Congresso Brasileiro de Medicina do Tráfego iniciou hoje, em Gramado

O 11º Congresso Brasileiro Sobre Acidentes e Medicina de Tráfego, que iniciou na manhã desta quinta-feira (10), segue até o próximo domingo (13), teve como uma das primeiras atividades do evento a simulação de atendimento a um acidente de automóvel.

Chamar a atenção das pessoas, buscando conscientizá-las a respeito de dirigir com cautela foi o objetivo maior da ação, que aconteceu nas imediações da Unimed, na Av. das Hortênsias, entre Gramado e Canela.

A ação de simulação de salvamento veicular, sob coordenação do Comandante do Corpo de Bombeiros de Gramado Capitão Maurício Ferro Corrêa, contou com a participação de oito bombeiros, de Gramado e Canela,  e salvou duas vítimas, presas às ferragens. Este trabalho requer qualificação profissional e preparo psicológico para que as pessoas possam ser retiradas das ferragens sem serem ainda mais machucadas e então removidas ao hospital.

Na simulação apresentada foram desencarceradas as portas do automóvel para retirada das vítimas, sendo que a em estado mais grave foi removida pelo helicóptero da Uniair.

De quinta a domingo, das 9h às 17h, a Associação Brasileira de Medicina do Tráfego (Abramet), realizadora do Congresso, em parceria com a Porto Seguro Auto também oportunizará um importante serviço, gratuito, para a comunidade: inspeção veicular, com alta tecnologia, que reduz sensivelmente os riscos de acidentes, no Ginasio de Esportes Perinão, que fica na Av. Borges de Medeiros, 3940, em Gramado. Nesse check-up, os técnicos da Porto Seguro, analisam em apenas oito minutos, e com muita precisão diversos itens, em especial os que afetam a segurança.

O Congresso Brasileiro Sobre Acidentes e Medicina de Tráfego, tem caráter científico e contará com a presença de profissionais de renome em diversas áreas da saúde, autoridades, entidades e órgãos ligados ao trânsito que, até domingo, estarão debatendo e trocando experiências em prol de um trânsito mais seguro e da prevenção de acidentes.

Oportunidade de qualificação profissional também está a disposição dos participantes com cursos e workshops.

A realização do 11º Congresso Brasileiro Sobre Acidentes e Medicina de Tráfego é da Associação Brasileira de Medicina de Tráfego, com organização daRossi e Zorzanello Feiras e Empreendimentos e ocorre no Wish Serrano Resort, em Gramado/RS.

Médicos peritos do INSS entram em greve

Desde a manhã de sexta-feira, 4/9, os médicos peritos do INSS entraram em greve, por tempo indeterminado. A categoria entra em greve dois meses depois dos funcionários administrativos do INSS. Dos mais de 4.500 médicos peritos que atuam em todo o país, somente 30% continuarão trabalhando, garantindo a prestação mínima de serviços.

A pauta de reivindicações é ampla, na qual destaca-se: solução para os prédios do INSS onde a população é atendida e, na sua maioria, estão condenados, ou não possuem “habite-se”; recomposição do quadro médico, que atualmente não é suficiente para atender a demanda existente e causa longas filas de espera à população; recomposição salarial.

“Estamos tentando negociar com o governo desde o início do ano, mas sequer somos recebidos. A situação chegou a um ponto insustentável. Não há mais como trabalhar nestas condições sem a menor perspectiva de nossas reivindicações serem atendidas. É um desrespeito total com a categoria e com a população que acaba tendo um serviço aquém do que deseja e merece”, reclama Francisco Cardoso Alves, Presidente da Associação Nacional dos Médicos Peritos da Previdência Social.

Mais uma vez fica clara a total falta de valorização do governo federal com a classe médica e total despreocupação com qualidade dos serviços prestados à população brasileira. Como no SUS, não há zelo pelo atendimento e pela satisfação com o serviço prestado.

