Secretaria de Saúde do Rio atribui falta de vacinas a atraso do ministério

Postos de Saúde de alguns municípios do estado do Rio de Janeiro enfrentam dificuldade de acesso a vacinas importantes como a BCG, contra a tuberculose; e a tetravalente, contra difteria, tétano, coqueluche e meningite. Responsável pelo repasse das vacinas entregues pelo Ministério da Saúde aos 92 municípios fluminenses, a secretaria estadual de Saúde informou que, desde o ano passado, o envio desses imunobiológicos tem sido feito com atraso e em quantidades insuficientes.

Segundo a secretaria, as vacinas chegam “de forma intermitente, sempre com quantitativo abaixo do solicitado, particularmente a BCG, dT [contra tétano e difiteria], tetravalente e, mais recentemente, febre amarela”, diz a nota da assessoria de comunicação da secretaria de Saúde. “Diante do atraso na entrega dos imunobiológicos e do fornecimento em quantidade inferior às solicitadas pelos municípios, não é possível garantir que não haverá falta nos municípios. Para informações sobre as causas desse atraso, sugerimos entrar em contato com o Ministério da Saúde”, explica.

Ainda segundo a assessoria, no dia 26 de fevereiro, a secretaria foi comunicada pelo Ministério da Saúde que o repasse das vacinas BCG, dT, tetraviral, HIB (Hemófilo Influenza B), febre amarela e vacina contra a raiva terá novo prazo para normalização.

O Ministério da Saúde informou, em nota, que está avaliando as demandas dos estados e municípios para adequação dos estoques.

Compartilhar em: