SECRETÁRIO-GERAL DA AMB É CONDECORADO PELO HOSPITAL SÍRIO-LIBANÊS

O jantar comemorativo do Dia dos Médicos do Hospital Sírio-Libanês, realizado no último dia 4, homenageou o secretário-geral da Associação Médica Brasileira (AMB), Antonio Jorge Salomão, pelos 52 anos de dedicação à medicina e aos pacientes.

A honraria é, também, uma maneira de reconhecer a atuação de Salomão dentro da instituição, da qual é integrante do corpo clínico desde 1990, pelas contribuições a consolidação do hospital como centro de referência em saúde no Brasil.

“Fico lisonjeado pela homenagem. O Sírio-Libanês é uma instituição importante, com trabalhos notáveis nas áreas de tecnologia, inovação, responsabilidade social, ensino, pesquisa e conhecimento médico disseminado em seus programas de formação. Um trabalho de pioneirismo e excelência, do qual me orgulho de fazer parte”, afirmou o secretário-geral da AMB.

Salomão é graduado pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e tem pós-doutorado na Universidade de São Paulo (USP). É especialista em Ginecologia e Obstetrícia e foi professor da USP durante 40 anos.

Esse é sexto ano que o Sírio-Libanês realiza a cerimônia como forma de reconhecimento aos profissionais que fazem parte da história da entidade. Este ano, a solenidade foi apresentada pelo diretor do serviço de pronto atendimento, Fernando Ganem, e pelo diretor geral do hospital, Paulo Chapchap.

ANAMT EMPOSSA NOVA DIRETORIA PARA O QUADRIÊNIO 2019/2022

 

União de forças: esta é a expressão que marcou a solenidade de posse da nova diretoria da Associação Nacional de Medicina do Trabalho (ANAMT), realizada no último dia 4 de outubro, na sede da Associação Médica Brasileira (AMB). A nova presidente é Rosylane Nascimento das Mercês Rocha, responsável por conduzir as demandas da entidade até 2022. Na ocasião, também foram apresentados os novos conselheiros fiscais, escolhidos por meio de votação pelos médicos.

O presidente eleito da World Medical Association (WMA) e diretor da AMB, Miguel Jorge, representou a entidade na cerimônia de posse. No discurso, ele reforçou que a AMB está à disposição para trabalhar ao lado da nova diretoria da ANAMT e auxiliar nos desafios futuros.

A nova presidente da ANAMT destacou a importância da união e esforço coletivo para a conquista dos objetivos propostos para o quadriênio 2019/2022. “Nosso trabalho será focado numa gestão progressista e transparente, em prol da valorização da especialidade e da atuação junto aos médicos do trabalho, que veem a ANANT como uma referência para a prática médica”, enfatizou Rosylane.

Conheça a composição completa da nova diretoria e conselho fiscal da ANAMT:

Presidente: Rosylane Nascimento das Mercês Rocha

Vice-presidente Nacional: Rosani Carvalho de Araujo

Vice-presidente Regional Sul: Ricardo Moreira Martins

Vice-presidente Regional Sudeste: Simone Veiga Carvalho Assalie

Vice-presidente Regional Centro-Oeste: Amaury do Lago Prieto

Vice-presidente Regional Nordeste: Pascoal Gomes da Costa Neto

Vice-presidente Regional Norte: Hamilton Ferreira Teixeira

Diretora Administrativa: Gabriella de Oliveira Ribeiro

Diretora Administrativa Adjunta: Gilvana de Jesus do Vale Campos

Diretora Financeira: Joyce Pessoa Ferro

Diretora Financeira Adjunta: Angélle Aragonez Essado Jácomo

Diretor Científico: Francisco Cortes Fernandes

Diretor de Legislação: Josierton Cruz Bezerra

Diretora de Ética e Defesa Profissional: Walneia Cristina de Almeida Moreira

Diretor de Relações Internacionais: Ricardo Antonio Turenko Beça

Diretor de Divulgação: Luis Fernando Gagliardi

Diretor de Título de Especialista: Vinicio Cavalcante Moreira

Diretor de Patrimônio: Alvaro Frigério Paulo

Conselho Fiscal 2019/2022

Titulares:

Paulo Roberto Zetola

Charles Carone Amoury

Valéria de Lima Reis Lobo

Suplentes:

Alfredo Nunes Bandeira Neto

Mara Edwirges Rocha Gândara

Antonio Carlos Gavazza

HABILITAÇÃO EM ULTRASSONOGRAFIA PARA BLOQUEIOS ANESTÉSICOS É APROVADA PELA AMB

 

A AMB votou nesta terça-feira (8) a criação da primeira habilitação aprovada dentro das novas regras, que digitalizam a obtenção de certificados e tornaram o processo mais simples e rápido.

A Comissão de Ensino Médico e Pós-Graduação da entidade aprovou a criação da habilitação em ultrassonografia para bloqueios anestésicos, solicitada pela Sociedade Brasileira de Anestesiologia (SBA).

A reunião foi presidida pela diretora Acadêmica da AMB e membro da comissão, Maria José Maldonado. Também participaram do encontro Antonio Carlos Chagas, diretor científico da AMB, e José Roberto Baratella, membro da comissão.

Eles também discutiram detalhes sobre o evento de Saúde Digital que a AMB organiza e sobre a parceria recém formalizada entre a AMB e a Associação Médica do Rio Grande do Sul (AMRIGS) para nacionalizar a prova da entidade.

Certificação aprovada

A habilitação vai certificar o médico anestesista em quatro áreas: acessos vasculares guiados por ultrassonografia; bloqueio de nervos periféricos e neuroeixo guiados por ultrassonografia; avaliação de resíduo gástrico; e avaliação de vias aéreas. O curso e as provas para emissão do certificado serão objeto de proposta específica da SBA para a AMB, avaliadas posteriormente.

A habilitação certifica que o médico especialista possui um conjunto de conhecimentos teóricos e habilidades práticas específicas relacionadas a uma ou mais áreas de atuação ou especialidade médica. Em dezembro, a lista das habilitações e cursos será disponibilizada no site da AMB.

PRESIDENTE DA AMAC TOMA POSSE COMO CONSELHEIRA DO CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA

Conselheiras empossadas pelo Acre e o presidente da AMB, Lincoln Ferreira.

No dia 1º de outubro (terça-feira), a presidente da Associação Médica do Acre (AMAC), Dra. Jene Greyce Cruz, tomou posse como conselheira do Conselho Federal de Medicina (CFM), na qualidade de representante suplente dos médicos do Estado do Acre.

​Na cerimônia de posse, que aconteceu na sede da Associação Médica de Brasília, os novos conselheiros para a gestão 2019-2024 foram empossados e a nova diretoria da autarquia federal foi apresentada para os participantes. A cerimônia também contou com a participação dos representantes das entidades médicas, como a Associação Médica Brasileira (AMB), a Federação Nacional dos Médicos (FENAM), a Federação Médica Brasileira (FMB), a Federação Brasileira de Academias de Medicina (FBAM), a Associação Brasileira de Educação Médica (ABEM) e representantes de entidades médicas internacionais.

Assume a presidência do CFM o médico Mauro Ribeiro, representante do estado do Mato Grosso do Sul e Vice-Presidente da autarquia na última gestão. No discurso de posse, Dr. Mauro reafirmou as bandeiras de defesa do CFM, como a prova do Revalida, o Sistema de Acreditação de Escolas Médicas (SAEME), a carreira médica de Estado, entre outros, além de anunciar maior participação dos conselheiros suplentes nas atividades gerais do Conselho.

Na oportunidade, Dra. Dilza Ribeiro, conselheira efetiva, assumiu como Secretária-Geral da entidade.

“É um grande prazer a oportunidade de representar os médicos do Estado do Acre junto ao Conselho Federal. Trabalharei em conjunto com a Dra. Dilza para defesa da medicina brasileira e uma representação ativa do nosso estado”, declarou Dra. Jene Greyce.

Jene Greyce Oliveira da Cruz – É natural do Amazonas. Graduou-se em Medicina, em 1993, na Universidade Federal do Amazonas. É especialista em Otorrinolaringologia pela Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial (ABORL-CCF), em Medicina do Trabalho pela Associação Nacional de Medicina do Trabalho (ANAMT) e Bioética pela Universidade do Porto. Mestre em Medicina e Saúde pela Universidade Federal da Bahia (UFBA) e doutora em Ciências pela Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (USP). Docente do curso de medicina da Universidade Federal do Acre, membro da Academia Acreana de Medicina, atual presidente da Associação Médica do Acre e da federada Acre da ANAMT. É ex-conselheira do Conselho Regional de Medicina do Acre (CRM-AC).

Texto e fotos: AMAC

COLÓQUIO FBAM/APMED PROMOVE DEBATES SOBRE ATUAL CENÁRIO DA MEDICINA

Entidades médicas e de ensino na área da saúde se reuniram no III Colóquio da Federação Brasileira de Academias de Medicina (FBAM) e Academia Paraibana de Medicina (APMED) para debaterem o atual cenário da medicina no País. O evento foi realizado entre 3 e 5 de outubro, no Centro de Ciências Médicas da Universidade Federal da Paraíba.

O presidente da AMB, Lincoln Ferreira, que foi um dos palestrantes, abordou a situação atual e perspectivas da saúde brasileira. “Só será possível vencermos os desafios na assistência primária a saúde no País com a efetivação da carreira médica de Estado. Além disso, a revalidação de diplomas tem que ser tratada com ética e seriedade para garantir atendimento médico de qualidade para a população”, destacou.

Na programação houve, ainda, debates sobre a tecnologia na medicina, pesquisa e o ensino médico, com panoramas e cenários da graduação e pós-graduação no Brasil ao longo do tempo. Também foram discutidos temas relacionados à saúde mental dos médicos e dos estudantes de medicina.

“A área da saúde evolui de forma rápida, com novos métodos, tecnologias, diagnósticos, tratamentos e medicamentos. O colóquio proporcionou uma oportunidade para a classe médica dissertar sobre as novidades do segmento, casos clínicos e trocar experiências com outros colegas que têm interesses em comum. Isso é valioso para a vida profissional”, destaca José Roberto Baratella, presidente da FBAM, que também é membro da Comissão de Ensino Médico e Pós-Graduação da AMB.

CONGRESSO DA SBCM REÚNE 5 MIL PARTICIPANTES EM SANTA CATARINA

Especialistas em Clínica Médica de todo o País estão reunidos em Florianópolis para o 15º Congresso Brasileiro de Clínica Médica. O evento, que começou na última quarta-feira (2) e segue até este sábado (5), é realizado pela Sociedade Brasileira de Clínica Médica (SBCM).

O encontro reúne diversos profissionais que atuam na área da Clínica Médica, no ensino e pesquisa nas universidades. A Associação Médica Brasileira (AMB) foi representada no evento pelo presidente Lincoln Ferreira, que ministrou duas palestras ao longo da programação, além de participar da mesa de abertura.

A novidade desse ano é a realização da 1ª GincaMed, uma competição criada para os congressistas com o objetivo de incentivar os participantes a compartilharem conhecimentos e habilidades no atendimento clínico. A programação conta também com palestras e mesas redondas, além dos tradicionais cursos pré-congresso. A expectativa dos organizadores é receber mais de cinco mil congressistas e 160 palestrantes durante os três dias de evento.

Palestras

Na quinta-feira (3), Lincoln falou sobre Novas escolas médicas e a saúde pública brasileira; e sobre Residência médica no Brasil – perspectivas futuras e a realidade atual. Ele criticou a abertura indiscriminada de novos cursos de medicina, o que afeta a qualidade da prática médica no País.

“A AMB vem trabalhando para manter a moratória na abertura de escolas médicas para avaliarmos o cenário e criarmos mecanismos de controle mais efetivos que garantam a qualidade da formação médica no Brasil. Um grupo de trabalho foi criado para rever os critérios de abertura de novos cursos de medicina e estabelecer um sistema de avaliação”, afirmou durante o encontro. De acordo com o presidente da AMB, muitas vezes, essas escolas são abertas em locais onde nem existem hospitais.

