REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DO CONSELHO CIENTÍFICO DA AMB DISCUTE RESOLUÇÃO SOBRE TELEMEDICINA

Começou há pouco a Reunião Extraordinária do Conselho Científico da Associação Médica Brasileira, para tratar sobre a resolução nº 2.227/18, publicação do CFM que busca definir a telemedicina e a teleconsulta no país.

O Conselho Científico é composto pelas 54 Sociedades de Especialidade filiadas à AMB, e nesta reunião, extraordinariamente, conta com a presença do CFM e das federadas da AMB.

O trabalho foi aberto pelo presidente da AMB, Lincoln Lopes Ferreira, e na composição da mesa ainda se encontram Antonio Carlos Palandri Chagas, diretor científico da AMB, Antonio Jorge Salomão, secretário geral da AMB, além do presidente do CFM, Carlos Vital Tavares Corrêa Lima, do vice-presidente, Mauro Luiz de Britto Ribeiro, e do conselheiro federal e relator da resolução, Aldemir Soares.

NOTA DE APOIO À ASSOCIAÇÃO MÉDICA CEARENSE

 

Justíssima e pertinente a preocupação da Associação Médica Cearense. Conta com total apoio da AMB, que convocou Reunião Extraordinária do Conselho Científico da entidade para esta terça-feira, 19/2, em São Paulo.

É fundamental que a regulamentação do uso da tecnologia seja feita de forma a resolver os problemas e dificuldades que hoje existem no atendimento aos pacientes. Mas não pode, de forma alguma, significar um retrocesso na relação entre médico e paciente, como claramente acontece neste caso, onde há disponibilidade de especialista local e ocorre uma substituição por atendimento remoto, com evidente motivação financeira e não técnica.

A AMB irá buscar sempre soluções que permitam gerar melhoria das condições de trabalho do médico e maior qualidade no atendimento da população, norte que guia a atuação da entidade.

MINISTRO DA SAÚDE E FPMed FALAM SOBRE CARREIRA DE MÉDICO DE ESTADO

O Ministro da Saúde, Henrique Mandetta, participou de evento de confraternização das entidades médicas com a Frente Parlamentar da Medicina, presidida pelo Deputado Hiran Gonçalves, realizado nesta quarta-feira (13/02) na sede da Associação Médica de Brasília. O evento teve a organização a cargo de José Luiz Dantas Mestrinho, Coordenador do Instituto Brasil de Medicina (IBDM).

“A presença de Mandetta prestigiando o evento reforça a sua atenção à pauta das entidades médicas e oportunizou o agradecimento ao seu trabalho como primeiro presidente da FPMed”, comenta Lincoln Lopes Ferreira, presidente da AMB. “Agradecemos ao Mestrinho pela primorosa organização que contribuiu para o sucesso do evento”, complementou.

Na oportunidade a FPMed e Ministro Mandetta falaram sobre a Carreira de Médico de Estado, que consta do plano de Governo do Presidente da República e tem sido motivo de reuniões com a AMB, CFM e outras entidades médicas com o Ministério da Saúde.

“A carreira de médico de Estado é uma reivindicação histórica da AMB e das demais entidades médicas. Consideramos como fator primordial e estratégico de estímulo à migração e à fixação do médico em áreas de difícil acesso. Não precisamos de médicos importados, precisamos de Carreira de Médico de Estado e de condições de trabalho nas mais diversas localidades”, disse o presidente da AMB, Lincoln Ferreira.
Foto: Cleia Viana/Câmara dos Deputados

CREMERJ PROMOVE 15ª PREMIAÇÃO PARA RESIDENTES MÉDICOS

O CREMERJ, Conselho Regional de Medicina do Rio de Janeiro, irá promover o 15º Prêmio de Residência Médica e também o 1º Prêmio do Acadêmico de Medicina e Ligas Acadêmicas. O objetivo do Conselho com esta premiação é fortalecer a Residência Médica e o Ensino Universitário do futuro médico, valorizando o papel dos preceptores e professores na formação profissional.

Na premiação dos residentes, os trabalhos deverão ser desenvolvidos por residentes nos serviços de Instituições no Estado do Rio de Janeiro onde os mesmos cumprem os Programas de Residência Médica. Poderão participar residentes de qualquer ano e de todas as especialidades médicas e áreas de atuação com a supervisão de um preceptor.

Já para os acadêmicos de medicina, os trabalhos deverão ser desenvolvidos por estudantes a partir do 9º período que estejam cursando quaisquer Faculdades de Medicina no Estado do Rio de Janeiro com a supervisão de um professor orientador.

O prazo para as inscrições e envios dos trabalhos vão até o dia 21/02/2019 e a apresentação dos trabalhos selecionados ocorrerá no dia 28/03/2019 com transmissão ao vivo direto do Auditório do CREMERJ Júlio Sanderson.

Acesse o regulamento no site do CREMERJ e confira mais informações da premiação.

AMB E CBO SE REÚNEM COM DEPUTADO HIRAN GONÇALVES

Aconteceu hoje, 13, em Brasília (DF), uma reunião entre a Associação Médica Brasileira, Conselho Brasileiro de Oftalmologia e o Deputado Federal Hiran Gonçalves. Na pauta, assuntos importantes para o setor como o futuro da FPMed – Frente Parlamentar da Medicina e a Carreira de Médico de Estado.

Participaram da reunião o Deputado Hiran Gonçalves, o presidente da Associação Médica Brasileira, Lincoln Ferreira, a diretora acadêmica da AMB, Maria José Martins Maldonado, a diretora de assuntos parlamentares, Débora Eugênia Braga Nóbrega Cavalcanti e o presidente do CBO, José Augusto Alves Ottaiano.

“A carreira de médico de Estado é uma reivindicação histórica da AMB e das demais entidades médicas. Consideramos como fator primordial e estratégico de estímulo à migração e à fixação do médico em áreas de difícil acesso. Não precisamos de médicos importados, precisamos de carreira médica de Estado e de condições de trabalho nas mais diversas localidades”, disse o presidente da AMB, Lincoln Ferreira.

O Brasil ainda sofre com grande desigualdade na distribuição de médicos entre regiões, estados, capitais e municípios do interior. O principal fator é porque não existe uma carreira de médico de Estado no Brasil, que permita ao profissional se deslocar para regiões mais afastadas com suas famílias, garantindo piso salarial fixado por lei, garantia de recebimento, estabilidade, contratações adequadas, condições dignas de trabalho, qualificação continuada entre outros.

A AMB trabalha para que a classe médica tenha cada vez mais voz nas instâncias de tomada de decisão do poder público por isso, outro tema de destaque no encontro de hoje foi a Frente Parlamentar da Medicina. “É no Congresso que são decididas as principais questões de interesse dos médicos, da Medicina e da Saúde, por isso é fundamental uma organização de grupo de parlamentares que estejam cientes das demandas e comprometidos com elas”, afirmou a diretora de assuntos parlamentares da AMB, Débora Eugênia Braga Nóbrega Cavalcanti.

MAIS UMA IMPORTANTE VITÓRIA DO ATO MÉDICO

Em decorrência de ação judicial impetrada pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), a juíza Luciana Tolentino de Moura, da 7ª Vara Federal do Distrito Federal (processo n. 1002232-21.2019.4.01.3400) determinou a suspensão de Resolução do Conselho Federal de Farmácia (CFF) que define os requisitos técnicos para o exercício do farmacêutico no âmbito da saúde estética.

A juíza entendeu que o CFF extrapolou suas competências legais ao editar norma. Em sua decisão, ela determinou “a imediata suspensão dos efeitos da Resolução nº 669/2018 do CFF e seu anexo”. Ela também ordenou que o CFF dê ampla divulgação dessa suspensão no Diário Oficial, em seu site e demais meios de comunicação e através de correspondência eletrônica enviada a todos os seus filiados.

Para a diretoria da SBD trata-se de mais um importante reconhecimento do ato médico no âmbito da Justiça. “Entendemos como uma vitória não apenas dos dermatologistas, mas de toda classe médica e principalmente para a saúde da população que se verá protegida de profissionais inabilitados para o exercício da medicina. A SBD continuará diligente, trabalhando em todos os foros possíveis para que o espaço de atuação da medicina não seja atacado ou invadido por outras categorias profissionais da área da saúde”, ressaltou Sérgio Palma, presidente da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

Para a Associação Médica Brasileira (AMB), a vitória da SBD, filiada à AMB, foi um importante passo na defesa do Ato Médico na Justiça, pois a pretensão de profissionais da saúde não médicos, em querer realizar procedimentos exclusivamente médicos, pode vir a causar sérios danos à população.

“A AMB tem participado de importantes vitórias na defesa do ato médico contra iniciativas de outras categorias de profissionais da saúde, que tentam extrapolar suas atribuições, praticando atos que são exclusivos dos médicos, uma vez que demandam perícia profissional e possuem potencial de complicações clínicas, na tentativa de se beneficiarem da demanda da sociedade por procedimentos estéticos”, declarou o presidente da AMB, Lincoln Ferreira.

AMBr CELEBRA 60 ANOS

Antes mesmo que Brasília fosse constituída como Capital Federal, a classe médica local já se mobilizava para atender às demandas de saúde de uma cidade em desenvolvimento. Não por acaso, a Associação Médica de Brasília (AMBr), que completou 60 anos nesta quarta-feira (6), nasceu um ano antes da fundação oficial da cidade. Desde o início, a entidade assumiu o papel de congregar os médicos que chegavam de diversos pontos do país e garantir o futuro da medicina no Distrito Federal.

Para lembrar a trajetória marcante da associação, que teve como primeiro presidente de honra o ex-chefe da república e médico Juscelino Kubitschek de Oliveira, a comunidade médica de Brasília se reuniu ontem (6) em uma sessão solene, com direito à apresentação da Orquestra Sinfônica.

O presidente da AMBr, Dr. Ognev Cosac, destaca que é preciso celebrar o passado e olhar para o futuro com a certeza de que a entidade tem muito a contribuir para a evolução da atividade médica no Distrito Federal. “Tenho uma satisfação muito grande em presidir a AMBr, que é uma entidade sólida, autossustentável economicamente e que possui uma sede maravilhosa. Nosso objetivo é preservar essa história e fazer com que isso se perpetue”, acrescenta.

Legado representativo

O presidente da AMB, Dr. Lincoln Lopes Ferreira, participou da solenidade e destacou a importância da AMBr para o progresso da medicina no Distrito Federal. “Desde a fundação, a AMBr é sinônimo de credibilidade e sempre teve um papel fundamental na conquista de avanços inerentes à medicina local, especialmente nas questões científicas. O desenvolvimento de uma comunidade médica forte, representativa e unificada em Brasília é fruto do trabalho dedicado de todos que já passaram pela entidade”, reforça.

O Dr. José Luiz Dantas Mestrinho Mestrinho, vice-presidente da região Centro-Oeste da AMB, ex-presidente e atual conselheiro fiscal da AMBr, foi um dos homenageados na sessão solene. “A AMBr criou em Brasília um grande espírito de participação, seguindo exatamente o que está na essência da palavra associação. Tive a oportunidade de fazer parte desse grupo como presidente e de contribuir para a criação do setor de prática esportiva da entidade e da estrutura de lazer, que é amplamente utilizada pelos associados”, destaca Dr. Mestrinho.

