RESTAURAÇÃO DAS CARTILAGENS, GRANDE DESAFIO DA MEDICINA, SERÁ TEMA DO CONGRESSO BRASILEIRO DE ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA EM GOIÂNIA

Um dos maiores pesquisadores sobre o problema da restauração e substituição da cartilagem humana, o professor William Bugbee, de San Diego, confirmou presença no Congresso Brasileiro de Ortopedia e Traumatologia – CBOT, que vai se realizar neste mês, em Goiânia.

 A apresentação do especialista norte-americano sobre a mais recente evolução das pesquisas sobre cartilagem está sendo esperada com ansiedade, porque com o envelhecimento da população brasileira já são milhões os pacientes que sofrem pelo desgaste da cartilagem que ocorre em decorrência da idade ou da prática esportiva. Os problemas se concentram principalmente do joelho, quadril e ombro, explica o presidente do Congresso, Sandro Reginaldo, ele mesmo especialista em patologias do ombro e cotovelo.

 O médico brasileiro acrescenta que no mundo inteiro e também no Brasil os pesquisadores se debruçam sobre o problema de substituir a cartilagem desgastada, de vez que o problema causa dores intensas e a cartilagem não se regenera.

 Sandro Reginaldo lembra que a pesquisa sobre cartilagem é apenas um dos muitos temas que serão discutidos no Congresso de Goiânia, o mais importante evento de Ortopedia e Traumatologia da América Latina. “Esperamos em torno de 3.500 ortopedistas do Brasil inteiro e também dos Países do Cone Sul”, diz ele, “tanto que recebemos pedido de médicos de fala hispânica para que as conferências tenham tradução simultânea”

 O evento científico vai focar tanto o tratamento dos problemas ortopédicos e do trauma, como a prevenção, tanto que para o público leigo será promovida a ‘Corrida Ossos Fortes’, para divulgar a importância da atividade física na prevenção dos problemas musculoesqueléticos, em especial a osteoporose. Outro evento importante será um curso pré-congresso sobre a Dor, pois Sandro Reginaldo explica que “o objetivo do médico do Século XXI não é apenas prolongar a vida, mas prolonga-la com boa qualidade” e, para isso, é vital que o idoso seja saudável e não sofra com dores.

 Outro também relevante no Congresso será a presença de dezenas de ‘Ligas Acadêmicas de Ortopedia’, isto é, de grupos de estudantes de Medicina que, no Congresso, terão contato com os grandes especialistas em Ortopedia e Traumatologia e que, no correr do evento, muitas vezes decidem se, quando formados, optarão pela especialidade Ortopedia. Já estão confirmados, entre outros, grupos de Ligas Acadêmicas da Bahia, Patos de Minas, Marília, Curitiba, Acre, Uberlândia, Petrópolis, Rio de Janeiro, Araraquara, Vale do Itajaí, Vitória, Distrito Federal, Rio Verde e da Universidade Federal de Goiás.

 SERVIÇO:

49º Congresso Brasileiro de Ortopedia e Traumatologia

Local: Centro de Convenções Goiânia/GO

Datas: 16 a 18 de novembro de 2017

Informações: http://cbot2017.com.br/

PROGRAMA NACIONAL DE COMBATE AO CÂNCER COLORRETAL SERÁ LANÇADO EM BRASÍLIA

A proposta busca seguir os mesmos padrões de ações de enfrentamento a outros tipos de câncer

Quase 35 mil novos casos de câncer colorretal devem ser diagnosticados no Brasil este ano. Considerado um dos tipos mais preveníveis e curáveis entre todos os tumores, é o segundo mais frequente em mulheres e o terceiro nos homens. Contudo, faltam políticas públicas de enfrentamento e divulgação de informações referente ao diagnóstico e tratamento do câncer de cólon e reto. Para preencher essa lacuna na saúde pública brasileira, será discutida a proposta para a criação de um Programa Nacional de Combate ao Câncer Colorretal. A divulgação desse embrião acontecerá em 11 de novembro, durante a XVI Semana Brasileira do Aparelho Digestivo (SBAD), maior evento científico da especialidade na América Latina.

