ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA

O atual reitor da Universidade Brasil, principal alvo da segunda fase da Operação Vagatomia, deflagrada nesta quinta-feira (13) pela Polícia Federal, é acusado de crimes como obstrução de investigação de organização criminosa e coação no curso do processo. Isso evidencia como é grave o esquema de compra de vagas envolvendo faculdades particulares, que vem sendo denunciado pela AMB.

Segundo a PF, ele teria ameaçado e intimidado testemunhas e uma colaboradora da investigação. Pais e alunos da UniBrasil também denunciaram o comportamento intimidatório do reitor. Vale lembrar que o antigo reitor da universidade foi preso na primeira fase da Vagatomia.

“Tudo isso mostra como o esquema de compra de vagas na revalidação de diplomas tem se estabelecido como uma verdadeira organização criminosa, capaz de qualquer coisa para defender os próprios interesses e totalmente alheia à qualidade do médico que vai atender a população”, avalia Diogo Sampaio, vice-presidente da AMB.

Compartilhar em: