Arquivos Federadas da AMB - AMB

PRESIDENTE DA AMB REÚNE-SE COM MÉDICOS EM SÃO LUÍS.

 

Na quarta feira, 08 de agosto, os médicos do Maranhão receberam o presidente da Associação Medica Brasileira (AMB), Dr. Lincoln Ferreira, em um jantar de confraternização onde o convidado proferiu palestra sobre a atuação da AMB em defesa da saúde e da medicina.

Entre os temas abordados estão: a abertura indiscriminada de escolas médicas; a valorização do título de especialista, para que a população tenha certeza de estar sendo atendida por um profissional realmente capacitado e o projeto da adoção do teste de proficiência para recebimento do grau de médico, a exemplo do que já ocorre com os advogados.

“A AMB é as suas Federadas, por isso encontros como este são relevantes, para estramos em sintonia. Ter fóruns para trazer informações e receber feedback e sugestões é de suma importância ”, afirmou Lincoln.

O presidente da Associação Medica do Maranhão, Dr Mauro César Oliveira deu as boas vindas ao palestrante e agradeceu a presença considerável dos médicos ao evento. “ Houve uma boa participação da classe médica, com muitos presidentes de Sociedades de Especialidades, representantes de hospitais, representantes de acadêmicos de medicina  e coordenação da Comissão Estadual de Residência Medica”.

LINCOLN FERREIRA, PRESIDENTE DA AMB PARTICIPOU DA ABERTURA DO COSAMPI

De 9 a 11 de agosto médicos e acadêmicos de Medicina estão reunidos para o COSAMPI, Congresso Médico da AMB-PI, que simultaneamente realiza o II International Medical Conference of Piauí, o XVI Congresso Médico do Piauí, o IV Congresso da SAMPI e a I CONFERÊNCIA Regional NE dos Estudantes de Medicina.

Dr Lincoln, esteve presente à abertura do evento e parabeniza a organização “pela impecável estrutura que contribui para o aperfeiçoamento do médico e a formação do acadêmico da região”.

O evento conta com palestras científicas, com palestrantes nacionais e internacionais, com 21 especialidades médicas abordadas, além de cursos práticos e apresentações de trabalhos científicos.
http://cosampi.org.br/

SOMERJ FAZ REUNIÃO DO CONSELHO DELIBERATIVO E DIRETORIA PLENA

 

 

Acontece agora pela manhã, no Auditório da Unimed Centro Sul Fluminense, a Reunião do Conselho Deliberativo e Diretoria Plena da Associação Médica do Estado do Rio de Janeiro (SOMERJ), presidida por Benjamin Baptista de Almeida.

Lincoln Lopes Ferreira, presidente da Associação Médica Brasileira e Jorge Darze, presidente da Federação Nacional dos Médicos, estão presentes à reunião da Federada da AMB, neste momento importante da história do associativismo médico, quando a união das entidades é necessária para que se defenda a construção de uma representatividade no Congresso que esteja comprometida com os interesses da Medicina e da Saúde, como ao Exame Nacional de Proficiência em Medicina e a Carreira de Medico de Estado.

 

VICE-PRESIDENTE DA AMB, DIOGO SAMPAIO, PALESTRA NO SEMINÁRIO CICLO DE DEBATES DA ABM E ACADEMIA DE MEDICINA DA BAHIA

 

 

Diogo Sampaio abordou em sua palestra as consequências da abertura indiscriminadas de novos cursos de medicina no Brasil

Discussões acerca da multiplicação dos cursos de Medicina foram a tônica de seminário realizado pela ABM (Associação Bahiana de Medicina) e Academia de Medicina da Bahia. O evento, aberto ao público, ocorreu na sexta-feira  (27) como parte das comemorações pelos 60 anos da Academia de Medicina da Bahia.

O seminário “Consequências da abertura de novos cursos de Medicina no Brasil” foi aberto pelo presidente da entidade, Dr. Antônio Carlos Vieira Lopes, e a moderação com o acadêmico Roberto Badaró.

A visão da Associação Medica Brasileira (AMB) foi demonstrada pelo vice-presidente da entidade, Dr. Diogo Sampaio. O vice-presidente também mostrou que houve crescimento exponencial dos cursos e do número de matrículas. “A manutenção de escolas ruins tem como efeito a manutenção da formação ruim e a liberação ao exercício de médicos de péssima qualidade”, ressaltou. Sampaio destacou a importância do Exame Nacional de Proficiência em Medicina, da Carreira Médica de Estado e da Frente Parlamentar da Medicina.

 

Já o presidente da Associação Bahiana de Medicina (ABM), Dr. Robson Moura, afirmou que os médicos se opõem à forma irresponsável e indiscriminada de criação dos cursos de Medicina no Brasil. “Eu defendo a minha saúde, da minha família e do meu povo. Os gestores públicos não serão atendidos por estes médicos, mas pela elite da Medicina. A grande discussão aqui é a qualidade”, destacou. Ele classificou ainda como “frouxo” o edital do MEC. “A AMB fez relatórios apontando as lacunas, mas todas essas faculdades avaliadas irão abrir. Esses médicos malformados estão em todos os lugares”. E salientou ainda a importância do Exame de Proficiência Médica. “Parabenizo a iniciativa. Quem está aqui dedicou seu tempo à saúde da população”, finalizou.

 

O seminário foi divido em exposições ao longo da manhã. Teve início com a Academia de Medicina da Bahia, através do acadêmico Dr. Raymundo Paraná, que, entre outros pontos, abordou a importância da qualidade da formação, tecendo um comparativo entre qualidade e quantidade. Em seguida, falando sobre a “diretoria de desenvolvimento da educação em saúde”, esteve Dr. Evandro Guimarães de Souza, avaliador do Ministério da Educação e Cultura, que mostrou números das escolas médicas no País, quantidade de ingressantes, vagas para ingressantes, etc. Representando o magnífico Reitor da Universidade Federal da Bahia (UFBA), o Prof. Fernando Adan, que é diretor da Faculdade de Medicina da UFBA, contou falou sobre a história e situação das escolas médicas na Bahia. “Houve um aumento exponencial”, destacou.

 

O secretário-geral do Conselho Federal de Medicina (CFM), Dr. Henrique Batista, mostrou que a profissão de médico é a que desperta maior confiança entre os brasileiros, segundo pesquisa feita pelo CFM e Datafolha em 2016. Falou ainda sobre o aumento acelerado dos cursos e vagas dos cursos de Medicina e os efeitos disso na qualidade da educação médica. Ele mostrou que, em quatro anos e meio, foi aberto o mesmo número de escolas de quase dois séculos e apresentou a radiografia das escolas médicas no Brasil: a mensalidade mais baixa gira em torno de R$3 mil e a mais alta beira os R$13 mil.

 

Feita as exposições, o moderador Dr. Roberto Badaró teceu um riquíssimo resumo das apresentações de cada um dos expositores e abriu espaço para comentários acerca do tema. A primeira a comentar foi a presidente do Conselho Federal de Medicina (CREMEB-BA), Dra. Teresa Maltez, que parabenizou a iniciativa. “As apresentações foram abrangentes e trazem o que tem nos preocupado na condição de Conselho: a falta de estrutura de alguns cursos, o endividamento dos egressos das Faculdades, médicos sobrecarregados com inúmeros vínculos de trabalho e aumento do número de acidentes de trânsito envolvendo médicos”, pontuou.

 

A diretora da Escola Bahiana de Medicina, Dra. Maria Luisa Soliani, representando a Associação Brasileira de Educação Médica, afirmou que a ABEM sempre se posicionou em busca de qualidade. “Ela teve papel importante em todos os momentos e tem se feito presente nas discussões. Há uma explosão de escolas médicas e essa abertura sempre esteve ligada a influências políticas e econômicas”. Soliani reforçou que o crescimento tem sido exponencial. “Teria sido melhor se as escolas se localizassem onde realmente são necessárias, influenciando o crescimento econômico e social das regiões. Temos que nos questionar o seguinte: dentro do nosso modelo de saúde, quantos médicos precisamos? ”, indagou.

 

Ao final do evento, representantes de diretórios acadêmicos também comentaram o debate. Com as discussões que foram tecidas durante o evento, uma carta está sendo redigida e será submetida à aprovação das assembleias, para posterior publicação dentro dos próximos 15 dias.