O documento foi produzido pela Sociedade Brasileira de Endoscopia Digestiva (SOBED), baseado nos modelos internacionais de combate ao câncer de cólon. A partir destas ideias, a proposta será discutida, com base na adaptação de exemplos internacionais de sucesso, respeitando a realidade nacional quanto à assistência aos pacientes oncológicos e ao acesso aos serviços de saúde. A iniciativa teve apoio da Organização Mundial de Endoscopia (WEO).

Nos Estados Unidos, por exemplo, o plano de prevenção buscou encontrar homens e mulheres de baixa-renda que não possuíam estrutura para realizar serviços de triagem para a descoberta do câncer de cólon.

Desta forma, a proposta visa a criação de programas contra o câncer colorretal seguindo os mesmos princípios daqueles já consolidados no combate ao câncer de próstata e mama.

“O objetivo do plano é evidenciar que o câncer colorretal pode ser evitado, representando maior custo benefício em seu tratamento. É essencial estabelecer uma política de combate ao câncer de cólon e reto – o primeiro passo que estamos dando nesse sentido é alertar sobre a importância da sua prevenção”, informa o Dr. Lix de Oliveira, presidente da Comissão de Prevenção de Câncer Colorretal da SOBED. Segundo o especialista, a participação da WEO no lançamento da proposta é fundamental, principalmente para embasar o documento considerando o que está sendo feito internacionalmente.

“A WEO tem uma iniciativa de prevenção que quer replicar para o mundo todo, sobretudo para explicar a necessidade e a importância dos cuidados a serem tomados. A Organização tem nos apoiado na elaboração dessa proposta, inclusive nos orientando na sua implantação”, destaca.

Na ocasião, serão analisados programas que já acontecem isoladamente no Brasil. A Dra. Linda Rabeneck, presidente da Comissão de Prevenção de Combate ao Câncer Colorretal da WEO, estará presente e afirma que aproveitará para fornecer um panorama global e regional quando ao câncer de cólon e reto. “Abordaremos a importância do diagnóstico do câncer colorretal com ênfase na América Latina, onde o problema está aumentando em vários países. Além disso, vamos falar sobre o papel fundamental da qualidade da colonoscopia”, adianta.

Colonoscopia é principal exame para diagnóstico e prevenção

Estudo publicado pelo Journal of the National Cancer Institute atesta que os números de casos de câncer colorretal dobram nas últimas duas décadas na população adulta com idade inferior a 55 anos, abrangendo tumores que agridem o cólon e o reto, segmentos do intestino grosso, a doença tem sintomas como sangramento anal, eliminação de sangue ou muco nas fezes e alteração do hábito intestinal.

Para a doença ser diagnosticada é realizada uma colonoscopia, exame que permite a visualização direta do interior do reto, cólon e parte do íleo terminal através de um tubo flexível introduzido pelo ânus, contendo em sua extremidade uma minicâmera que transmite imagens coloridas, podendo ser fotografadas ou gravadas em vídeo.

De acordo com o Dr. Lix a colonoscopia é fundamental para o diagnóstico dos pacientes. “O procedimento é o padrão ouro dos métodos que se dispõem atualmente, esse exame é a melhor ferramenta no diagnóstico, prevenção e tratamento do câncer colorretal”.

De que maneira os mutirões de colonoscopia podem auxiliar?

Ao longo do ano, visando conscientizar a população sobre o câncer colorretal e estimular o diagnóstico precoce, a SOBED atua fortemente realizando mutirões em todo o País, realizando cerca de 100 exames de colonoscopia gratuitos na população local.

Para o Dr. Lix, essa iniciativa poderá ajudar na luta para a criação do programa, uma vez que a ação tem um modelo que potencializa a difusão da informação. “Promoveremos orientação a todos sobre os mecanismos de rastreio e combate, tornando-os potenciais divulgadores em suas comunidades e famílias. O câncer colorretal é passível de prevenção, então, por meio de informação de qualidade e correta, conseguimos diminuir o número de casos e deixar com que menos pessoas sofram e morram em decorrência dessa doença”.