Para Florentino Cardoso, presidente da Associação Médica Brasileira, a situação é lamentável e os médicos peritos necessitam do apoio de todos os médicos brasileiros: “É triste, mas não nos surpreende. Valorizar a carreira de médicos peritos não gera dividendos políticos e nem gera possibilidade de propagandas bonitas para o governo. A AMB apoia a pauta de reivindicações dos médicos peritos. É preciso dignidade e valorização profissional, principalmente para quem tem atividade tão crítica para definição na concessão de benefícios da Previdência Social. É incompreensível que o governo não entenda a importância estratégica que estes profissionais têm para gestão pública”.

A paralisação deve afetar concessão e renovação de benefícios por incapacidade, como auxílio-doença e aposentadoria por invalidez. Mensalmente quase 1,5 milhão de pessoas são atendidas nas agências do INSS.

Alguns pedidos de aposentadoria já foram remarcados para ano que vem. A greve dos médicos peritos deve atingir serviços como: aposentadoria especial, por invalidez e deficiente; aumento de 25% para aposentado que precisa de acompanhamento; auxílio acidente e desconto do Imposto de Renda para doenças graves.

Atualmente, mais de 4.500 médicos peritos são responsáveis pelo atendimento de quase 1,5 milhão pessoas por mês em todo território nacional.

Nota de Esclarecimento da Sociedade Brasileira de Cardiologia

Considerando informações infundadas divulgadas nas últimas semanas que contrariam o conhecimento científico atual sobre o papel de algumas gorduras na saúde cardiovascular, o Departamento de Aterosclerose da Sociedade Brasileira de Cardiologia e a Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo comunicam oficialmente que:
1-Não há dúvidas sobre o papel do colesterol sanguíneo como fator de risco independente para doenças cardiovasculares, fato comprovado por estudos experimentais, epidemiológicos, genéticos e de intervenção. O adequado controle do colesterol é recomendado por diretrizes nacionais e internacionais de sociedades médicas, de nutrição, órgãos governamentais e a Organização Mundial da Saúde.
2-A dieta influencia nos valores do colesterol do sangue, sendo que a alimentação adequada faz parte de qualquer estratégia de prevenção das doenças cardiovasculares.
3-Padrões nutricionais em que há baixo consumo de açúcar, ausência de gorduras trans, baixo consumo de gorduras saturadas, consumo adequado de gorduras mono e polinsaturadas, grãos integrais, fibras, frutas, hortaliças e adequado consumo de sódio associam-se em estudos epidemiológicos e de intervenção com diminuição do risco de problemas cardiovasculares como infartos do miocárdio e acidentes vasculares cerebrais.
4-Alimentos que aumentam as concentrações do colesterol no sangue devem ser consumidos com parcimônia visando a prevenção da doença cardiovascular.
5-Até o momento não há evidência científica robusta que justifique a mudança nas recomendações vigentes sendo que enfatiza-se o consumo de quantidades adequadas de óleos de soja, canola e oliva para manutenção adequada dos valores do colesterol do sangue. Não se recomenda o consumo rotineiro da gordura do coco para prevenção da obesidade ou das doenças cardiovasculares.
6-À medida em que novas evidências de boa qualidade científica forem produzidas, as recomendações podem ser modificadas.

Dr. José Rocha Faria Neto
Presidente do Departamento de Aterosclerose da Sociedade Brasileira de Cardiologia
Dr. Francisco Antonio Helfenstein Fonseca
Presidente da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo

# Mais informações para a imprensa (11) 5533-8781 com Luchetti

Dr. Miguel Srougi disseca o Mais Médicos

Em artigo publicado na Folha de São Paulo deste domingo, 6/9, Miguel Srougi, professor titular de urologia da Faculdade de Medicina da USP disseca o Mais Médicos e deixa claro a panaceia que é o programa, repleto de premissas estratégicas equivocadas e resultados superestimados.

Clique aqui e veja.

Mandetta convoca os médicos para uma participação mais efetiva nas atividades que envolvem as decisões sobre a saúde

Toda negociação com o governo, que resultou na criação de um novo decreto que substituirá o 8.497/2015, só foi possível graças ao envolvimento dos deputados que fizeram parte do Grupo de Trabalho formado no dia 12/08, por determinação do presidente da Câmara dos Deputados.

O deputado federal Luiz Henrique Mandetta (MS) foi um dos apoiadores de primeira hora dos médicos na defesa da qualidade na formação do especialista no Brasil. Sensibilizado com os danos que o decreto 8.497 causariam à saúde do País, Mandetta foi o autor do Projeto de Decreto Legislativo 157/2015, fundamental para que o governo propusesse um acordo para construção de um novo decreto em consenso com a classe médica e os deputados.

No vídeo abaixo, ele convoca os médicos para uma participação mais efetiva nas atividades que envolvem as decisões sobre a saúde.

Novo decreto ainda aguarda assinatura da Presidência da República e deve ser publicado nos próximos 15 dias

Lideranças das entidades médicas se reuniram na manhã desta quarta-feira, dia 26 de agosto, com a Presidência da Câmara dos Deputados, para apresentar o texto final acordado com governo para substituição do Decreto 8.497/2015. O novo decreto ainda aguarda assinatura da Presidência da República e deve ser publicado nos próximos 15 dias.

No vídeo abaixo, Eduardo Cunha (presidente da Câmara dos Deputados), Carlos Vital (presidente do Conselho Federal de Medicina) e Florentino Cardoso (presidente da Associação Médica Brasileira) falam sobre o debate em torno do tema e a criação do novo decreto, uma vitória para a saúde brasileira.

Cursos de medicina sem estrutura crescem e chegam a custar R$ 7 mil

Matéria veiculada no Fantástico (TV Globo), neste domingo (23/8) mostra de forma pormenorizada, com casos e estatísticas, o que há muito a Associação Médica Brasileira (AMB) vem alertando: o caos gerado pela criação indiscriminada de faculdades de medicina no País. “É mais um exemplo de uma política equivocada para a saúde no Brasil. Esse governo acredita que pode resolver problemas estruturais com uma canetada, sem discutir com quem conhece formação médica”, critica Florentino Cardoso, presidente da AMB.

Quando as primeiras turmas das novas escolas se formarem, o Brasil passará a ter uma relação de médico por habitante superior à registrada na Europa. “Infelizmente não teremos uma saúde melhor do que temos hoje, porque mais uma vez o foco do governo é quantidade, sem preocupação com qualidade”, lamenta Florentino.

Mesmo com esta perspectiva de aumento exponencial no número de médicos, novas faculdades seguem sendo abertas e nada se faz para melhorar a qualidade das escolas já existentes, a fim de garantir que a população seja atendida por médicos capacitados e bem preparados para desenvolver suas atividades.

Assista. É alarmante. Dá medo.

http://g1.globo.com/fantastico/noticia/2015/08/cursos-de-medicina-sem-estrutura-crescem-e-chegam-custar-r-7-mil.html

Acidentes de Trânsito apresentam números e custos altos

Médicos da Abramet e outros profissionais estarão, em Gramado/RS, discutindo o tema e buscando soluções.

O Congresso Brasileiro sobre Acidentes e Medicina do Tráfego, que ocorrerá em Gramado de 10 a 13 de setembro, irá discutir e definir ações para a diminuição de acidentes de trânsito no Brasil.

O diretor científico da Abramet/RS (Associação Brasileira de Medicina do Tráfego), o médico Ricardo Hegele questiona: “Educação ou punição? Por quanto tempo teremos que contar as vítimas deste trânsito caótico, que mata?” E ainda afirma: “Precisamos unir o Governo, as entidades e a sociedade, para que nos convençamos de que precisamos mudar esta realidade.”

