I Fórum em Gestão de Associações de Especialidades Médicas acontece em junho

logo

A Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial (ABORL-CCF), com o apoio da Associação Médica Brasileira (AMB), realizará o I FÓRUM EM GESTÃO DE ASSOCIAÇÕES DE ESPECIALIDADES MÉDICAS com o objetivo de fomentar a discussão a respeito dos principais aspectos executivos, jurídicos, administrativos, de comunicação e de eventos comuns às Sociedades de Especialidades reconhecidas pela AMB, bem como compartilhar experiências.

De acordo com Carlos Roberto da Silva, atual diretor executivo da ABORL-CCF e idealizador do projeto, “a peculiaridade de cada área e a sua dificuldade em relação ao mercado clama por uma aproximação e troca de experiências, visando o crescimento acompanhado de qualidade e profissionalismo.  Apesar de um planejamento estratégico diferenciado em cada entidade, entendo que trilhamos os mesmos caminhos na busca da excelência dos serviços aos associados, que gera o aperfeiçoamento do conhecimento, representatividade, e defesa profissional”.

Para essa edição pioneira, foram escolhidos 4 pilares que fazem parte do dia dia da maioria das associações: Administração; Jurídico; Comunicação e Eventos. Cada um desses temas contará com uma mesa de discussão, reunindo profissionais com ampla experiência no assunto para expor e debater o que se tem feito e como melhorar a gestão nas associações de especialidades.

Confira o que cada mesa abordará:

ADMINISTRAÇÃO –  Como administrar seus recursos com qualidade 

JURÍDICO – Segurança jurídica das sociedades de especialidades quanto ao direito público e privado conjuntamente com a Associação Médica Brasileira

 COMUNICAÇÃO – Boas práticas da comunicação nas sociedades de especialidades 

EVENTOS E CURSOS – Aspectos da organização de eventos e suas peculiaridades nas sociedades de especialidades

 

Serviço

Data: 12 de junho de 2015

Horário: das 08 às 12 horas,

Local: Sede da ABORL-CCF – AV. Indianópolis, 1.287, São Paulo/SP

Público Alvo: A participação neste evento é restrita a um representante de cada uma das Sociedades de Especialidades filiadas à Associação Médica Brasileira.

AMB, SBP e FEBRASGO denunciam riscos para gestantes e crianças em proposta do governo

A consulta pública sobre “Diretrizes de Atenção à Gestante: a operação cesariana”, que encerra hoje, 13 de maio, teve prazo exíguo; o relatório de recomendação da Conitec não teve a anuência das entidades médicas e das sociedades de especialidades na elaboração do relatório, ao contrário do que foi divulgado pelo Ministério da Saúde; a proposta apresentada tem grave viés ideológico e negligencia riscos importantes para a saúde da gestante e da criança

A Associação Médica Brasileira (AMB), juntamente com a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) e a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO) enviaram nesta terça-feira, 12 de maio, um ofício para o Ministério da Saúde, repudiando o relatório de recomendação disponibilizado para consulta pública. Além do conteúdo ser tendencioso e inadequado do ponto de vista técnico, as associações acima citadas aparecem erradamente como anuentes do relatório de recomendação. Não houve e não há anuência destas sociedades, ao contrário do que tentam fazer entender, listando-as como parte de Grupo Consultivo.

AMB, SBP e FEBRASGO participaram de algumas discussões em torno do tema com o Ministério da Saúde, dentro de um processo inconcluso e que demandava novas atividades. Causou surpresa a todos os envolvidos a abertura de consulta pública sobre o assunto, utilizando evidências técnicas insuficientes e notadamente direcionado por viés ideológico.

A saúde da gestante e da criança é o principal objetivo a ser perseguido na discussão deste tema. Evidências clínicas precisam ser consideradas utilizando metodologia científica adequada sob pena de distorcer a realidade e influenciar equivocadamente a tomada de decisões sobre a questão.

Dentre os pontos que geram grande discordância está a dispensa do pediatra na sala de parto nas cesarianas,quando não houver risco ao feto ou à gestante.

A literatura científica mundial demonstra claramente que a presença do médico é fator decisivo para a melhor assistência para a gestante e para a criança, com diminuição dos riscos e complicações.

Link para a Consulta Pública 08/2015: http://conitec.gov.br/index.php/consultas-publicas

FEBRASGO_AMB_SBP (1)

Diretor da AMB é destaque em programa na rádio BandNews FM

Dr. Miguel Roberto Jorge, eleito coordenador do Comitê de Assuntos Médicos Sociais, foi entrevistado no em programa apresentado por Paulo Cabral.