Mais comemorações
Além da sessão solene e do coquetel, as comemorações dos 60 anos da AMBr continuam com a realização de um seminário do Programa de Educação Continuada (PEC) da AMBr, com o tema “Tecnologia e a Vida – A Ética dessa Relação”, marcado para 8 e 9 de fevereiro; e com Baile de Gala e churrasco comemorativos para associados.

CAP AMB-CFM VISITA DEPUTADOS E DISCUTE AGENDA PARLAMENTAR DA SAÚDE

 

A AMB trabalha para que a classe médica tenha cada vez mais voz nas instâncias de tomada de decisão do poder público. Nesta quarta-feira (06), em Brasília-DF, membros da associação participaram com demais integrantes da Comissão de Assuntos Políticos (CAP) da AMB e do Conselho Federal de Medicina (CFM),  de audiências na Câmara Federal, para apresentar a Agenda Parlamentar da Saúde Responsável.

Participaram das reuniões a diretora de Assuntos Parlamentares da AMB, Dra. Débora Eugênia Braga Nóbrega Cavalcanti, e o assessor parlamentar da AMB, Napoleão Puentes, Dr. José Luiz Dantas Mestrinho, Vice-Presidente Centro-Oeste da AMB, Alceu Pimentel coordenador da CAP é que é Conselheiro Federal do CFM e demais integrantes da CAP. Eles se reuniram com os deputados Dr. Hiran Gonçalves (PP), médico oftalmologista e um dos grandes apoiadores da Frente Parlamentar da Medicina. Também visitaram os deputados Dr. Luiz Ovando (PSL) e Edna Henrique (PSDB).

“A proposta foi de nos apresentarmos, darmos boas-vindas aos deputados e elencar projetos de interesse da Medicina em tramitação no Congresso para ampliarmos as discussões. Estamos certos de que este é só o início de uma fase que trará diálogos extremamente construtivos para o desenvolvimento do setor”, destaca Dra. Débora Cavalcanti.

A Agenda Parlamentar da Saúde Responsável, apresentada na reunião, é uma ferramenta de relacionamento político com parlamentares e apresenta quais são as proposições mais importantes para a atividade médica. O documento registra informações como o número do projeto, autor, relator e onde está tramitando, além da posição da classe médica sobre o assunto.

 

Fôlego novo                      

A audiência também marcou a estreia de duas entidades na CAP AMB-CFM: a Associação dos Estudantes de Medicina do Brasil (Aemed) e a Associação Brasileira de Ligas Acadêmicas de Medicina (Ablam), representadas, respectivamente, pelas presidentes Milena Palma e Priscilla Costa.

 

Na foto: Integrantes da CAP AMB/CFM em reunião com o deputado Dr. Hiran Gonçalves.

AMB RECEBE AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR (ANS) PARA DISCUTIR POLÍTICAS REGULATÓRIAS DO SETOR

Nesta terça-feira (05), a Associação Médica Brasileira abriu as portas para a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) e ampliou o diálogo sobre a relação entre as operadoras de saúde e os médicos prestadores de serviço. Durante todo o dia, três reuniões discutiram temas como a proposta de modificação da Terminologia Unificada de Saúde Suplementar (TUSS), regulação do setor para evitar e punir casos de glosa, criação de mecanismos para melhorar a comunicação entre prestadores e ANS, mudança na relação contratual entre operadoras e médicos, além de atualizações no Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde.

As reuniões foram realizadas a convite da Diretoria de Defesa Profissional da AMB, comandada pelo Dr. Carlos Jasmin, e contaram com a participação do presidente da entidade, Dr. Lincoln Lopes Ferreira, e do diretor de Desenvolvimento Setorial da ANS, Rodrigo Rodrigues Aguiar. Uma das discussões que pautaram o encontro foi a necessidade de atualização periódica da TUSS para melhorar a comunicação entre prestador e operadora.

As estratégias para minimizar os casos de glosa também foram discutidas. “É preciso que prestadores de serviço e operadoras façam um esforço conjunto para a criação de mecanismos seguros, por meio de uma instituição isenta e que gerencie essa relação, reúna dados e produza relatórios consistentes para subsidiar a atuação reguladora da ANS. O respaldo da agência é fundamental para que haja credibilidade nesse processo”, destaca Dr. Carlos Jasmin. Foi proposta, ainda, a criação de ferramentas de denúncia que resguardem a identidade do prestador, para que ele não sofra retaliações por parte das operadoras.

Relações contratuais e atualização do Rol

O encontro com representantes da ANS serviu, ainda, para a apresentação da Pesquisa de Contratualização 2017, que trouxe conclusões como: a negociação de valores é o principal ponto de discordância entre prestadores e operadoras; cláusulas de livre negociação costumam prevalecer sobre o reajuste, o que aumenta o clima de rivalidade entre as partes; e há dificuldade de acesso do prestador aos canais de atendimento das operadoras.

Outro tema de destaque no encontro foi o novo processo de atualização do Rol de Procedimentos e Eventos de Saúde, que está recebendo contribuições da sociedade civil até 4 de maio. O documento é atualizado a cada dois anos e as propostas podem ser apresentadas pelo formulário online FormRol, que pode ser acessado pela página da ANS.

“Não somente o que há de mais inovador deve ser incluído no Rol, mas as tecnologias e procedimentos que mais beneficiam os pacientes. Existem técnicas que já são aplicadas de maneira muito relevante e que ainda não estão inseridas”, reforça Dr. Carlos Jasmin.

Também participaram das reuniões entre AMB e ANS a diretora Acadêmica, Dra. Maria José Martins Maldonado; a diretora de Assuntos Parlamentares, Dra. Débora Eugênia Braga Nóbrega Cavalcanti; e os presidentes da Associação Médica do Amazonas e do Espírito Santo, Dr. Jorge Akel e Dr. Leonardo Lessa Arantes, respectivamente.

Na foto: Leonardo Lessa Arantes, presidente da Associação Médica do Espírito Santo; Dr. Eduardo Nagib Gaui, diretor Relações Internacionais da AMB; Dra. Débora Eugênia Braga Nóbrega Cavalcanti, diretora de Assuntos Parlamentares
da AMB; Daniel Meirelles Fernandes Pereira, diretor-adjunto de Desenvolvimento Setorial da ANS; Dr. Carlos Jasmin, diretor de Defesa Profissional da AMB; Rodrigo Rodrigues Aguiar, diretor de Desenvolvimento Setorial da ANS; Dra. Maria José Martins Maldonado, diretora acadêmica da AMB; e Jorge Akel, presidente da Associação Médica do Amazonas.

CARTA AOS MÉDICOS DO AMAZONAS

 

A Associação Médica Brasileira (AMB) declara total apoio aos colegas médicos do Amazonas, diante da inaceitável situação que vivem atualmente, com atrasos na remuneração superiores a três meses.

A classe médica é uma categoria trabalhadora e que deve ter garantido o seu pagamento, assim como as demais categorias da saúde. Todo profissional tem seus compromissos financeiros e sem a justa remuneração não consegue honrá-los.

A AMB está à disposição para, em conjunto com as lideranças médicas do Estado, fazer o que for necessário para tenhamos uma solução para este problema. Se for o caso, levando a questão para o Ministério Público.

Além disso, para médio e longo prazo, precisamos tratar o assunto de uma maneira mais estrutural, estabelecendo as condições para que os médicos trabalhem com tranquilidade e garantias de que receberão pelos serviços prestados. Para isso, iremos pautar o tema para a reunião ordinária de março das lideranças nacionais das entidades médicas.

Atenciosamente,

Lincoln Lopes Ferreira
Presidente da Associação Médica Brasileira

Antônio J. Salomão
Secretário-Geral da Associação Médica Brasileira

Veja a carta