Acidente de trânsito é a segunda maior causa de morte no Brasil, sendo que nosso país é o quinto do mundo neste ranking, precedido por Índia, China, EUA e Rússia.

Cerca de 45 mil pessoas perdem a vida em acidente de trânsito. Além das mortes, outro problema grave são as internações e demoradas recuperações, na maioria das vezes, causando despesas consideráveis ao Governo, que acaba deixando de investir em outros programas de saúde. De 2008 a 2013, o número de internações devido a acidentes de transporte terrestre aumentou 72,4%. Em 2013, o SUS registrou 170.805 internações por acidentes de trânsito e R$ 231 milhões foram gastos no atendimento às vitimas. Esse valor não inclui custos com reabilitação, medicação e o impacto em outras áreas da saúde.

Até 70% dos serviços de emergência do país são ocupados por vítimas de acidentes de trânsito. As fatalidades e lesões do trânsito têm um alto preço físico, emocional, social e financeiro que atinge as vítimas, familiares e pessoas próximas. Muitos pacientes ficam com sequelas permanentes com alto impacto no restante de sua vida e os custos dos acidentes de trânsito representam cerca de 2% do PIB do Brasil.

De acordo com a Pesquisa Nacional de Saúde (PNS), realizada em parceria com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2014, 24% dos motoristas do Brasil dizem associar ou já ter associado álcool e direção. Ainda segundo a PNS, metade da população (49,8%) admite nem sempre usar o cinto de segurança no banco de trás dos veículos. Nas áreas rurais do país, 41% afirmam que nem sempre usam capacete quando estão na garupa das motos.

O 11º Congresso Brasileiro Sobre Acidentes e Medicina de Tráfego ocorrerá de 9 a 13 de setembro de 2015, no Wish Serrano Resort, em Gramado/RS, com palestrantes de renome

Desde a sua fundação, em 1980, a Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (Abramet) congrega os especialistas em Medicina de Tráfego desenvolvendo ações, estudos e pesquisas visando à prevenção de acidentes decorrentes da mobilidade humana, procurando evitá-los ou mitigar a dor por eles provocada. Por isso, a importância da realização de reuniões de caráter científico, tais como congressos, simpósios e cursos de atualização.

A realização do 11º Congresso Brasileiro Sobre Acidentes e Medicina de Tráfego é da Associação Brasileira de Medicina de Tráfego e organização da Rossi e Zorzanello Feiras e Empreendimentos.  Mais informações sabrina@rossiezorzanello.com.br.

Fonte: portalsaude.saude.gov.br e portal.cfm.org.br

Simpósio – Ensino Médico e Especialidades Médicas

Organização: Academia Nacional de Medicina & Associação Médica Brasileira

Dia 03 de setembro – 5ª feira

ACADEMIA NACIONAL DE MEDICINA

Av. General Justo, 365, 7º.andar, Centro, Rio de Janeiro

 

15:00 – Abertura: Presidentes ANM & AMB

 

15:15 – História e evolução da especialização em medicina (Residência Médica) – 25 min

Prof. Evandro G. de Sousa – Universidade Federal de Uberlândia

 

15:40 – A regulação e seu impacto – Avanços e retrocessos com a regulação, antes do “Mais Médicos”, depois do “PROVAB”, do “Mais Médicos”, e do “Mais Especialistas”– 25 min

Prof. Adnan Neser – Comissão Estadual de Residência Médica (SP)

 

16:05 – A AMB, a educação médica continuada e a qualificação dos médicos brasileiros – 25 min

Prof. Edmund Baracat – USP

 

16:30-17:00 – Discussão

 

17:00-18:00 – Chá Acadêmico – Conversa informal entre os participantes

 

18:00 – Palestra – Programa Mais Médicos e Mais Especialistas

Prof. Florentino Cardoso – Presidente AMB – 30 min

Debatedores: Acad. José Gomes Temporão e Acad. José Luiz Amaral