CENTRO DE CONVENÇÕES DA AMMS RECEBEU O 13º CONGRESSO ASSOCIAÇÃO MÉDICA DE MATO GROSSO DO SUL

Na sua décima terceira edição o congresso teve centenas de inscritos que se interessaram na vasta pauta científica, criada objetivo oferecer conhecimento e atualização profissional em diversas especialidades, bem como a troca de experiências entre os participantes.

A presidente da AMMS, Maria José Maldonado participou da Comissão Organizadora, com mais 12 colegas. O esforço desta equipe garantiu presença de palestrantes renomados em 11 especialidades,trazendo abordagens ricas e atuais de interesse de todos.

Diogo Sampaio, vice-presidente Associação Médica Brasileira (AMB) esteve presente ao evento, quando falou aos participantes sobre a visão e pauta de desafios da AMB em favor da medicina, da saúde e do médico brasileiro.

 

 

ESCOLA PAULISTA DE MEDICINA COMPLETA 85 ANOS

 

A Associação Médica Brasileira parabeniza a Escola Paulista de Medicina, pelos seus 85 anos e agradece aos seus professores, funcionários e alunos pela importante contribuição que deram e dão para a medicina e para a saúde brasileira. Viva a Escola Paulista de Medicina.

AMB PARTICIPA DA REUNIÃO ANUAL DA AMERICAN MEDICAL ASSOCIATION (AMA), A ANNUAL MEETING OF THE HOUSE OF DELEGATES

A Reunião Anual de 2018 da Câmara de Delegados da AMA (9 a 13 de junho) ocorre em Chicago (Illinois, EUA), abordando questões de assistência médica e eleição de delegados.

No evento representam a Associação Médica Brasileira, Lincoln Lopes Ferreira, presidente da AMB e Dr. Miguel Roberto Jorge, 1º Tesoureiro da Associação Médica Brasileira e Representante da Associação Médica Brasileira na Associação Médica Mundial.

Além da participação nas pautas do encontro, Lincoln e Miguel Jorge estarão identificando parcerias para o novo Certificado de Atualização Profissional da Comissão Nacional de Acreditação da AMB e para a Educação Médica Continuada, além de discutirem sobre o exame americano de proficiência com os parceiros dos Estados Unidos, bem como de experiências em outros países.

 

 

Na foto, durante a Sessão de Abertura, Lincoln e Miguel Jorge, estão acompanhados pela Dra. Ardis Dee Hoven, secretária da AMA e presidente do Conselho da World Medical Association, e Yung Tung WO, conselheiro da Taiwan Medical Association.

FOGOS DE ARTIFÍCIO PODEM CAUSAR SURDEZ

O uso dos fogos de artifício nas tradicionais festas juninas, celebrações de eventos esportivos e réveillon, representam riscos à saúde, pois, se manuseados sem às devidas orientações técnicas, podem causar acidentes, como queimaduras e amputações.

A imprudência também trazer sérias consequências para a audição, devido a alta exposição dos ruídos da explosão, podendo causar danos irreversíveis e até surdez.

Barulhos muito altos, podem romper os tímpanos, causar perda auditiva temporária ou permanente.

A perda auditiva severa pode trazer inúmeras dificuldades e reduzir a qualidade de vida.

Mantenha distância segura do lançamento dos fogos.

Utilize protetores auriculares.

Evite acidentes com fogos de artifício!

Faça o uso seguro e mantenham as crianças longe de fogos de artifício.

Essa é uma campanha conjunta do Conselho Federal de Medicina – CFM, da Sociedade Brasileira de Cirurgia da Mão – SBCM e da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia – SBOT, com o apoio do Ministério da Saúde e da Associação Médica Brasileira.

MÉDICOS DE RONDÔNIA REATIVAM FEDERADAS DA AMB

Nova diretoria toma posse nesta quarta-feira, 06/06, reativando a Associação Médica Brasileira de Rondônia (AMB/RO)

O presidente da AMB, Lincoln Ferreira vai participar da posse da nova diretoria da AMB/RO. A reativação de Federadas era um dos compromissos de campanha. O evento acontece em Porto Velho, capital de Rondônia.

DIRETORIA EXECUTIVA

Presidente – Dr. Aparício Carvalho de Moraes,
Vice-Presidente Dr. Rodrigo Pascoal Azevedo,
Secretária-Geral Dra. Julieta Schneider Catani,
1º Secretário Dr. Andrei Leonardo Freitas de Oliveira,
1º Tesoureiro Dr. Roberto Melo De Mesquita,
2º Tesoureiro Dr. Jose Odair Ferrari,
Diretora de Defesa Profissional :
Drª Flavia Lenzy
Diretor Científico Dr. Raitany Costa de Almeida,
Diretor de Benefícios Dr. Maria das Graças Guedes de França,
Diretor de Comunicação e Marketing Dr. Cleiton Cassio Bach,
Diretor de Assuntos do Interior Dr. Antonio Augusto Neves Junior,

MEMBROS DO CONSELHO FISCAL
Titulares:
Dra Ana Ellen Santiago,
Drª Maria da Conceição Ribeiro Simões
Drª Lourdes Maria Pinheiro Borzacov.

Suplentes:

Dr. Robinson Cardoso Machado Yaluzan,
Dr. L’U Nogueira Cabral
Dr. Sebastião Ferreira Campos.

Delegado da AMB/RO perante a AMB – Dr. Luiz Augusto Rodrigues Nogueira
Suplente – Dra Renata Andrade Pavan

A Associação Médica Brasileira de Rondônia – AMB/RO fica na Av. dos Imigrantes, 3414 – Liberdade – Porto Velho – RO. Cep: 76803-850
Tel: (69) 3217-0500
e-mail: ambrondonia@gmail.com

Acidentes com fogos de artifício provocam graves queimaduras

Queimaduras por fogos de artifício e por líquidos quentes são as mais comuns nessa época. Além da dor, algumas queimaduras deixam sequelas pelo resto da vida.

As queimaduras destroem de forma parcial ou total as camadas da pele, podendo atingir até mesmo partes mais profundas, como tecido celular subcutâneo, músculos, tendões, nervos e ossos. As queimaduras são classificadas de acordo com a sua profundidade e tamanho, sendo geralmente mensuradas pelo percentual da superfície corporal acometida.

Nunca se automedique, procure por um Centro de saúde especializado.

Acione o Corpo de Bombeiros pelo telefone 193 ou o SAMU de sua cidade pelo 192.

Lave queimaduras com água fria ou soro fisiológico e envolva com um pano úmido.

Evite acidentes com fogos de artifício!

Faça o uso seguro e mantenham as crianças longe de fogos de artifício.

Essa é uma campanha conjunta do Conselho Federal de Medicina – CFM, da Sociedade Brasileira de Cirurgia da Mão – SBCM e da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia – SBOT, com o apoio do Ministério da Saúde E e da Associação Médica Brasileira.

AMB GARANTE APOIO DA OAB AO EXAME DE PROFICIÊNCIA EM MEDICINA

A criação do Exame Nacional Obrigatório de Proficiência Médica recebeu um importante apoio na tarde desta terça-feira, 5/6, quando o presidente da Associação Médica Brasileira, Lincoln Ferreira, se reuniu com o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Claudio Lamachia, na sede da OAB, em Brasília. Objetivo do encontro era entender os aspectos jurídicos que dão suporte à existência do Exame da Ordem (para advogados formados) e debater as semelhanças desta prova como a que as entidades médicas brasileiras desejam criar, para garantir que somente médicos com boa qualidade na formação possam receber o registro profissional (CRM) e passem a estar autorizados a atender a população.

Existem atualmente no Brasil 454 mil médicos registrados nos Conselhos Regionais e cerca de 31 mil vagas de cursos de medicina. “O Exame Nacional de Proficiência em Medicina será um filtro para garantirmos qualidade nos profissionais que irão atuar no mercado. Tenho dito que formar bons médicos custa caro. Formar maus médicos custa muito mais caro. Profissionais sem o preparo, conhecimento e técnica necessários sobrecarregam o sistema de saúde, pois pedem exames desnecessários, aumentam os períodos de internação e são pouco resolutivos”, explica o presidente da AMB.

