ATO MÉDICO PASSA A SER TEMA DE COMISSÃO DA AMB

Representantes de entidades médicas se reuniram, nesta quinta-feira (22), na sede da Associação Médica Brasileira (AMB) para instituir a Comissão Jurídica do Ato Médico. A reunião contou com a presença de mais de 50 órgãos, entre sociedades, associações, colégios e federações.

No primeiro encontro, estiveram em discussão os objetivos da comissão e o cenário atual dos debates sobre o Ato Médico. As entidades presentes também definiram o calendário das reuniões, a composição do grupo e os próximos passos. “Este é o primeiro passo de uma ação criada para convergir iniciativas em defesa dos médicos e da medicina e vai estabelecer canais de diálogo entre as entidades médicas para ampliar o debate sobre o assunto”, explica Guilherme Moura, advogado da AMB e representante na comissão.

A criação da Comissão Jurídica do Ato Médico se faz necessária em um contexto de acirramento de discussões e aumento das tentativas de invasão das rotinas médicas por profissionais da área de saúde sem formação em Medicina. Sem contar com formação e instrumentos adequados, as intervenções realizadas por esses profissionais podem gerar complicações perigosas.

“A AMB tem trabalhado fortemente em ações que defendem a medicina e valorizam o conhecimento adquirido pelos médicos. Isso reflete diretamente na segurança dos pacientes, pois atendimentos sem a devida qualificação representam sérios riscos para a saúde deles. Então, esta é uma pauta permanente da AMB”, destaca Lincoln Lopes Ferreira, presidente da AMB.

COMPLIANCE DEVE SER CULTURAL

“Não há um padrão para as políticas de compliance, elas devem se adequar e respeitar a cultura da organização para se manterem vivas.” Essa é a visão de Paula Oda, coordenadora de Projetos de Práticas Empresarias e Políticas Públicas do Instituto Ethos.

Ela participou, juntamente com representantes das entidades médicas, de operadoras e serviços de saúde, do workshop sobre compliance, realizado nesta sexta-feira (23) pela AMB.

#AMB #Compliance #Compliancenasaúde #Saúde #SP #SãoPaulo #WTC #SheratonWTC

ESFORÇO CONJUNTO

“Sentimos necessidade de formar e formatar um código claro, transparente e ético que guiasse as nossas ações. Pedimos ajuda a AMB e, juntos, achamos que era preciso discutir abertamente os princípios de compliance e de ética na relação entre as sociedades e a indústria”, explicou Sérgio Simon, presidente da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica, durante o workshop de compliance realizado pela AMB nesta sexta-feira (23).

Veja!

#AMB #Compliance #Compliancenasaúde #Saúde #SP #SãoPaulo #WTC #SheratonWTC

PROTAGONISMO DAS SOCIEDADES

O papel das sociedades de especialidade e outras entidades médicas na criação de um código de compliance na saúde foi o foco central das discussões na primeira parte do workshop realizado pela AMB nesta sexta-feira (23).

“Boa parte das relações entre médicos, fornecedores, indústria e mesmo entre pares se dá no nível das sociedades. É na prática clínica que essas relações acontecem com frequência. Por isso, é importante trazer as experiências delas para o evento”, explica José Luiz Bonamigo, diretor da AMB.

Assista!

#AMB #Compliance #Compliancenasaúde #Saúde #SP #SãoPaulo #WTC #SheratonWTC

COMPLIANCE NA SAÚDE

 

Com o objetivo de criar um mecanismo de autorregulação sobre compliance, a AMB realiza, nesta sexta-feira (23), um workshop para nortear a relação das sociedades de especialidade com os demais agentes do setor da saúde.

O evento está sendo realizado no Sheraton WTC Hotel, em São Paulo, e recebe entidades médicas e representantes das operadoras, dos prestadores de serviço e de organizações promotoras da cultura do compliance para debater as bases de um documento que define as diretrizes sobre o assunto.

O presidente da AMB, Lincoln Ferreira, destaca que este é um momento de amadurecimento dos parâmetros éticos que guiam as relações na saúde. Assista!

#AMB #Compliance #Compliancenasaúde #Saúde #SP #SãoPaulo #WTC #SheratonWTC

CIRURGIA PLÁSTICA É DESTAQUE EM JORNADA DA SANTA CASA DE PORTO ALEGRE

Reconhecida por possuir o banco de pele mais antigo do Brasil, a Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre também abriga um Núcleo de Cirurgias Plásticas completo e qualificado. Composto exclusivamente por profissionais membros da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, o serviço reúne, em um mesmo local, avaliação pré-operatória, exames, procedimentos cirúrgicos e acompanhamento do pós-operatório. Além disso, o Núcleo realiza diversos procedimentos, como reconstrução da mama, abdominoplastia e tratamento cirúrgico dos tumores de pele.

A Associação Médica Brasileira (AMB) foi convidada pelo chefe do Serviço de Cirurgia Plástica, Pedro Bins Ely, e pelo presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), Níveo Steffen, para conhecer o Serviço de Cirurgia Plástica da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre. A entidade foi representada pelo presidente Lincoln Ferreira.

“A estrutura do Serviço de Cirurgia Plástica da Santa Casa é, de fato, impressionante. O espaço conta com bloco cirúrgico muito bem equipado e tem um atendimento qualificado e abrangente para os pacientes”, afirma Lincoln. Alfredo Cantalice, presidente da Associação Médica do Rio Grande do Sul (Amrigs), também acompanhou a visita.

Além de visitar as dependências do Núcleo de Cirurgia Plástica, o presidente da AMB participou da cerimônia de abertura da 28ª Jornada do Serviço de Cirurgia Plástica da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre. “O Brasil é reconhecido por ser um dos líderes em cirurgias plásticas no mundo e é fundamental, nesse cenário, permanecermos em constante atualização. É uma honra participar da abertura da jornada e reafirmar o incentivo da AMB ao debate e ao aprimoramento do corpo médico”, destaca Lincoln.

Sobre a 28ª Jornada do Serviço de Cirurgia Plástica da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre

Entre os dias 22 e 24 de agosto, a Jornada conta com discussões atuais sobre cosmiatria, enxerto de gordura, implantes mamários e ritidoplastia, entre outros temas. O tratamento de sequelas de queimaduras e expansores de tecido também são tópicos em destaque na programação.

Durante o evento, também será feita uma homenagem póstuma a Jorge Fonseca Ely, primeiro médico do Brasil a realizar um reimplante de mão, em 1968, e falecido no ano passado.

Na foto, da esquerda para direita: Eduardo Chen, cirurgião plástico da Santa Casa; Lincoln Ferreira; Antônio Noch Kalil, médico da Santa Casa; Alfredo Cantalice, presidente da Amrigs; e Ricardo Englert, diretor financeiro da Santa casa.

EMÍLIO ZILLI TOMA POSSE NA ACADEMIA DE MEDICINA DO RIO DE JANEIRO

O médico clínico geral e cardiologista, com doutorado em cardiologia, e membro da AMB, Emilio Cesar Zilli, tomou posse na Academia de Medicina do Rio de Janeiro, na última quinta-feira (15/08). Ele vai ocupar a cadeira de número 69 da Academia, que tem como patrono o psiquiatra Elso Arruda.

A solenidade aconteceu no Salão Nobre do Colégio Brasileiro de Cirurgiões, no Rio de Janeiro, e contou com a presença dos colegas Comissão de Defesa Profissional da AMB, Miyuki Goto, Carlos Alfredo Lobo Jasmin e Márcio Silva Fortini, que prestigiaram a posse de Zilli na solenidade, representado também demais membros da diretoria da AMB.

Zilli é membro da Câmara Técnica de Classificação Brasileira Hierarquizada de Procedimentos Médicos (CBHPM) da AMB e da Câmara Técnica de Próteses e Implantes da AMB. Também foi ex-diretor de Defesa Profissional da AMB em duas gestões e ex-presidente da CBHPM.