Eleito em abril como coordenador do Comitê de Assuntos Médicos Sociais da Associação Médica Mundial (World Medical Association – WMA) o Dr. Miguel Roberto Jorge, atual 2º tesoureiro da AMB (Associação Médica Brasileira), concedeu entrevista programa No Meio do Dia, da rádio BandNews FM, apresentado por Paulo Cabral.

A entrevista foi ao ar no quadro “Mundo Brasileiro”, que semanalmente leva ao ar uma entrevista com algum brasileiro em posição de destaque no exterior nos mais diversos campos da atividade e conhecimento humano: mundo corporativo, artes, ciências, política, medicina, entre outros.

Confira a entrevista no link abaixo:

http://goo.gl/xftzCt

AMRIGS apoia luta das Santas Casas e hospitais filantrópicos

As Santas Casas e os hospitais filantrópicos do Rio Grande do Sul uniram-se, na última quarta-feira (6), para pedir o apoio da comunidade sobre a crítica situação da saúde pública estadual. De outubro de 2014 até agora, 245 instituições de saúde sem fins lucrativos do Rio Grande do Sul deixaram de receber do Governo do Estado mais de R$ 207 milhões, referentes ao co-financiamento estadual do SUS. Esse total equivale a duas parcelas de dívidas referentes ao ano de 2014, no valor de R$ 132 milhões, e três meses de cortes de recursos referentes a 2015, no valor de R$ 75 milhões. Os hospitais filantrópicos arcam com mais de R$ 400 milhões ao ano de prejuízo, que vinha sendo amenizado pelo co-financiamento estadual, que o atual governo deixou de pagar.
O presidente da AMRIGS, Alfredo Floro Cantalice Neto, reafirmou o apoio institucional da associação médica e destacou a importância da mobilização em defesa das Santas Casas e hospitais filantrópicos, responsáveis por 70% dos atendimentos do SUS no Estado, que empregam mais de 65 mil funcionários, abrangendo mais de sete milhões de pessoas. Atualmente, cerca de 8 mil médicos trabalham nesses hospitais. “A AMRIGS vai trabalhar em conjunto com as entidades médicas e hospitalares que apoiam as Santas Casas e hospitais filantrópicos, na defesa do SUS e da sociedade gaúcha”, afirmou Dr. Cantalice.
Para o presidente da Federação das Santas Casas e Hospitais Beneficentes, Religiosos e Filantrópicos do Rio Grande do Sul, Francisco Ferrer, as 245 Santas Casas e Hospitais Filantrópicos, por sua missão, mantiveram o atendimento pleno aos gaúchos, mesmo com o descaso dos entes governamentais. A partir de agora, caso a saúde não seja tratada com a prioridade que precisa, não haverá outra solução a não ser o fechamento de leitos, diminuição da assistência, demissões e outras formas de adequar as instituições à nova realidade de corte de recursos.
No próximo dia 13 de maio, em uma grande manifestação pública em frente ao Palácio Piratini, com a participação de caravanas de todo interior do Estado, Capital e Região Metropolitana, as Santas Casas e Hospitais Filantrópicos entregarão ao Governo dados do redimensionamento assistencial, ou seja, números com redução de serviços prestados por essas entidades, tendo em vista o corte efetuado pelo Governo do Estado.

Hoje é dia do Oftalmologista

A AMB parabeniza todos os profissionais dessa especialidade tão fundamental ao desenvolvimento humano

Hoje, 07 de maio, é comemorado no Brasil, o Dia do Oftalmologista, uma homenagem ao profissional responsável pelo estudo, cuidado e prevenção de doenças ligadas ao sistema ocular.

A origem da data vem da fundação da Sociedade de Oftalmologia de São Paulo, em 07 de maio 1930. No entanto, só foi oficializada como Dia do Oftalmologista, no ano de 1968, em São Paulo, por meio de uma lei de autoria do deputado e médico oftalmologista Antônio Salim Curiati. No Brasil, o dia só veio a fazer parte do calendário nacional em 1986, quando o então ministro da Saúde, Seigo Tsuzuki, editou a portaria nº 398.

A data lembra a importância da consulta periódica ao especialista ocular. Desse modo, é possível identificar e prevenir uma série de problemas comuns à visão. A Organização Mundial da Saúde estima que atualmente o Brasil tem quase 1,2 milhão de cegos, dos quais 60%, ou 700 mil, em números absolutos, poderiam ter a condição evitada ou revertida caso recebessem tratamento adequado a tempo.