Criado com a motivação semelhante, o Exame da Ordem também funciona como um filtro, para garantir que somente profissionais com proficiência possam atuar na advocacia. Assim como no direito, houve grande proliferação no número de faculdades de medicina no país, que, sem fiscalização eficiente, acabaram se tornando guichês de emissão de diplomas de medicina.

“Conversamos sobre a preocupação que temos a respeito da proliferação de cursos e de vagas de ensino em áreas tão específicas e importantes, algo que é inquietante e que terá reflexos perversos para a sociedade no médio e longo prazos. Áreas tão importantes para o país que deveriam ser preservadas e promovidas acabam por compartilhar esta lamentável tendência”, criticou Claudio Lamachia.

Dessa forma, a existência de um exame nacional de proficiência em medicina atende às mesmas prerrogativas do exame de ordem dos advogados: garantir qualidade no atendimento da população. “Esta pauta de vocês é nossa também”, afirmou o presidente da OAB, Claudio Lamachia, durante o encontro, em Brasília, do qual também participaram o vice-presidente da AMB, Diogo Leite Sampaio e o assessor parlamentar, Napoleão Puentes.

“Para nós é extremamente importante o apoio da OAB e essa troca de experiências nos ajuda a entender como funciona o tão importante e respeitado Exame da OAB em todo o seu processo, pois precisamos implantar o quanto antes no Brasil o Exame Obrigatório Nacional de Proficiência em Medicina. O Apoio e a experiência da OAB são muito importantes para nós neste momento. No entanto, o exame de proficiência em medicina precisará ter uma dinâmica própria. Por mais que se pareça com a prova dos advogados, ele terá as especificidades que a carreira precisa. Além disso, neste primeiro momento, nosso foco é a criação do exame. A forma como será implementado deverá ser objetivo de um debate mais para frente, quanto o exame for regulamentado pelo CFM”, explica Dr. Diogo Leite Sampaio, vice-presidente da AMB.

 

EXAMES DE PROFICIÊNCIA

O Exame da Ordem dos Advogados do Brasil, também conhecido como Exame de Ordem Unificado ou Exame de Ordem, é uma avaliação a que se submetem, por força de lei, os bacharéis em Direito no Brasil, em que demonstram que possuem capacitação, conhecimentos e práticas necessários ao exercício da advocacia. É o exame que faz com que o bacharel em Direito se torne um advogado e possa exercer a profissão em legalidade. O exercício da advocacia exige a aprovação na prova da OAB. Até mesmo porque, sem ela, o bacharel em Direito não consegue realizar seu registro e obter sua carteira. Consequentemente, não pode exercer a profissão de advogado.

UNANIMIDADE

Em março deste ano, em reunião do conselho deliberativo da Associação Médica Brasileira, ficou definido por unanimidade que AMB atuaria em prol da criação de lei para instituição do exame nacional de proficiência em Medicina para que os egressos dos cursos de medicina. Os formados que não aprovados no exame não poderão receber o seu registro no CRM e estarão impedidos de exercer a medicina.

“Se faz urgente e necessário o Exame Nacional de Proficiência em Medicina para protegermos os pacientes de serem atendidos por médicos sem formação de qualidade e também precisamos melhorar a educação e a prática médica em nosso País, apoiando estudantes, médicos, professores e profissionais de saúde. As escolas médicas precisam ser avaliadas e os alunos também. E quem não estiver preparado não poderá exercer a medicina”, declara o presidente da AMB.

A necessidade de criação de um exame nos moldes da prova da OAB também encontra eco na associação que representam os médicos recém-formados (que estão em período de residência médica) e até mesmo na de estudantes de medicina.

COMO FUNCIONA EM OUTROS PAÍSES

Nos Estados Unidos da América, por exemplo, a licença para o exercício da Medicina é obtida somente após a aprovação no United States Medical Licensing Examination (Exame de Licenciamento Médico nos Estados Unidos), mais conhecido como USMLE. É um exame de múltiplas (3) etapas pelo qual o médico é obrigado a passar antes de ser autorizado a praticar medicina nos Estados Unidos.

No Canadá, o graduado deve ser aprovado nas duas fases do Medical Council of Canada Qualifying Examination (MCCQE) e completar de maneira satisfatória doze meses de curso de pós-graduação. Na Alemanha, são aplicadas três provas, em períodos distintos, durante o curso de Medicina.