Lincoln Ferreira também falou sobre a situação dos brasileiros formados no exterior, especialmente no caso de alguns cursos de medicina de países vizinhos ao Brasil que possuem péssimas condições de ensino e estrutura. Ele reiterou a posição da AMB, contrária a participação de escolas privadas nos processos de revalidação. Muitas delas estão envolvidas em esquemas de vendas de vagas em cursos de complementação, como denunciado pela AMB.

DIRETOR DA AMB É HOMENAGEADO NO MAIOR CONGRESSO DE CARDIOLOGIA DO PAÍS

O diretor científico da Associação Médica Brasileira (AMB), Antonio Carlos Palandri Chagas, foi condecorado durante a cerimônia de abertura do 74º Congresso Brasileiro de Cardiologia, evento da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC). O Prêmio Mérito SBC – Contribuição Associativa é uma homenagem a quem contribuiu ativamente para o desenvolvimento da entidade e da especialidade.

Depois de receber a homenagem, o diretor da AMB agradeceu e destacou como é significativo ter o reconhecimento sobre sua trajetória em um evento tão importante para a especialidade. “Foi um momento de grande ampliação de conhecimento, de aprofundar em temas científicos e em inovações tecnológicas na Cardiologia. Fico honrado com a homenagem da SBC”, reforça.

Além de diretor científico da AMB, Chagas foi o primeiro governador do Capítulo Brasileiro do American College of Cardiology (2008-2013), cargo que assumiu novamente para o período 2018-2019. Também é membro do International Council do American College of Cardiology e do Presidential Task-force; consultor editorial do Journal of the American College of Cardiology; e fellow do American College of Cardiology e da European Society of Cardiology.

Sobre o congresso

O 74º Congresso Brasileiro de Cardiologia, o maior encontro da cardiologia brasileira e latino-americana, teve mais de seis mil inscritos, 300 palestrantes e cerca de 30 convidados internacionais. O presidente da SBC, Oscar Pereira Dutra, ressaltou a relevância do encontro “Queremos que a interação entre os participantes e palestrantes aumente, que se faça mais networking entre colegas, que se fale muito de cardiologia, mas também de outros assuntos importantes para todos nós”, finalizou o presidente.

“O REVALIDA É SAGRADO E NÃO VAMOS ABRIR MÃO EM HIPÓTESE ALGUMA”, AFIRMA BOLSONARO EM AUDIÊNCIA COM AMB

https://youtu.be/9iCZrjfmJ50

 

“O REVALIDA É SAGRADO E NÃO VAMOS ABRIR MÃO EM HIPÓTESE ALGUMA”, AFIRMA BOLSONARO EM AUDIÊNCIA COM AMB

O presidente Jair Bolsonaro reafirmou o compromisso com a saúde brasileira e reforçou que não vai compactuar com nenhuma proposta que fragilize os processos de revalidação de diplomas estrangeiros e que permita o exercício da medicina no País por médicos sem CRM.

O posicionamento foi reforçado durante uma audiência realizada nesta sexta-feira (5), no Palácio do Planalto, com o presidente da Associação Médica Brasileira (AMB), Lincoln Ferreira. Também participaram o presidente do Conselho Federal de Medicina (CFM), Mauro Ribeiro; Rosylane Rocha, conselheira pelo Distrito Federal; e Alejandro Bullón, assessor jurídico da autarquia.

“Meu compromisso não é de campanha, é de brasileiro preocupado e responsável por essa classe tão importante, que é a de vocês. Estamos perfeitamente afinados. Entendemos que o que está em nossa proposta é o que deve ser aprovado. A questão do Revalida é sagrada e não vamos abrir mão disso. A proposta pode sair do parlamento com algumas correções, sim, mas essa questão é a principal e não deve ser alterada”, afirma Jair Bolsonaro.

Jair Bolsonaro ouviu a posição da AMB, contrária à reintegração automática e sem comprovação de competências dos cubanos ao Mais Médicos, e concordou que a situação gerada pelo relatório da MPV 890/19 é crítica. O texto foi desfigurado pelo relatório do senador Confúcio Moura (MDB-RO) e pela Comissão Mista instituída para avaliar o assunto.