Serviço
Lançamento da Proposta para Programa Nacional de Combate ao Câncer Colorretal
Data: 11 de novembro
Horário: 8h30 às 12h
Local: Centro Internacional de Convenções do Brasil
Endereço: SCES Trecho 2, Conjunto 63, Lote 50 – Asa Sul – Brasília/DF

 

I ENCONTRO INTERNACIONAL DE EMPREENDEDORISMO E INOVAÇÃO EM SAÚDE ACONTECE DIA 22 DE NOVEMBRO

Promovido pela Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein, o I Encontro Internacional de Empreendedorismo e Inovação em Saúde irá oferecer aos participantes a presença de palestrantes internacionais para discutir tendências tecnológicas, e compartilhar experiências de empreendedorismo e inovação em saúde.
 
Além de conhecer a fundo a experiência do Hospital Israelita Albert Einstein na criação de um hub de inovação em saúde, no encontro também será possível conhecer várias startups promissoras e também alguns cases de startups de saúde que já trilharam caminhos de grande sucesso nos negócios.
 
O evento terá ainda a realização simultânea do 7° Circuito Einstein de Startups, encontro voltado para apresentar empresas inovadoras da área de saúde que desenvolvem soluções disruptivas para o setor.
 
A AMB é uma das apoiadoras do evento.
 
Saiba mais e inscreva-se, aproveitando o desconto: http://www.encontroempreendedorismo.inovaeinstein.com.br/

CBR APRESENTA DEBATE SOBRE RADIOLOGIA DE EMERGÊNCIA

Em comemoração ao Dia do Médico Radiologista e Dia Internacional da Radiologia, o Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem (CBR)  promoverá um Estúdio Online, no qual médicos da entidade irão debater o tema do ano: Radiologia de Emergência. O acesso ao debate será por meio do Workplace (apenas para médicos Radiologistas) e na fanpage do CBR.

 

Mais informações: https://www.facebook.com/CBRadiologia/photos/a.681980275211221.1073741828.597964293612820/1568673526541887/?type=3&theater

NOTA DE FALECIMENTO – PROFESSOR JOSÉ PINUS 

A Associação Médica Brasileira (AMB) lamenta profunda e tristemente o falecimento do Dr. José Pinus, ocorrido neste sábado, 4 de novembro de 2017.

Fundador da Sociedade Brasileira de Cirurgia Pediátrica e Membro Emérito do Colégio Brasileiro de Cirurgiões, José Pinus dedicou-se à carreira universitária na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), chegando a professor titular da disciplina de cirurgia pediátrica do Departamento de Cirurgia.

“Tenho certeza de que fará muita falta para a classe médica, para seus discípulos e para a família. Temos grande déficit de mestres como ele foi para tantos e tantos colegas. A cirurgia pediátrica perde. O ensino médico perde. Os pacientes perdem. Esperamos que os familiares encontrem conforto na longa trajetória de realizações e ensinamentos deixados pelo caríssimo professor José Pinus e na consciência de que ele deixou um legado para várias gerações de profissionais”, declarou Lincoln Ferreira, presidente da AMB.

* * *

JOSÉ PINUS – UMA VIDA DEDICADA À MEDICINA

Graduou-se pela Escola Paulista de Medicina (EPM), hoje, Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), onde também lecionou e tornou-se professor titular da disciplina de cirurgia pediátrica do Departamento de Cirurgia.