No Chile, os graduados devem ser aprovados no Único Nacional de Conocimientos de Medicina (EUNACOM), prova teórica e prática. É um exame teórico e prático da medicina geral que é aplicado a todos os graduados das diferentes escolas médicas do Chile e aos médicos qualificados no exterior que desejam praticar no território nacional. O exame começou a funcionar em 2009 como um substituto para o Exame Médico Nacional (EMN) anterior, que existiu entre 2003 e 2008.

Na Inglaterra, os médicos são avaliados pelo prazo de um ano para obter a certificação e novos exames são repetidos a cada cinco anos pela General Medical Council (GMC) Tais iniciativas conferem maior segurança aos pacientes, por garantir que apenas profissionais que comprovem habilidades e conhecimentos requeridos para o exercício profissional da Medicina poderão atuar na assistência à saúde. O Exame na Inglaterra tem como lema: “ajudamos a proteger os pacientes e a melhorar a educação e a prática médica no Reino Unido, apoiando estudantes, médicos, educadores e profissionais de saúde”.

PROJETO DE LEI NO SENADO FEDERAL

Recentemente, a AMB apresentou duas sugestões ao Senador Ronaldo Caiado, que também é médico, para que sejam incluídas no Projeto de Lei que tramita no Senado, PL165/2017, que trata do tema, com os seguintes objetivos propostos pela AMB:

Passar a competência da regulamentação sobre o Exame de Proficiência em Medicina para o Conselho Federal de Medicina, já que o projeto original previa periodicidade dos exames. Para a AMB as formas de aplicação do exame, como periodicidade e quantidade, precisam ser definidas a partir de exame mais aprofundado do cenário do ensino médico no Brasil e necessitarão de modificação de forma ágil sempre que houver mudança neste cenário, garantindo assim que o exame atenda sua finalidade primordial.

A segunda sugestão visa garantir que estrangeiro ou brasileiro, quando não graduado em medicina no Brasil, deva fazer exame de revalidação do título de graduação conforme a legislação brasileira.

MÁ FORMAÇÃO MÉDICA

O resultado do último Exame do CREMESP, realizado em 2017, confirmou o que a AMB já vem alertando há muito tempo: a falta de fiscalização e a abertura irresponsável de escolas médicas estão empurrando o nível do ensino médico no país para níveis assustadoramente baixos.

Somente 64,6% dos participantes foram aprovados. A aprovação maior foi em escolas públicas (79,7 enquanto nas escolas privadas a aprovação ficou em 56,8). Conforme dados divulgados pelo CREMESP, muitos dos recém-formados demonstraram não saber interpretar exames para diagnosticar e administrar a conduta terapêutica adequada a casos médicos básicos e problemas de saúde frequentes. Veja alguns exemplos de questões com altos índices de erro:

  • 88% não souberam interpretar o resultado de um exame de mamografia e erraram a conduta terapêutica de uma paciente;
  • 78% erraram o diagnóstico laboratorial de diabetes mellitus;
  • 75% não conseguiram identificar conduta para paciente com hemorragia digestiva alta;
  • 60% demonstraram pouco conhecimento sobre doenças parasitárias (chagas, leishmaniose, esquistossomose), formas de veiculação e contaminação;
  • 54% não conseguiram avaliar o comportamento da frequência cardíaca e da pressão arterial durante a gravidez;
  • 40% não souberam fazer a suspeita de uma apendicite aguda.

 

EXAME DA OAB

O que diz a lei

O Exame da OAB se baseia no artigo 5º parágrafo XIII da Constituição Federal: “XIII – é livre o exercício de qualquer trabalho, ofício ou profissão, atendidas as qualificações profissionais que a lei estabelecer”; e no Estatuto da Advocacia (lei 8.906/94): “Art. 3º O exercício da atividade de advocacia no território brasileiro e a denominação de advogado são privativos dos inscritos na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB)”

Quem deve participar

Todo bacharel de curso de Direito precisa fazer o exame para poder exercer a profissão de advogado.

Como é a prova?