Hoje, com o objetivo de ajudar a mudar esse quadro, o Centro Brasileiro de Oftalmologia (CBO) promove o Fórum Nacional de Saúde Ocular, evento que reúne no Senado profissionais da área, parlamentares e autoridades de saúde.

A oftalmologia é uma das especialidades que mais tem evoluído ao longo dos anos. Por exemplo, atualmente, pessoas com astigmatismo podem optar por lentes gelatinosas, muito mais confortáveis dos que as que disponíveis há alguns anos. As cirurgias para correção deste e de outros problemas também avançaram muito. Os avanços na área contribuem muito na excelência do diagnóstico e tratamento de diversos problemas e doenças oculares.

Outro avanço está na inclusão na CBHPM (Classificação Brasileira Hierarquizada de Procedimentos Médicos) de tratamentos e cirurgias que são muito mais personalizados e focados nas necessidades dos pacientes. É o caso dos transplantes lamelares, no qual será possível fazer a cirurgia em apenas parte da córnea, e não mais na sua totalidade, como antes era necessário.

Este novo procedimento garante que se o paciente tiver problema apenas no posterior da córnea, não haverá a necessidade de transplante do anterior e vice-versa. Isso diminui a chance de rejeição e infecção no corpo do transplantado, além de também disponibilizar que a mesma córnea transplantada possa ser doada para mais de uma de pessoa.

É fundamental ressaltar que todos esses avanços se devem à dedicação de inúmeros profissionais dessa importante especialidade médica. A AMB reconhece e parabeniza todos os oftalmologistas do Brasil, por este dia.

É “só alergia”

Frase tão comum para minimizar sintomas de alguma patologia que poderia ser mais grave, pode não significar algo tão insignificante assim para o sistema de saúde dos países mundo afora

O cenário é clássico: coceira, irritação, inchaço e pronto. Surge a dúvida se é alergia ou algo mais grave. Mas quem disse que a primeira opção não é algo grave? Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), somente no Brasil há 35% da população que sofre de algum tipo de alergia. As mais comuns são as respiratórias, que se agravam ainda mais no inverno, mas há também as de pele, alimentares, picadas de insetos, medicamentos, entre outras.

Nas últimas quatro décadas existe um crescimento significativo no número de pessoas infectadas com algum tipo de doença alérgica, que estão relacionadas a fatores genéticos e ambientais, incluindo a exposição aos alérgenos do ar, a poluição e os agentes infecciosos.

Em 2015, a Organização Mundial da Alergia (WAO sigla em inglês) divulgou um relatório que prevê uma população de mais de 400 milhões de pessoas com asma em todo o planeta cerca de 30% e 40% da população mundial têm rinite alérgica, que é uma das manifestações mais frequentes da alergia e acrescentou que cerca de 80% dos pacientes com asma têm rinite alérgica, “porque a mucosa é uma só”.

A incidência está aumentando em função do crescimento da poluição. A asma e a rinite, doenças frequentemente associadas e de alta prevalência em todo o mundo, são as manifestações mais importantes das doenças alérgicas respiratórias, e, portanto, de maior impacto.

Evidentemente que as progressões desta doença representam também investimentos dos sistemas de saúde de cada país, no atendimento destes pacientes. Uma das entidades afiliadas à AMB, a Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (Asbai), publicou brilhantemente em março, durante a Semana Mundial da Alergia, dados alarmantes sobre a despesa que esta patologia tem para o sistema de saúde no Brasil. Só os medicamentos para asma consumiram mais da metade dos recursos de famílias com asmáticos e o custo da doença teve impacto importante na renda familiar (10%). Se todos os asmáticos brasileiros recebessem o mesmo tipo de tratamento, o gasto total estimado da asma estaria entre R$ 13 e 18 bilhões/ano, correspondendo a 0,5% do PIB, ou a 4% do PIB da Saúde.

Em 2007, os gastos do SUS com internações por asma foram de R$ 96 milhões, representando 1,4% do total/ano com todas as doenças.

Em estudo com asmáticos em tratamento na Universidade Estadual do Rio de Janeiro, foi aferido um custo médio (direto e indireto) da asma de quase R$ 2 mil/paciente-ano, com um incremento de 12% para os asmáticos com rinite alérgica associada. O custo da asma foi maior em pacientes que apresentaram sobrepeso/obesidade, nos casos mais graves e com pior controle da doença.

Neste 07 de maio, quando é comemorado o Dia Nacional de Prevenção à Alergias, uma coisa é fato, a próxima vez que se coçar, tiver irritação de pele, ou espirrar e o diagnóstico de que aquilo é “só uma alergia”, pode não ser algo tão insignificante assim para a sua saúde.

