de jovens e adultos ao crime e alimenta um sistema social com muita injustiça e violência.

Segundo a psiquiatra e diretora da AMB, Jane Maria Cordeiro Lemos, “ A procura pelas drogas tem a ver com fatores internos do indivíduo. Problemas nas relações pessoais, na estrutura familiar e todo o tipo de stress. Tudo isso contribui para que se busque as drogas, principalmente os adolescentes, mas isso também ocorre com adultos”.

No nosso país, até os anos 80, os estudos não mostravam taxa elevada de consumo entre estudantes. A partir dos anos 90, o quadro começou a mudar e o consumo de inalantes, maconha, cocaína e crack em capitais aumentou, mas o álcool e tabaco eram as drogas mais utilizadas. Nos últimos anos o consumo de drogas triplicou, mesmo com esforços do governo e da polícia para deter o narcotráfico.

Compartilhar em: