AMB contra a corrupção

“A delação premiada desta semana comprova o que mais temíamos. A corrupção é doença que ataca quase todos políticos brasileiros, sem distinguir partido, viés ideológico, idade ou posição nos poderes.

Além de reforçar evidências e indícios de que os últimos governos se locupletaram por meio de propinas, esta delação mostra que corrupção é continuada, mesmo depois da troca de governo, utilizando caminhos e agentes semelhantes aos usados anteriormente.

Infelizmente, esta delação chega em momento crítico para o Brasil, justamente quando nossa economia começava dar sinais de recuperação. Quando começávamos a ter esperança de colocar o país e a economia nos trilhos, depois de tantos anos de desmandos, gastanças e, claro, corrupção, que corroeram a saúde financeira do Estado brasileiro e poder de compra dos brasileiros. Justamente quando andávamos com reformas da previdência e trabalhista, tão importantes para desenvolver o mercado de trabalho e garantir aposentadoria justa para próximas gerações. E vitais para equilíbrio financeiro das contas públicas.

Em contrapartida, ver o presidente ser alvo de inquérito é prova de que alguns membros de nossas instituições estão cumprindo seus papéis e investigando.

A Associação Médica Brasileira (AMB) espera que todos fatos sejam apurados com agilidade e, doa a quem doer, responsáveis sejam exemplarmente punidos, independentemente de ideologia político-partidária. Também rogamos por maior transparência na apresentação dos fatos para que cada cidadão possa fazer juízo do que acontece nesse condenável submundo.

Chega de tanta corrupção. Precisamos, à luz de nossa Constituição, passar o Brasil a limpo.”

ASSOCIAÇÃO MÉDICA BRASILEIRA ASSINA ACORDO COM A CHINA.

 

Beijing /China: O Dr. Florentino Cardoso assinou hoje pela manhã um acordo, MOU (Memorandum Of Understanding), entre AMB e Associação Médica Chinesa (CMDA – Chinese Medical Doctors Association), que prevê intercâmbio, troca de experiências e de trabalhos entre as entidades. O acordo estava sendo negociado há três meses.

Este intercâmbio é de grande importância para a AMB, pois fortalece nossa instituição e amplia sua visibilidade e importância, tanto no cenário nacional, quanto internacional.

A China hoje conta com mais de 2,7 milhões de médicos, tem mercado em franca expansão e crescendo além das fronteiras do próprio país.

Ainda em Beijing o Dr. Florentino participará do CCS2017 – Décima Reunião Anual da Associação Médica Chinesa de Cirurgiões, onde na manhã do dia 20/5 receberá o título de membro honorário da entidade em virtude de suas realizações na área médica.

Continuando sua programação, ainda no dia 20/5, no CCS2017, o Dr. Florentino fará palestra sobre “Formação do Cirurgião Geral no Brasil” e no dia seguinte outra conferência em Macau, China, sobre “Erro Médico”.

Sobrice 2017

Sobrice 2017, o maior encontro nacional dedicado inteiramente a procedimentos minimamente invasivos e guiados por imagens, vai se realizar em São Paulo, de 06 a 08 de Julho.

A Radiologia intervencionista está evoluindo rápida e continuamente, explorando novas áreas, mostrando sua força de inovação que sempre foi seu DNA e consolidando-se em alguns territórios já explorados. Cada vez mais pautada pela geração de dados e evidências do seu valor para o paciente.

O desafio do Congresso Sobrice 2017 é ser o seu portal de acesso para manter-se a par de todas essas mudanças e novidades , um desafio também de criar durante esse evento um ambiente de interação entre todos os profissionais e empresas envolvidos no dia a dia da intervenção num fórum abrangente para a educação e intercâmbio de experiencias.

Mais informações: http://congressosobrice.com.br/

AMB promove o Congresso Internacional de Saúde Baseada em Evidência – CISBE 2017

Durante os dias 17 a 19 de agosto, a Associação Médica Brasileira (AMB) promoverá o Congresso Internacional de Saúde Baseada em Evidência (CISBE) 2017. Acontecerá na cidade de Fortaleza, no Centro de Eventos do Ceará.
Além das conferências, os participantes terão oportunidade de apresentar os trabalhos que estão desenvolvendo para especialistas, discutindo seus resultados, melhorando, desta forma, a qualidade de sua produção científica.
O encontro será uma oportunidade impar para estreitamento de laços com membros de instituições e entidades ligadas a medicina, que contribuem para melhorias importantes nas condições de saúde e na expectativa de vida da população, pois participarão médicos, estudantes, pesquisadores, professores, gestores, líderes da área da saúde, estudantes em nível de graduação e pós-graduação (mestrado e doutorado) com conhecimentos em medicina, gestão, políticas públicas e especialistas de várias universidades e institutos de pesquisa, assim como renomadas instituições.
A participação poderá ser presencial, online ou os dois e há preços diferenciados para sócios da AMB, médicos residentes e acadêmicos.

Para saber mais e realizar sua inscrição acesse: http://cisbe.amb.org.br/

 

 

 

TRIBUNAIS DECIDEM QUE ENFERMEIROS NÃO PODEM ATUAR COMO MÉDICOS

 

 

As decisões suspendem os efeitos de Resolução do Conselho Federal de Enfermagem (Cofen 529/2016) que definia a atuação de enfermeiros em áreas restritas da cirurgia plástica, da cirurgia vascular e da dermatologia e estética.

Foram duas ações:

Uma teve como autores a Associação Médica Brasileira (AMB), a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP) e a Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular (SBAVC) junto ao TRF da 5ª. Região.

Outra foi protocolada pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), na Justiça Federal do Distrito Federal.

Na ação da SBD, em sua decisão, o Excelentíssimo Senhor Juiz Federal, Dr. Itagiba Catta Preta Neto, esclarece: “Como visto ao enfermeiro foram outorgadas atribuições típicas do profissional da medicina, como anamnese e prescrição de tratamento, prescrição e aplicação de substâncias no corpo humano, intervenção no sistema linfático e outras que, em regra e princípio, fogem à alçada dos enfermeiros.”

Na ação da AMB a decisão da Excelentíssima juíza, Dra. GISELE MARIA DA SILVA ARAUJO LEITE, vai além da suspensão da resolução, pois também determina que “o réu se abstenha de editar nova norma que trate da atuação de Enfermeiros em cirurgia plástica, cirurgia vascular, dermatologia e estética, como noticiado em seu sítio eletrônico”.

A Dra. Gisele ainda, deixou de designar a Audiência de Conciliação, pois considerou que “o objeto da causa não admite a autocomposição. Sendo assim, determino apenas a CITAÇÃO da parte requerida para apresentar defesa, no prazo legal, oportunidade em que deverá especificar as provas que pretende produzir.”

Além disso a Dra Gisele, destaca que “considerando que se discute, na presente ação, a tutela da saúde da população, especialmente a parcela que se submete aos tratamentos referidos na inicial, determino igualmente a intimação do Ministério Público Federal para se manifestar no feito, na condição de fiscal da lei e no prazo de 15 (quinze) dias, após a apresentação da contestação e respectiva réplica”.

Por ter tido como autora a AMB esta ação distribuída no TRF da 5ª. Região tem efeito vinculante Nacional, conforme nos esclarece o Dr. Carlos Michaelis Jr., coordenador jurídico da AMB.

Para o Dr. Florentino Cardoso, Presidente da Associação Médica Brasileira (AMB) “A AMB sempre estará na defesa do paciente, em especial no que se refere a recorrente invasão de não médicos buscando atuar em áreas restritas pela Lei do Ato Médico, colocando em risco qualidade dos procedimentos e principalmente segurança do paciente. Atuamos e atuaremos sempre que necessário, em conjunto com CFM e sociedades de especialidades, em todas esferas, administrativas ou jurídicas. Os motivos não são corporativistas, estão fundamentados em razões científicas, clínicas e acadêmicas, para que somente médicos especialistas estejam habilitados a realizar determinados procedimentos.”

Clique nos links abaixo para visualizar:

Cofen – CFO

Cofen – AMB – SBCP – SBACV

AMB, SBCP E SBACV PROTOCOLAM AÇÃO CIVIL PÚBLICA CONTRA RESOLUÇÃO QUE AUTORIZA ENFERMEIROS A ATUAREM EM PROCEDIMENTOS ESTÉTICOS.

 

Resolução do Conselho Federal de Enfermagem (COFEN) regulariza os chamados “enfermeiros estetas” e permite que os profissionais da enfermagem apliquem toxina botulínica, dentre outras atividades.

A Associação Médica Brasileira (AMB), a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP) e a Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular (SBAVC), protocolaram ontem, 04/05/2017, uma ação civel pública no Tribunal Regional de São Paulo, contra a resolução do Conselho Federal de Enfermagem (COFEN), divulgada 27/04, que amplia a atuação de enfermeiros na área estética permitindo, dentre outras coisas, que os chamados “enfermeiros estetas” apliquem toxina botulínica. A resolução ainda não foi publicada no Diário Oficial da União.

Para o Dr. Florentino Cardoso, Presidente da Associação Médica Brasileira (AMB) “A AMB sempre estará na defesa do paciente, em especial no que se refere a recorrente invasão de não médicos buscando atuar em áreas restritas pela Lei do Ato Médico, colocando em risco qualidade dos procedimentos e principalmente segurança do paciente. Atuamos e atuaremos sempre que necessário, em conjunto com CFM e sociedades de especialidades, em todas esferas, administrativas ou jurídicas. Os motivos não são corporativistas, estão fundamentados em razões científicas, clínicas e acadêmicas, para que somente médicos especialistas estejam habilitados a realizar determinados procedimentos.”

A Cirurgia Plástica tem sido uma das especialidades mais afetadas pela invasão de não médicos buscando atuar em áreas restritas, assim a SBCP segue atenta e incansável na defesa da especialidade de cirurgia plástica, atuando com rapidez e em parceria com entidades sérias e comprometidas com a qualidade do exercício da medicina e com a saúde da população em geral. “Esse é um processo importante do Projeto de Defesa da Especialidade e merece a atenção e união de todos os profissionais. Somente atuando em conjunto, será possível diminuir cada vez mais as invasões na cirurgia plástica e minimizar danos aos pacientes, afirma o Dr. Luciano Chaves, presidente da SBCP.

“A atual diretoria da SBACV em compasso com a AMB, tem preocupação inenarrável com a segurança do paciente. O Programa de Defesa da Especialidade Médica em Angiologia e Cirurgia Vascular, garante o cumprimento da Lei do Ato Médico e promove a valorização do Título de Especialista AMB. O combate à invasão da especialidade é nossa responsabilidade estatutária, institucional e jurídica, devendo ser seguido por outras sociedades de especialidades em idêntica situação e plena união de esforços.” Informou Dr. Ivanesio Merlo, presidente da SBACV.

As entidades médicas entendem que os procedimentos autorizados nessa resolução, que ainda não foi publicada no Diário Oficial da União, extrapolam a formação técnica desses profissionais. “A campanha jurídica da AMB alinhada com as sociedades de especialidades interessadas, demonstra ao Poder Judiciário o desrespeito às normas da Lei do Ato Médico. A celeridade jurídica e tecnicidade nestas ações são fundamentais para garantir a defesa das especialidades, que busca nova decisão liminar contra o exercício ilegal da medicina e garantindo a plenitude da segurança do paciente”, informa Carlos Michaelis Jr. coordenador jurídico da AMB e responsável pela ação em nome das sociedades e especialidades.

VIII CONGRESSO DA COMUNIDADE MÉDICA DE LÍNGUA PORTUGUESA ACONTECE EM BRASÍLIA

Atualmente, 480 mil profissionais são membros da Comunidade Médica dos Países de Língua Portuguesa (CMLP), distribuídos em quatro continentes, sendo 420 mil brasileiros.

A capital federal, Brasília, recebe de 4 a 6 maio de 2017 o VIII Congresso da Comunidade Médica de Língua Portuguesa, evento gratuito, que tem como tema central do encontro: “Raízes, Realidades e Solidariedade”, com o objetivo de troca de experiências, conhecimentos, responsabilidades e estratégias comuns de cooperação, desenvolvimento e políticas na saúde lusófona, representadas por entidades médicas do Brasil, Portugal, Timor Leste, Macau, Moçambique, Angola e Guiné Bissau.

O evento que acontece no Centro Internacional de Convenções do Brasil, é promovido pela Comunidade Médica de Língua Portuguesa (CMLP) e conta com o apoio e organização da Associação Médica Brasileira (AMB) e do Conselho Federal de Medicina (CFM).

Para o presidente da AMB, Florentino Cardoso, o VIII Congresso da CMLP, mostra que apesar das tentativas divisionistas, os médicos lusófonos continuarão unidos em prol do paciente. “Continuaremos a exercer o ético desempenho da medicina, buscando a qualidade no atendimento e a segurança do paciente”, enfatizou.

No primeiro dia do Congresso, o presidente da AMB, Florentino Cardoso participou como conferencista no tema RAÍZES, REALIDADES E SOLIDARIEDADE, tema central do encontro e presidiu a conferência BIOÉTICA DOS PAÍSES LUSÓFONOS.

Fazendo referência ao baixo financiamento do Estado brasileiro, Florentino Cardoso, chamou atenção para os problemas da saúde pública do país e destacou que em cinco anos foram desativados 24,5 mil leitos hospitalares ligados ao SUS. “O povo precisa pressionar e ficar atento para cobrar melhorias para o setor”.

Florentino Cardoso ainda destacou a importância sobre a qualificação das escolas médicas. “ No Brasil já são quase 300 escolas abertas que formam aproximadamente 22 mil médicos por ano. Em pouco tempo chegaremos a quase um milhão de profissionais no país. Não devemos pautar nosso horizonte com quantidade e sim com qualidade”.

Em sessão Solene será comemorado os 10 anos do Convênio CFM e Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, que disponibiliza doutorado em bioética para médicos brasileiros. O evento ainda contará com a cerimônia de entrega de Certificados aos alunos da 6ª turma do Programa Doutoral em Bioética

Para saber mais sobre a programação do VIII Congresso da Comunidade Médica de Língua Portuguesa, acesse: http://bit.ly/VIIICMLP

O evento está sendo transmitido ao vivo: http://bit.ly/cmlppaovivo
Foto: Assessoria do CFM

ASMA CAUSA CERCA DE SEIS ÓBITOS POR DIA NO BRASIL. FALTA DE TRATAMENTO AINDA É O PRINCIPAL MOTIVO.

Dois de maio é o Dia Mundial de Combate à Asma. Nesta ocasião especial, a Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT) traz informações e dicas para evitar crises e hospitalização por causa da doença.
A asma é uma inflamação crônica das vias aéreas que causa contração dos brônquios e bronquíolos (tubos que levam o ar para os pulmões). Os sintomas mais comuns são falta de ar (principalmente dificuldade de expirar o ar), aperto e chiado no peito, tosse seca e persistente e fôlego curto. “Esses indícios na infância podem ser facilmente confundidos com bronquite ou bronquiolite, o que é muito perigoso, já que a asma não reconhecida não será tratada de forma adequada. A diferença é que, no caso da asma, após os 3 anos de idade os sintomas persistem, vão e voltam conforme há exposição a algum alergênico”, explica a pneumologista Dra. Alenita Oliveira, coordenadora da Comissão Científica de Asma da SBPT.
Os alérgenos que desencadeiam a asma podem ser poeira, ácaro, pelo de animais, fumaça, mofo, perfume, produtos químicos ou medicamentos. A doença também pode estar relacionada à prática de exercício físico vigoroso, ao estresse emocional e às mudanças de temperatura.
Nesta época mais fria do ano, as pessoas tendem a se fechar nos ambientes que acumulam mofo e poeira, por isso, as crises de asma podem ser mais frequentes. Além disso, quadros virais e outras alergias, como a rinite, também provocam a doença. Cerca de 80% dos asmáticos têm rinite, o que pode agravar a asma se não controlada. Por isso, é essencial manter os cômodos sempre muito limpos, utilizando o aspirador de pó diariamente.
De acordo com dados da SBPT, dois milhões de brasileiros são diagnosticados com asma todos os anos. O total de internações pela doença em 2014 chegou a 111.723.
O exame mais indicado para detectar a asma é o Teste de Função Pulmonar ou Espirometria, realizado por pneumologistas certificados pela SBPT.
A asma não tem cura, mas como toda doença crônica, é fundamental que o paciente reconheça as crises, evite fatores agravantes, como a fumaça do cigarro, e a exposição à alérgenos, como o mofo. Além disso, os medicamentos utilizados de forma adequada restabelecem a qualidade de vida dos asmáticos. “A principal forma de administrar os fármacos para a asma é a via inalatória, as chamadas bombinhas”, explica a Dra. Alenita.
De acordo com a pneumologista, a maioria é tratada com dois tipos de medicação: (1) controladora ou de manutenção, que reduz a inflamação dos brônquios, previne os sintomas e evita as crises (os corticoides inalatórios), e (2) medicação de alívio ou de resgate, que ameniza os sintomas quando há piora da asma (broncodilatadores).
Porém, é importante mencionar que a terapia é muito variável para cada caso. “Temos alguns pacientes que podem necessitar de fármacos específicos, como os novos medicamentos biológicos. Somente a avaliação minuciosa vai ajudar na indicação adequada”, completa a especialista. Por isso, é essencial não se automedicar e contar sempre com um pneumologista.
Mitos e Verdades Sobre a Asma
Na infância, a asma é mais comum em meninos – Verdade
Até os 10 anos de idade, crianças do sexo masculino têm mais chances de serem diagnosticadas com asma por terem vias aéreas mais estreitas. Na idade adulta, a doença predomina entre o gênero feminino.
Asma e obesidade podem estar diretamente relacionadas – Verdade
O excesso de gordura no corpo leva a altos níveis de leptina e citocina inflamatórias, que estão ligadas ao surgimento da asma. Além disso, a obesidade altera propriedades mecânicas do sistema respiratório.
A “bombinha” de asma vicia – Mito
O broncodilatador de curta ação ou medicação de resgate alivia momentaneamente a falta de ar quando inalado. O que acontece, muitas vezes, é que o paciente não trata a asma de maneira contínua – o que não é o correto – e necessita das bombinhas com maior frequência, mas isso nada tem a ver com “vício”.
A “bombinha” faz mal para o coração – Mito
Quando surgiram os primeiros remédios broncodilatadores para asma, eram substâncias que tinham como efeito colateral a aceleração do coração (taquicardia). Com as novas e melhores drogas e dispositivos, esse efeito foi desaparecendo.
Asma em adultos pode estar relacionada à insônia – Verdade
Segundo pesquisa recente da Universidade de Pittsburgh, as crises de asma são mais frequentes em pacientes que têm problemas para dormir. Além disso, pessoas que apresentam as duas doenças costumam ter mais depressão e sintomas de ansiedade.