IV CONCURSO NACIONAL DE CONTOS E CRÔNICAS DA AMB

IV Concurso Nacional de Contos e Crônicas da AMB

Já estão abertas as inscrições para o IV Concurso Nacional de Contos e Crônicas. Os interessados deverão enviar os trabalhos até o dia 30 de junho de 2015 para a sede da AMB, na rua São Carlos do Pinhal, 324, em São Paulo – SP, CEP 01333-903, aos cuidados do Departamento Cultural.

IV-Concurso

A participação é gratuita, restrita aos associados da Associação Médica Brasileira, que poderão inscrever somente um trabalho por modalidade, com tema livre e inédito, assinado obrigatoriamente por pseudônimo. Os textos devem ser de no máximo duas páginas digitadas, enviados em cinco cópias em envelope único, legível, também identificado por pseudônimo.

Outras informações sobre as inscrições, regras do concurso e premiação poderão ser obtidas pelo e-mail cultural@amb.org.br ou pelo site www.amb.org.br.

 

PREENCHA E RECORTE A FICHA DE INSCRIÇÃO E ENVIE EM ENVELOPE LACRADO

IV CONCURSO NACIONAL DE CONTOS E CRÔNICAS DA AMB

FICHA DE INSCRIÇÃO

 

 

 

NOME COMPLETO:

 

 

SEXO:                                                     DATA NASCIMENTO:                                

 

 

Nº CRM                                                   Nº   ESPECIALIDADE:

 

 

 

ENDEREÇO:                                                                                           CEP:                                        CIDADE:

 

 

FONE:                                                                     PSEUDÔNIMO:

 

 

 

 

NOME DO TRABALHO:

 

 

 

 

  • Estou ciente do regulamento e autorização a publicação do trabalho, por tempo indeterminado, sem ônus para a Associação Médica Brasileira.

 

 

De acordo:    ____________________________________

Assinatura do autor

 

Zika Vírus: a doença que evoluiu na incompetência de uma saúde preventiva eficiente

Patologia tem sintomas parecidos com os da dengue e febre chikungunya e é transmitida pelo mesmo mosquito, mas é menos grave

aedes

No final do mês de março, uma doença, até então desconhecida, assustou a população de Camaçari, na Bahia. Dezenas de pessoas, com sintomas parecidos com os da dengue, procuraram atendimento médico, mas não tiveram um diagnóstico preciso. Exames indicavam que não se tratava de dengue, febre chikungunya, rubéola ou sarampo, mas também não conseguiam apontar com precisão qual patologia era.

Quase um mês se passou e mais casos foram identificados em outros municípios da Bahia, até que os pesquisadores Gúbio Soares e Silvia Sardi, do Instituto de Biologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA), conseguiram identificar o responsável pela doença, através de amostras de sangue de pacientes.  Tratava-se do Zika Vírus.

O Zika Vírus, ou Febre Zika, é transmitido pelo Aedes Aegypt, mesmo mosquito que causa o contágio da febre amarela, dengue e febre chikungunya. Os sintomas são semelhantes aos dessas doenças, porém mais brandos: febre por volta dos 38 graus, dor de cabeça, diarreia, náuseas, dor no corpo e nas articulações. Outros sinais de infecção pelo vírus são: erupções cutâneas acompanhadas de coceira intensa, fotofobia e conjuntivite.

O período de incubação vai de 3 a 12 dias após o contágio. O vírus apresenta baixa letalidade e o próprio organismo humano se encarrega de combatê-lo. O tratamento visa unicamente o alívio dos sintomas por meio de analgésicos, anti-inflamatórios, não-esteroides e antitérmicos que não contenham ácido acetilsalicílico. A infecção, em geral, cessa em até 7 dias.

Entre as principais diferenças da febre chikungunya e do Zika Vírus em relação a dengue, é que, na primeira, o paciente apresenta um quadro com mais dores articulares mais intensas. Enquanto na segunda, a tendência é ter mais manchas vermelhas espalhadas pelo corpo. Por sua vez, a dengue é patologia mais perigosa das três.

História e evolução do vírus

O Zika Vírus foi isolado pela primeira vez na década de 1940, por meio de estudos realizados em macacos da floresta de Zika, em Uganda. Em 1964, na Nigéria, foi identificado pela primeira vez em humanos e de lá se espalhou por outras regiões da África e também da Ásia. Em 2007, foi encontrado pela primeira vez fora desses continentes, em um surto da doença na Oceania.