Dentre outros cargos e funções que exerceu salientam-se: organizador e chefe do Serviço de Cirurgia Pediátrica do Hospital Infantil Menino Jesus do município de São Paulo; professor titular de cirurgia pediátrica da Faculdade de Medicina de Santos da Fundação Lusíada e professor de cirurgia pediátrica da Faculdade de Medicina de Taubaté. José Pinus teve intensa vida associativa. Foi fundador, titular e presidente reeleito da Sociedade Brasileira de Cirurgia Pediátrica; fundador e presidente da Academia Nacional de Cirurgia Pediátrica; vice-presidente reeleito da World Federation of Associations of Pediatric Surgeons (WOFAPS); presidente do Conselho dos Ex-Presidentes da Sociedade Brasileira de Cirurgia Pediátrica; presidente do Conselho Consultivo da Sociedade Beneficente Israelita Brasileira do Hospital Albert Einstein; presidente do Comitê de Ética em Pesquisa do Instituto de Ensino e Pesquisa do Hospital Israelita Albert Einstein; e membro do Comitê de Ética Institucional e do Centro Histórico do Hospital Israelita Albert Einstein. José Pinus é também membro emérito do Colégio Brasileiro de Cirurgiões. Ingressou como membro titular da Academia de Medicina de São Paulo, em 7 de março 1 A Biografia foi fornecida pelo autor e a foto foi obtida por ocasião de sua posse na Academia de Medicina de São Paulo, em 7 de março de 2012. Nótula: A redação do texto de acordo com o perfil desta secção foi feita pelo acadêmico Helio Begliomini, titular e emérito da cadeira no 21 da Academia de Medicina de São Paulo, cujo patrono é Benedicto Augusto de Freitas Montenegro. Academia de Medicina de São Paulo Fundada em 7 de março de 1895 www.academiamedicinasaopaulo.org.br de 2012, tornando-se o segundo ocupante da cadeira n o 41, cujo patrono é Felício Cintra do Prado, que foi também foi presidente desse sodalício num mandato anual entre 1953- 1954

“MAIS MÉDICOS DEVERIA SER CHAMADO DE MENOS MÉDICOS”

O 72º Congresso Brasileiro de Cardiologia, realizado em São Paulo, foi o primeiro compromisso público oficial do novo presidente da Associação Médica Brasileira, Lincoln Ferreira, que tomou posse no último dia 31 de outubro.

Na sexta-feira, 3 de novembro, participou da abertura do congresso, quando falou sobre a importância de eventos científicos como o promovido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), “que contribuem sobremaneira para o aperfeiçoamento técnico e profissional da classe médica, um contraponto fundamental no momento e no cenário atual da saúde no Brasil”.

Na palestra e na mesa de debates que participou no sábado, Dr Lincoln salientou a importância da carreira médica de estado para garantir provimento de profissionais para áreas remotas e de difícil acesso: “única alternativa viável e eficiente ao Programa Mais Médicos, cuja qualidade e mesmo a formação dos profissionais até hoje não foi comprovada. Além disso, segundo o TCU, em 49% dos municípios atendidos pelo programa houve diminuição da quantidade de médicos disponíveis para atender a população”.

Também falou sobre a abertura desenfreada de escolas médicas no Brasil e o custo financeiro, social e para a saúde do País: “Formar um médico com ensino de qualidade no Brasil custa muito caro. Formar médicos sem qualidade, custa mais caro ainda para a sociedade como um todo”, declarou Lincoln durante a palestra. “Não há justificativa para que o Brasil tenha mais escolas médicas do que os Estados Unidos, em termos proporcionais. Precisamos é de qualidade, não somente de quantidade”, completou o presidente da AMB.

A importância do associativismo, o engajamento dos médicos nas associações, assim como os honorários médicos e a Frente Parlamentar da Medicina foram outros temas tratados na palestra de Lincoln Ferreira na palestra “Propostas do associativismo médico brasileiro”, que ocorreu dentro Segundo Fórum de Qualidade Assistencial e Defesa Profissional da SBC, no congresso desta sociedade.

Com mais de 8.200 participantes, o congresso deste ano foi o maior da história da cardiologia no País.