SBCCV e SBC/SBHCI assinam resolução para requisitos necessários ao TAVI

Com anuência da Associação Médica Brasileira e da Sociedade Brasileira de Cardiologia, as Sociedades de Cirurgia Cardiovascular (SBCCV) e de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista (SBHCI) assinaram resolução (01/2017), dispondo sobre recomendações e requisitos necessários para treinamento na técnica de implante por cateter de biopróteses valvar aórtica (TAVI), além de estabelecer critérios para qualificação e certificação profissional do especialista habilitado nesse procedimento.

Dentre os pontos da resolução, destaca-se que “TAVI, para tratamento de estenose aórtica, deve ser indicado e conduzido por equipe médica multidisciplinar, composta por cardiologistas, especialistas em imagem cardiovascular e cirurgiões cardiovasculares”.

Além disso, com finalidade de implementar programa de treinamento e certificação, também previsto na resolução, “a SBCCV e SBHCI reconhecerão, em comum acordo, centros de treinamento em TAVI, que devem ser divulgados, obrigatoriamente, em área pública dos portais da SBCCV e SBHCI na internet”. Essa certificação, obrigatoriamente, deverá ter chancela de ambas sociedades.

“Há um núcleo específico de cirurgiões, embora minoritário, que já realiza procedimento de TAVI por via transfemoral. A ideia da resolução foi justamente identificar esses profissionais habilitados e reconhecer sua expertise, ou seja, garantir segurança dos pacientes e harmonia dos especialistas que realizam o método, sem subordinação a questões corporativas ou mercadológicas”, explica Marcelo Queiroga, relator do tema que resultou na resolução.

NOVAS FORMAS DE REMUNERAÇÃO PARA A CATEGORIA MÉDICA É TEMA DE SIMPÓSIO EM MAIO

No dia 31 de maio, a Associação Médica Brasileira (AMB) em parceria com o Conselho Federal de Medicina (CFM) e a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) realizará o Simpósio “Novas Formas de Remuneração – Causas e Consequências: Uma Avaliação Crítica”, no Hotel Meliá Paulista, em São Paulo.

As inscrições para o evento são gratuitas e limitadas.(https://amb.org.br/simposio/)

O dia será pautado por cinco palestras seguidas de debates. Ao término do dia Considerações finais com a plateia.

Os palestrantes serão:

  • Dra. Ana Elisa Siqueira (Grupo Santa Celina).
  • Dr. Francisco Lima (Unimed);
  • Dr. Jorge Carlos Machado Curi (CFM);
  • Dr. Márcio Vinicius Balzan (FGV);
  • Dra. Martha R. Oliveira (Diretora da ANS);

 

Clique aqui para Fazer a inscrição!

 

Download da Programação