O presidente da república afirmou que vai defender a manutenção dos processos de revalidação com base no regramento atual, ou seja, feitos somente pelas universidades públicas e por meio de processos formais, como o Exame Revalida.

Da maneira como foi aprovada, a MPV 890/19 coloca em risco a segurança do atendimento à população ao liberar médicos sem CRM para atuar no Brasil, afrouxar as regras para a revalidação de diplomas e permitir a criação de consórcios para que estados e municípios façam convênios com Cuba para replicar o Mais Médicos.

“Saber que o presidente da república entende os graves danos gerados pelo relatório da medida provisória do Médicos pelo Brasil e está do lado de quem quer oferecer atendimento digno à população é um alento. Vamos manter o diálogo próximo com o Palácio do Planalto para reverter as propostas que atingem em cheio a qualidade da medicina brasileira”, destaca Lincoln Ferreira.

Jair Bolsonaro já havia dado a palavra às entidades médicas de que, no governo dele, a aprovação no Exame Revalida seria o requisito mínimo para que médicos estrangeiros exercessem medicina no Brasil.

Bolsonaro também se comprometeu a rever as regras do programa Future-se, que propõe mudanças na Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB), abre possibilidades para validação simplificada da revalidação de diplomas e permite que faculdades particulares integrem os processos, propostas combatidas pela AMB. Além disso, reafirmou o compromisso com a moratória que proíbe a abertura de novas escolas médicas até 2023.

Uma nova reunião envolvendo o presidente Jair Bolsonaro, a AMB, o CFM e os ministros da Saúde, Luiz Henrique Mandetta; da Educação, Abraham Weintraub; e da Economia, Paulo Guedes, foi pré-agendada no Palácio do Planalto.

Enquanto isso, a AMB segue atuando para reverter as ameaças impostas pelo relatório da MPV 890/19 e para assegurar que o Médicos pelo Brasil seja realmente um projeto que ajude a solucionar os gargalos da atenção primária à saúde no País, como definido na proposta inicial do presidente Jair Bolsonaro.

#AMB #MédicospeloBrasil #RevalidaçãodeDiplomas #Revalida#MEC #Medicina #Saúde #MPV890 #JairBolsonaro #Bolsonaro #PaláciodoPlanalto

QUEREM MATAR O PROGRAMA MÉDICOS PELO BRASIL

Que bom que você veio até aqui. Precisamos muito da sua ajuda para salvar o programa Médicos Pelo Brasil. Clique aqui para mandar uma mensagem ao presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, e para deputados de seu estado.

É critica a situação gerada pela aprovação do relatório da MPV 890/2019, que libera médicos sem CRM para atuar no Brasil, afrouxa as regras para a revalidação de diplomas e permite a criação de consórcios para que estados e municípios façam convênios com Cuba para replicar o Mais Médicos.

Veja também a mensagem gravada pela deputada federal e líder do governo na Câmara dos Deputados, Joice Hasselmann, que reafirmou o compromisso de lutar em conjunto com as entidades médicas a defender a saúde da população brasileira. Mas alertou a necessidade da participação de todos.

 

Nos ajude a salvar o Médicos Pelo Brasil. Clique aqui para sensibilizar os parlamentares a reverterem a situação atual, quando o relatório da MPV 890/2019 for para votação no plenário da Câmara. Precisamos mostrar aos parlamentares os riscos que o relatório gera para a saúde da população brasileira. SUA PARTICIPAÇÃO É REALMENTE FUNDAMENTAL!!!

Leia mais detalhes sobre os riscos gerados pelo relatório da MPV 890/2019 para o programa Médicos Pelo Brasil e para a saúde dos brasileiros.

#MPV890 | MÉDICOS PELO BRASIL | VAMOS AOS FATOS?

Há muita desinformação nas redes sociais sobre a medida provisória do Médicos Pelo Brasil (MPV 890/2019). É claro o objetivo de confundir a população e desviar o foco sobre os impactos negativos que o relatório aprovado pela comissão mista traz para a saúde no Brasil.