FLORENTINO CARDOSO É O NOVO PRESIDENTE DA CONFEMEL

Ex-presidente da Associação Médica Brasileira, Florentino Cardoso tomou posse nesta quinta-feira, 2 de novembro, em cerimônia realizada em Lima, no Peru. A Confederação Médica Ibero-Latina-Americana e do Caribe (CONFEMEL) é uma entidade privada, não governamental, sem fins lucrativos, com seus próprios recursos e alcance internacional, que representa e é constituída por todas as instituições médicas com representação nacional, as instituições fundadoras e os adeptos dos países de América Latina, Iberoamérica e Caribe.

“O Brasil tem protagonismo mundial quando se fala em saúde ou Medicina. A AMB está representada em diferentes fóruns nacionais e internacionais, sempre com trabalho, dedicação e competência. Assumimos agora a Confemel, sucedendo Jeancarlo Cavalcante, para dar continuidade e evoluir com ideias e projetos, levando a entidade e seus países membros a conquistar ainda mais respeito e que tenhamos saúde e Medicina de qualidade, como também médicos mais envolvidos na assistência, ensino, pesquisa, gestão e entidades associativas.
Esperamos realizar grande trabalho coletivo, irmanados nas boas causas, para que façamos mais e mais pelos nossos pacientes.”

“Confemel representa o mais amplo e importante fórum de discussão e proposição de rumos para a saúde, particularmente para a medicina, no continente americano e na península ibérica. Ao assumir a Presidência da Confemel, Dr. Florentino Cardoso, chancelado por dois brilhantes mandatos na AMB, evidencia o protagonismo da medicina brasileira e certamente, com sua competência e com a proatividade que sempre o caracterizou, ele em muito ampliará o leque de ações da entidade! Sob sua liderança, a prática médica neste continente será ainda mais respeitada, tanto na WMA (Word Medical Association), quanto nos demais fóruns mundiais”, comemora Lincoln Ferreira, presidente da AMB.

Saiba mais sobre a CONFEMEL

A história da CONFEMEL tem como antecedente principal a fundação da Confederação Médica Pan-Americana (CMP), criada em 3 de dezembro de 1946 por decisão do 1º Congresso Pan-Americano de Medicina Social realizado em Havana-Cuba, sob a concepção de ser uma organização de União de todos os médicos do continente.

Em setembro de 1951, o Conselho Diretor da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS / OMS) adotou a Resolução XVII, que estabeleceu: reconhecer oficialmente a Confederação Médica Pan-Americana (CMP) como organização não governamental representativa das associações médicas do continente, bem como autorizar o Diretor da OPAS a concordar com o CMP sobre como estabelecer relação entre os dois, para que associações médicas tenham oportunidade de apresentar seus pontos de vista diante dos grandes problemas sócio-econômicos que afetam médicos do continente em várias áreas, considerando que a CMP pretende contribuir para avanço das ciências médicas e melhoria do nível de saúde de seus povos.

Até 1964, a sede permanente da CMP era Cuba, em 1971 mudou-se para o Chile, funcionando até 11 de setembro de 1973. No entanto, diante da situação vivida, colegas venezuelanos (sede alternativa) não puderam acessar informações e recursos, levando a CMP cessar sua ação.

Em 1997, a CONFEMEL foi estabelecida em Santa Cruz de la Sierra, Bolívia, reconhecida como a organização contínua da tradição estabelecida pela Confederação Médica Pan-Americana (CMP), que continuamente uniu as associações médicas nacionais da região entre 1946 e 1973. Desde então vem crescendo em países membros e representatividade.

Em 2016 Espanha e Portugal passaram a integrar a entidade. Hoje são 22 países membros.

ANS NÃO INCLUI EXAMES IMPORTANTES EM ROL DE OBRIGATORIEDADE PARA PLANOS

 

A não inclusão de procedimento importantes pela Agência Nacional de Saúde, é motivo de reportagem do Bom Dia Brasil, onde Dr Emilio Cezar Zilli manifesta a posição da AMB.