A prova da Ordem dos Advogados do Brasil é realizada três vezes por ano e consta de duas fases eliminatórias. Na primeira fase, os candidatos prestam uma prova objetiva composta de 100 questões. O conteúdo é baseado nas disciplinas obrigatórias dos cursos de Direito, especificadas pelo MEC. A Prova Prático-Profissional é a segunda fase do exame da OAB. Quem não tirar a nota mínima exigida, não aprova e não pode exercer a profissão de advogado.

ACIDENTES COM FOGOS DE ARTIFÍCIO PODEM CAUSAR AMPUTAÇÕES

A utilização incorreta de fogos de artifício pode resultar desde queimaduras em todos os graus, princípios de incêndio e até a amputação de parte de um membro do corpo, principalmente dos dedos e das mãos.
No período das festas populares, esses acidentes são frequentes e causam afastamento do trabalho e graves sequelas, piorando a qualidade de vida e trazendo muito sofrimento para o acidentado.
Há riscos no manuseio incorreto, no reaproveitamento e manipulação caseira dos fogos e acidentes com danos irreversíveis e também pode levar à morte.
Em casos de amputação, procure rapidamente um centro de atendimento especializado.
Faça a compressão do local com força, com um pano limpo para conter o sangue.
Enrole a parte amputada em um pano limpo, coloque-a em um pacote plástico bem fechado e, sem seguida, ponha o pacote dentro de outra sacola com gelo.
Nunca coloque a parte amputada diretamente no gelo, é necessário apenas refrigerá-la. O reimplante é possível mas vai depender principalmente do tipo de corte e do tempo decorrido do acidente até o recebimento do socorro adequado.
Evite acidentes com fogos de artifício!
Faça o uso seguro e mantenham as crianças longe de fogos de artifício.
Essa é uma campanha conjunta do Conselho Federal de Medicina – CFM, da Sociedade Brasileira de Cirurgia da Mão – SBCM e da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia – SBOT, com o apoio do Ministério da Saúde e Associação Médica Brasileira.

VIVA SEM TABACO: TIMES E CRAQUES ENTRAM EM CAMPO

Times e Craques do futebol se engajam em campanha na Associação Médica Brasileira (AMB): Viva sem Tabaco – #VoceConsegue.

A Associação Médica Brasileira (AMB) iniciou ontem (31 de maio, Dia Mundial sem Tabaco) uma campanha com o objetivo de informar, orientar e sensibilizar pessoas a pararem de fumar. Viva sem Tabaco -. #VoceConsegue.

Diversos times de futebol se já se engajaram: Fluminense Football Club, Sport Clube Internacional, Clube de Regatas do Flamengo e Club de Regatas Vasco da Gama. E atletas também, como Diego, o camisa 10 do Flamengo, e o jogador Robinho, já gravaram vídeos para as redes sociais. Mais clubes e atletas estão chegando!

A ação conta com o apoio e participação de diversas sociedades de especialidades médicas envolvidas com a problemática do tabagismo, como: Sociedade Brasileira de Cirurgia Torácica, Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia, Sociedade Brasileira de Cardiologia, Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica, Sociedade Brasileira de Cirurgia Oncológica, Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular e Associação Brasileira de Psiquiatria.

O mote da campanha #VoceConsegue é para quem quer largar o vício, pois é possível sim. Também é um mote para quem quer ajudar alguém a largar o vício. A Campanha “Viva sem Tabaco. Você Consegue!”, não tem data para terminar e visa informar e orientar a todos, mas principalmente aquelas pessoas que desejam largar o cigarro e precisam de ajuda para isso. A página da AMB (www.amb.org.br/voceconsegue) estará sendo sempre alimentada com informações, orientações e dicas, para mostrar que é possível largar o tabaco, com determinação, apoio médico e incentivo de amigos e familiares.

O cigarro e o tabaco não são protagonistas nesta Campanha da AMB. A Campanha tem tom positivo e de estímulo.

Mas o principal é o engajamento das pessoas. Num primeiro momento Clubes e atletas de futebol participam para gerar fluxo e engajamento no site da Campanha www.amb.org.br/voceconsegue, junto com médicos e especialistas.

A campanha da AMB seguirá, com novas ações dentro e com novos segmentos, além do futebol, que estão sendo convidados a participar.