Por isso, vamos aos fatos. Entenda os riscos das emendas incorporadas ao relatório final elaborado pelo senador Confúcio Moura, cuja suplente é dona e dirigente de faculdade particular.

FATO #1 – Revalida SIM

A AMB sempre foi a favor da realização periódica do Exame Revalida. E defende que o processo seja organizado pelo INEP, custeado pelos inscritos, realizado duas vezes ao ano e funcione como avaliação única dos egressos do exterior ou como etapa classificatória para outros modelos de revalidação definidos pelas universidades públicas.
Saiba mais: https://amb.org.br/noticias/revalida-light-e-placebo/

FATO #2 – Avaliação para todos

A AMB sempre foi a favor de prova de proficiência nacional obrigatória para egressos de escolas de medicina brasileiras, como forma de assegurar que somente profissionais bem preparados, capacitados e avaliados possam atender a população, garantindo assim qualidade e respeito aos pacientes brasileiros.
A demanda por um exame que certifique a capacidade técnica dos formados no Brasil se tornou ainda mais urgente com a abertura indiscriminada de escolas médicas, promovida pelos governos anteriores. Mas esta também não é uma discussão para a MPV 890/2019.
Leia: https://amb.org.br/noticias/amb-quer-exame-nacional-de-proficiencia-em-medicina/.

FATO #3 – Sem CRM é ilegal exercer medicina no Brasil

A AMB é contra qualquer subterfúgio que permita o exercício da medicina sem o devido registro legal no CRM. A legislação e a segurança da saúde da população brasileira precisam ser respeitadas.
A atuação pregressa, de forma irregular, no programa Mais Médicos, no qual não houve avaliação do desempenho técnico dos profissionais, não pode servir de justificativa para manter exercendo a medicina ilegalmente profissionais que não tiveram seus diplomas revalidados.

FATO #4 – Emendas que prejudicam

As emendas referentes a revalidação de diplomas de medicina incluídas e aprovadas no relatório da MPV 890/19 em nada contribuem com o programa Médicos pelo Brasil, cuja finalidade principal é incrementar a prestação de serviços médicos em locais de difícil provimento ou alta vulnerabilidade.

Tratar de revalidação de diplomas neste projeto é uma irresponsabilidade, pois o tema exige regulamentação específica e detalhada para que a legislação não fique inconsistente como a atual, que permite burlas, denunciadas pela AMB.
Além disso, para tratar do Revalida já há um projeto de lei específico em tramitação: https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=2075448.

FATO #5 – Privadas não podem revalidar

A AMB é CONTRA a participação de escolas privadas nos processos de revalidação de diplomas de medicina estrangeiros. Atualmente, não há capacidade para fiscalização destes processos nem mesmo nas entidades públicas. Com o ingresso das privadas, a fiscalização ficaria inviável.

A revalidação de diplomas é um processo de fé pública. E precisa ser feito por agentes do estado. A realização exclusiva por entidades públicas não elimina a possibilidade de fraudes nos processos de revalidação de diplomas, mas inibe, pois os profissionais destas instituições estão sujeitos a legislação específica, como funcionários públicos.

É uma irresponsabilidade e gera muita estranheza modificar a legislação vigente para incluir as universidades privadas no processo de revalidação justamente quando a AMB está denunciando grandes esquemas ilegais e a Polícia Federal aprofunda as investigações da Operação Vagatomia.
Saiba mais: https://amb.org.br/noticias/operacao-vagatomia-da-policia-federal-e-a-ponta-de-um-iceberg/

FATO #6 – Sem repescagem

A AMB é contra a transformação dos cursos de complementação em “etapa alternativa” para burlar a legislação e facilitar a obtenção de diplomas de medicina por profissionais egressos do exterior que foram reprovados em processos de revalidação de diplomas.

Além de subverter dolosamente o propósito original dos cursos de complementação dentro dos processos de revalidação de diplomas de medicina, esta modalidade permite que mesmo quem não conseguir notas suficientes após os estudos complementares seja aprovado ao passar por avaliação de habilidades.

Foto: Ministério da Saúde