“É uma honra para mim ser lembrado e convidado pelos meus pares para ser um acadêmico de medicina. É uma grande deferência. Também é uma grande honra ter como patrono o psiquiatra notável Elso Arruda. E, principalmente, por ser tão representativa com tantos cérebros privilegiados, acredito que a Academia de Medicina do Rio de Janeiro possa ter uma atuação bem mais participativa das políticas públicas de saúde, do ensino médico, nas decisões governamentais de saúde e nas diretrizes da saúde do povo brasileiro. Vejo aqui uma oportunidade de poder desenvolver um importante trabalho na Academia. Esse mérito não é só meu. Quero dividir aqui com meus amigos e companheiros da AMB. Devo muito dessa indicação à AMB, pelo trabalho que pude e que estou desenvolvendo na nossa associação. Quero agradecer a todos meus amigos e diretores da AMB que me ajudaram nessa trajetória”, declarou Emilio Cesar Zilli.

“Desejamos ao Zilli muito sucesso na Academia de Medicina do Rio de Janeiro. É muito merecida essa honra, por toda a trajetória desse profissional ímpar tanto na medicina, quanto no trabalho associativo dentro da classe médica, onde sempre desempenhou importantes funções em defesa da saúde, da medicina e dos próprios médicos”, destacou o presidente da AMB, Lincoln Ferreira.

“A contribuição de Zilli na CBHPM e na Comissão de Defesa Profissional são exemplos desse importante trabalho, sempre pautado pela competência, seriedade, e principalmente pela sua constante defesa ao trabalho profissional dos médicos. Tenho plena certeza de que Zilli (na Academia) também irá desempenhar um importante papel na saúde do Rio de Janeiro e do Brasil”, declarou Diogo Leite Sampaio, vice-presidente da AMB.

Fundada em 20 de outubro de 1997, a Academia de Medicina do Rio de Janeiro tem por objetivo colaborar com a saúde e o ensino médico, promovendo e incentivando o progresso da Medicina e das Ciências Correlatas, assim como das pesquisas científicas que contribuam para o bem-estar físico, mental e social da população.

Foto: Marlene Lima

AMMT DISCUTE DEMANDAS DOS MÉDICOS LOCAIS COM A AMB

Acompanhar de perto o trabalho das federadas é uma das bases da Associação Médica Brasileira (AMB) para impulsionar o associativismo médico pelo Brasil. Neste contexto, o presidente da AMB, Lincoln Ferreira, e o vice-presidente, Diogo Leite Sampaio, visitaram, no último fim de semana, a sede da Associação Médica do Mato Grosso (AMMT), em Cuiabá.

Durante a visita, Lincoln Ferreira deu o pontapé inicial no campeonato de futebol realizado na sede campestre da entidade. A AMMT investe na promoção de ações esportivas para manter e ampliar a integração entre os associados e também com a comunidade.

“É de extrema importância contar com uma atuação forte das entidades médicas em todo o país. Também é gratificante ver que cada região tem se empenhado para debater as demandas médicas locais e tornar a discussão nacional algo realmente coeso e representativo”, destaca o presidente da AMB.

Diogo Leite Sampaio, que também é presidente da Sociedade Matogrossense de Anestesiologia, completa: “A saúde no estado tem muitos desafios que precisam ser enfrentados. Por isso, é fundamental trabalhar para o fortalecimento das entidades médicas no estado para atender às demandas específicas dos profissionais e da população daqui”, reforça.

Também participaram da visita integrantes da área de comunicação e marketing da AMMT, que desenvolveram o catálogo médico da entidade.

EVENTO SOBRE PSIQUIATRIA CONTEMPORÂNEA REÚNE MAIS DE MIL PARTICIPANTES EM RONDÔNIA

 

Mais de 1.500 participantes e 48 horas de evento: esse foi o resultado da II Jornada de Psiquiatria de Rondônia, realizada pela Associação Médica de Rondônia (AMB-RO), federada da AMB, e pelo Núcleo de Psiquiatria de Rondônia. Com dezenas de atividades em três auditórios, o evento reuniu estudantes e especialistas para discutir questões polêmicas e atuais envolvendo psiquiatria, direito, educação e espiritualidade.

Com três dias de programação intensa, a jornada recebeu 25 conferencistas, que integraram mesas-redondas, conferências, minicursos e análises de casos clínicos. A programação do evento foi transmitida ao vivo por redes de televisão locais, como a Rede TV, a TV Cultura e a NET Porto Velho.

Realizada pelo segundo ano consecutivo, a jornada contou com a participação de profissionais de todo o país e teve como uma das convidadas a diretora da AMB e presidente da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), Carmita Abdo. A psiquiatra, que participou da cerimônia de abertura, também foi responsável por ministrar a palestra “Porque todos são curiosos sobre a sexualidade (a sua e a dos outros)?”.

“A jornada chega à segunda edição comprovando a importância de elevar as discussões sobre psiquiatria à esfera nacional. Tivemos a oportunidade de debater temas polêmicos e relevantes para a saúde, de forma interdisciplinar. Foi, de fato, uma programação diferenciada e proveitosa tanto para estudantes quanto para profissionais”, afirma a diretora da AMB.

O presidente da AMB-RO, Aparício Carvalho, também demonstrou satisfação com os resultados da jornada. “Apresentar um evento dessa natureza, que tem a marca do trabalho sério das entidades, é uma forma de fomento ao conhecimento. O sucesso do evento comprova a necessidade de oferecermos mais atividades como essa no estado”, aponta.

Diversidade de temas e de discussões foi um dos destaques da programação

Psiquiatria forense, Transtorno de Déficit de Atenção (TDAH), suicídio e compulsão alimentar foram alguns dos temas em destaque ao longo da programação da II Jornada de Psiquiatria de Rondônia. Também foram abordados os transtornos no uso de drogas e o adoecimento psíquico no trabalho, assim como o Transtorno de Oposição e Desafio e as discussões sobre Constelação Familiar. As conversas envolveram profissionais tanto da medicina, quanto representantes do Judiciário e da Educação.

Além de pesquisadores e profissionais de Rondônia, estiveram presentes especialistas de diversas regiões do país, como o médico psiquiatra Felipe Becker, do Rio Grande do Sul, que falou sobre os desafios no manejo da internação psiquiátrica em adolescentes.

Já as considerações psiquiátricas sobre avaliação de sanidade mental foram tema do minicurso ministrado pelo mestre em Psicologia pela Universidade Federal de Minas Gerais, Helio Lauar de Barros, e pelo médico perito do Tribunal Regional Federal (TRF/RO), Diones Claudinei Cavali.

Delano Helio Freire, psiquiatra do Instituto Philipe Pinel, no Rio de Janeiro, por sua vez, foi o responsável por ministrar a conferência “A Fisiologia do Envelhecimento e Suas Implicações Sobre a Saúde Mental”. Ele ainda coordenou a mesa composta por profissionais psiquiatras que discutiram as considerações sobre a atenção psiquiátrica ao paciente idoso.

CIGARROS ELETRÔNICOS FAZEM MAL À SAÚDE

Os riscos para a saúde dos novos produtos que a indústria tabagista tem tentado inserir no Brasil, como cigarros eletrônicos e vaporizadores, foram alvo de debate entre o presidente da Comissão de Tabagismo da AMB, Alberto Araújo, e a gerente sénior de Relações Científicas da Souza Cruz, Analucia Saraiva, em evento organizado pela Revista Época.

No encontro Concordamos em Discordar, Alberto Araújo deixou clara a posição das entidades médicas sobre os problemas de saúde e malefícios causados pelo tabaco. Ele também reforçou os riscos de aumento de dependência química entre os jovens, que aumentam com o avanço desses novos produtos.

Assista!

#AMB #AMBVivaSemTabaco #Vivasemtabaco #RevistaEpoca #AMBEpoca #VocêConsegue