No Brasil, especialistas trabalham com a hipótese de que o vírus tenha chegado ao país em 2014, trazido por turistas que vieram assistir à Copa do Mundo e desde então passou a ser transmitido pelo Aedes Aegypt.

Não existe vacina para a doença e a única forma de preveni-la é acabar com os focos de reprodução do mosquito transmissor, tarefa que ultimamente não tem obtido êxito, visto a epidemia de dengue que assola várias regiões do Brasil.

 

 

Saúde Preventiva?

Segundo o presidente da Sociedade Brasileira de Infectologia e médico infectologista do Hospital São José de Fortaleza, Dr. Érico Arruda, a principal razão para este quadro é devido às falhas que o Brasil comete quando o assunto é prevenção de doenças: “Temos vários fatores para este desfecho, um deles é a maneira desorganizada de enfrentar as doenças infecciosas. Na saúde preventiva do país, sempre se corre para resolver os problemas de grande repercussão, e não se ataca os demais. Vivemos como bombeiros. Nos deslocamos todos para uma ação, e não conseguimos correr para outras”, analisa.

De acordo com o Dr. Arruda, o que também contribui para a pouca efetividade das políticas de prevenção é o financiamento público insuficiente para dar cobertura a essas questões, falta de saneamento básico e pouca adesão que parte da população tem na prevenção de doenças, devido à falta de educação.

Com relação a estudos científicos sobre o Zika, o Dr. Arruda afirma que provavelmente serão intensificados mundialmente, já que “o vírus agora está se espalhando e chegou a um país de tamanho continental, que faz divisa com diversos países da América do Sul, além de ter muitos turistas na Europa e EUA”.

AMMG sedia quinta edição do Fórum CBHPM

Fórum CBHPM corte

Será realizada no dia 22 de maio, na sede da Associação Médica de Minas Gerais (AMMG), em Belo Horizonte, a quinta edição do Fórum Nacional sobre a Classificação Brasileira Hierarquizada de Procedimentos Médicos (CBHPM). Profissionais de medicina de várias regiões do país e representantes de entidades médicas e setores importantes da saúde suplementar e do estado irão expor a situação dos honorários, desafios e os rumos das negociações em prol da classe.

Os participantes debaterão, dentre alguns temas, sobre ‘O Trabalho e remuneração médica na saúde suplementar, pública e o médico assalariado em geral – Visão da Promotoria Pública; ‘Panorama atual e os rumos da saúde suplementar na visão da Associação Médica Brasileira (AMB), Conselho Federal de Medicina (CFM) e Federação Nacional dos Médicos (Fenam); ‘Câmara Técnica Permanente da CBHPM’, ‘Aspectos jurídicos na utilização da CBHPM: contratualização, judicialização e direitos do consumidor’ e ‘CBHPM no Sistema Único de Saúde (SUS): realidade ou utopia’.

Para o diretor Adjunto de Defesa do Exercício Profissional para Assuntos de Remuneração da AMMG, Juraci Gonçalves de Oliveira, não está mais em pauta a discussão da consolidação e a implementação da CBHPM. “A ênfase deste Fórum é trazer a baila a importância da classificação como referencial ético de remuneração médica. Vamos ter exposições que irão tratar da visão jurídica, por parte dos órgãos reguladores, do ministério público e de defesa do consumidor em relação ao tema”, enfatiza o médico.

Outro ponto alto dos debates será a Lei de nº 13.003, de julho de 2014, e que entrou em vigor no final do ano, que fala da obrigatoriedade da existência de contratos escritos entre as operadoras e seus prestadores de serviços.

O encontro é uma promoção da Comissão Estadual de Honorários Médicos de Minas Gerais (CEHM), composta pela Associação Médica de Minas Gerais (AMMG), Conselho Regional de Medicina de Minas Gerais (CRM MG), Federação Nacional das Cooperativas Médicas (Fencom) e Sindicato dos Médicos de Minas Gerais (Sinmed MG). A inscrição é gratuita e pode ser feita pelo e-mail: comissaodehonorarios@ammgmail.org.br ou pelo telefone (31) 32471619. Confira a programação no site: www.ammg.orgbr.

 

V Fórum Nacional sobre CBHPM

Data: 22 de maio

Horário: 8h30 às 17h.

Local: Associação Médica de Minas Gerais (AMMG). Avenida João Pinheiro, 161, Centro. Belo Horizonte/MG

Mais informações: (31) 3247 1619 ou www.ammg.orgbr. Inscrições gratuitas.