 

NÃO VACINAR É UM ATO IRRESPONSÁVEL

O avanço de grupos contrários a vacinação não apenas surpreende a todos nós, médicos, como nos traz uma certa perplexidade. O movimento disseminado principalmente nas redes sociais já vem sendo apontado como a principal causa de surto de sarampo na Europa e pode colocar em risco, doenças que já estavam erradicadas no Brasil, ou que tiveram seus índices radicalmente reduzidos graças a ações permanentes de imunização.

Sugerimos aos pais da geração de 20 a 40 anos que conversem com seus pais e avós para que ouçam o histórico de mortes e sequelas irreversíveis em períodos passados que foram causados por doenças como paralisia infantil, rubéola congênita, sarampo, entre outras.

Os grupos são impulsionados por meio das redes sociais que divulgam, sem base científica nenhuma, supostos efeitos colaterais das vacinas. O risco de retorno dessas doenças é altíssimo no momento em que se reduz a cobertura vacinal, ainda mais diante de um quadro econômico e cultural, no qual as pessoas costumam fazer muitos deslocamentos não apenas entre estados, mas em diferentes países. Assim, o risco de uma família que opta por não se vacinar, não se limita ao ciclo de convívio, mas expõe uma população inteira ao risco de contaminação.

Criado há mais de 40 anos, o Programa Nacional de Imunizações é responsável por uma considerável redução dos óbitos por doenças imunoprevenível. A varíola foi erradicada em 1973, a poliomielite em 1989 e a febre amarela em 1942. Houve controle do sarampo, tétano e difteria. O processo de imigração, especialmente de países como Venezuela, trouxe novos casos e acende o sinal de alerta para uma importância ainda maior da vacinação.

Recentemente, observamos a pouca procura da população pela aplicação da vacina contra a gripe, mesmo nos grupos considerados de risco, mesmo sabendo da sua importância na prevenção de casos mais raros.

Assim como o Ministério da Saúde, a Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul (SPRS) dispõe de um calendário completo de vacinação e todo médico pediatra está habilitado a prestar os devidos esclarecimentos e informações a respeito das imunizações que precisam ser feitas em cada etapa do desenvolvimento da criança.

Para reverter a subutilização dessa ferramenta tão segura e eficaz e proteger a população dos sofrimentos causados pelas enfermidades infecciosas, é fundamental conscientizar permanentemente a população, não se vacinar é um ato irresponsável e que coloca a saúde de toda a população em risco.

Presidente da AMRIGS, Alfredo Floro Cantalice Neto

Vice-Presidente da Região Sul da AMB

ENEM 2018 – RESULTADOS

Entidades médicas reuniram-se na tarde desta quarta-feira, 11/07, para avaliar o ENEM realizado no final de junho e definir detalhes sobre o lançamento do relatório de divulgação dos resultados, que acontecerá em 2 de agosto.

Estiverem presentes na sede do CFM, o presidente da autarquia, Carlos Vital, o presidente da FENAM, Jorge Darze, o coordenador do ENEM, Donizetti Dimer Giamberardino Filho, além do presidente da AMB, Lincoln Ferreira.

VITÓRIA SEDIA REUNIÃO DO CONSELHO DELIBERATIVO DA AMB

Nesta sexta-feira (15) a Associação Médica Brasileira (AMB) realiza Reunião do Conselho Deliberativo com suas Federadas e Sociedades de Especialidade em Vitória, discutindo importantes temas como o Exame Nacional Obrigatório de Proficiência em Medicina para os recém-formados, a moratória de novos cursos de medicina e o Revalida.

No encontro, José Bonamigo, segundo tesoureiro da AMB, apresentará um relatório de vistoria das cidades candidatadas a receberem novas faculdade de medicina.

A Reunião do Conselho Deliberativo da AMB é um espaço para a discussão dos principais assuntos na medicina atual. Pautas como o ENEM (Encontro Nacional das Entidades Médicas); o resultado da reunião realizadas na AMB com os médicos candidatos ao parlamento; Lei do Retorno em 60 dias/Lei Agressão ao Médico; controle de receituários versus autonomia do ato médico e WMA/Confemel (World Medical Association/ Confederação Médica Latino-Ibero-Americana e do Caribe) também estarão em debate.