O novo diretor de Defesa Profissional da AMB, Carlos Alfredo Lobo Jasmin, comenta: “a ANS, desde a sua origem, é gerida por ex-funcionários e diretores de planos de saúde, assim há maiores pressões destas operadoras para barrar a autorização de novos procedimentos que possam encarecer as suas atividades. O que as operadoras querem é diminuir as suas despesas para aumentarem os seus lucros. A AMB condena que a ANS trabalhe para as operadoras e não para o público que é o povo brasileiro que contrata os planos de saúde.”

Assista a matéria com a entrevista do Dr Zilli: https://globoplay.globo.com/v/6260583/programa/

No início deste mês, AMB encaminhou a todos os Senadores e Deputados Federais, em nome de suas 54 Sociedades de Especialidade Médica associadas, bem como das 27 entidades Federadas, que representam os médicos do Brasil, avaliação sobre o projeto de Lei (6.621/2016), que tramita no Congresso Nacional e que modifica a Lei n. 9.986, de 18.07.2000, no que se refere os critérios para nomeação para cargos de Presidente ou o Diretor-Geral ou Diretor-Presidente (CD I) e os demais membros do Conselho Diretor ou da Diretoria (CD II),de agencias reguladoras.

A AMB entende que o que está proposto no PL ainda é insuficiente para que haja subsídio técnico especializado para as indicações, considerando a importância destas no país, que exercem funções regulatórias estratégicas em diversas áreas de interesse nacional, e a existência de duas Agências específicas relacionadas à saúde, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA e a Agência Nacional de Saúde Suplementar – ANS.

Hospital de Câncer abre inscrições para o 1º Simpósio de Oncologia

O Núcleo de Integração de Ensino, Pesquisa e Saúde (Nieps) do Hospital de Câncer de Mato Grosso está recebendo inscrições para o 1º Simpósio de Oncologia Tratamento Multimodal. O evento é destinado aos acadêmicos de medicina, residentes e médicos. O primeiro lote vai até dia 31 de outubro, com valores que variam de R$ 80 a R$ 150.

O Simpósio será realizado no dia 25 de novembro e contará com uma programação diferenciada para a área médica e palestrantes de várias regiões do país. Serão tratados temas como: Neoadjuvância no paciente com câncer no reto; Metástases colorretais hepáticas: terapia de conversão; Tópicos no manejo do câncer de colo de útero; Câncer de mama localmente avançado: estado da arte; Tratamento multimodal no câncer de estômago e TEG.

O evento conta com o apoio da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC), Sociedade Brasileira de Radioterapia (SBRT), Associação Médica Brasileira (AMB), Associação Médica de Mato Grosso (AMMT), Conselho Regional de Medicina do Estado do Mato Grosso (CRM-MT), Sociedade Brasileira de Cirurgia Oncológica (SBCO) e do Hotel Gran Odara.

Além dos apoiadores o evento terá vários patrocinadores, como Roche, Unimed Cuiabá, Elekta, Varian, Oncocenter, Oncomed, Imagens, IMN Medicina Nuclear, Lapat, Oncovida e Unicred.

Para mais informações e inscrições, acesse o site www.hcancer.com.br. Demais informações 3648-7575, ramal 7605.

NOVEMBRO AZUL: SBU EMITE NOTA SOBRE O RASTREAMENTO DO CÂNCER DE PRÓSTATA

O câncer de próstata é o tipo de câncer mais comum e a segunda maior causa de óbito oncológico no sexo masculino, com estimativa de 61.200 novos casos em 2016/2017 no Brasil. 20% dos casos ainda são diagnosticados em estágios avançados.

A Sociedade Brasileira de Urologia mantém sua recomendação de que homens a partir de 50 anos devem procurar um profissional especializado, para avaliação individualizada. Aqueles da raça negra ou com parentes de primeiro grau com câncer de próstata devem começar aos 45 anos. O rastreamento deverá ser realizado após ampla discussão de riscos e potenciais benefícios.

Leia a Nota Oficial Sociedade Brasileira de Urologia sobre o Rastreamento do Câncer de Próstata.

http://portaldaurologia.org.br/destaques/nota-oficial-2017-rastreamento-do-cancer-de-prostata/