FOGOS DE ARTIFÍCIO PODEM CAUSAR SURDEZ

O uso dos fogos de artifício nas tradicionais festas juninas, celebrações de eventos esportivos e réveillon, representam riscos à saúde, pois, se manuseados sem às devidas orientações técnicas, podem causar acidentes, como queimaduras e amputações.

A imprudência também trazer sérias consequências para a audição, devido a alta exposição dos ruídos da explosão, podendo causar danos irreversíveis e até surdez.

Barulhos muito altos, podem romper os tímpanos, causar perda auditiva temporária ou permanente.

A perda auditiva severa pode trazer inúmeras dificuldades e reduzir a qualidade de vida.

Mantenha distância segura do lançamento dos fogos.

Utilize protetores auriculares.

Evite acidentes com fogos de artifício!

Faça o uso seguro e mantenham as crianças longe de fogos de artifício.

Essa é uma campanha conjunta do Conselho Federal de Medicina – CFM, da Sociedade Brasileira de Cirurgia da Mão – SBCM e da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia – SBOT, com o apoio do Ministério da Saúde e da Associação Médica Brasileira.

FEDERADA DE RONDÔNIA TEM NOVA DIRETORIA

Nova diretoria toma posse nesta quarta-feira, 06/06, na Associação Médica Brasileira de Rondônia (AMB/RO).

O presidente da AMB, Lincoln Ferreira vai participar da posse da nova diretoria da AMB/RO, em Porto Velho, capital de Rondônia.

DIRETORIA EXECUTIVA

Presidente – Dr. Aparício Carvalho de Moraes,
Vice-Presidente Dr. Rodrigo Pascoal Azevedo,
Secretária-Geral Dra. Julieta Schneider Catani,
1º Secretário Dr. Andrei Leonardo Freitas de Oliveira,
1º Tesoureiro Dr. Roberto Melo De Mesquita,
2º Tesoureiro Dr. Jose Odair Ferrari,

DIRETORA DE DEFESA PROFISSIONAL 

Drª Flavia Lenzy
Diretor Científico Dr. Raitany Costa de Almeida,
Diretor de Benefícios Dr. Maria das Graças Guedes de França,
Diretor de Comunicação e Marketing Dr. Cleiton Cassio Bach,
Diretor de Assuntos do Interior Dr. Antonio Augusto Neves Junior,

MEMBROS DO CONSELHO FISCAL

Titulares:
Dra Ana Ellen Santiago,
Drª Maria da Conceição Ribeiro Simões
Drª Lourdes Maria Pinheiro Borzacov.
Suplentes:
Dr. Robinson Cardoso Machado Yaluzan,
Dr. L’U Nogueira Cabral
Dr. Sebastião Ferreira Campos.

Delegado da AMB/RO perante a AMB

Dr. Luiz Augusto Rodrigues Nogueira
Suplente – Dra Renata Andrade Pavan
A Associação Médica Brasileira de Rondônia – AMB/RO fica na Av. dos Imigrantes, 3414 – Liberdade – Porto Velho – RO. Cep: 76803-850
Tel: (69) 3217-0500
e-mail: ambrondonia@gmail.com

Acidentes com fogos de artifício provocam graves queimaduras

Queimaduras por fogos de artifício e por líquidos quentes são as mais comuns nessa época. Além da dor, algumas queimaduras deixam sequelas pelo resto da vida.

As queimaduras destroem de forma parcial ou total as camadas da pele, podendo atingir até mesmo partes mais profundas, como tecido celular subcutâneo, músculos, tendões, nervos e ossos. As queimaduras são classificadas de acordo com a sua profundidade e tamanho, sendo geralmente mensuradas pelo percentual da superfície corporal acometida.

Nunca se automedique, procure por um Centro de saúde especializado.

Acione o Corpo de Bombeiros pelo telefone 193 ou o SAMU de sua cidade pelo 192.

Lave queimaduras com água fria ou soro fisiológico e envolva com um pano úmido.

Evite acidentes com fogos de artifício!

Faça o uso seguro e mantenham as crianças longe de fogos de artifício.

Essa é uma campanha conjunta do Conselho Federal de Medicina – CFM, da Sociedade Brasileira de Cirurgia da Mão – SBCM e da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia – SBOT, com o apoio do Ministério da Saúde E e da Associação Médica Brasileira.