PRESIDENTE DA AMB-AP PARTICIPA DE REUNIÕES PARA MANTER O PROJETO ORIGINAL DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DO AMAPÁ

O presidente da Associação Médica Brasileira do Amapá (AMB-AP), Mauro Secco, visitou ontem (10/10) a obra do Hospital Universitário (HU) – Universidade Federal do Amapá (Unifap). A unidade de saúde está sendo construído no campus Marco Zero, localizado no bairro Universidade, Zona Sul de Macapá, e ocupa uma área de aproximadamente 40 mil metros quadrados.

Com quase 80% da estrutura construída, o HU deve inaugurar com menos serviços do que os anunciados no início da obra. O hospital abrirá sem cirurgia cardíaca, UTI neonatal e tratamento de doenças renais. Oferecerá aos amapaenses atendimentos pediátrico clínico, traumato-ortopédico, clínico e cirúrgico adulto. A obra deve ser entregue até 2020.

“Vamos lutar pela manutenção do projeto inicial do HU. Queremos um hospital com todos os serviços prometidos. Esta é uma obra que representa um grande avanço para o atendimento da população e um importante espaço de aprendizado e desenvolvimento do ensino, pesquisa e extensão na área da saúde”, destacou Mauro Secco.

Após a visita, o presidente da Federada à AMB participou de uma reunião no Tribunal de Contas da União (TCU) do Amapá, com a presença do senador Randolfe Rodrigues, a comissão do HU e representantes da UNIFAP para debater as mudanças.

O presidente da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), Oswaldo de Jesus Ferreira, órgão ligado ao governo federal que estará à frente da unidade de saúde, informou por meio de ofício que o Amapá não tem déficit de leitos de obstetrícia, e que possui maior necessidade de UTI pediátrica do que neonatal. Segundo o órgão, as demais áreas apresentaram escassez de especialistas, conforme informações do cadastro do Conselho Regional de Medicina (CRM) do Amapá.

Entre as mudanças estão a oferta de 200 dos 300 leitos anunciados para a obra. O hospital contará com uma estrutura de 194 leitos, atendimento ambulatorial, unidade admissional referenciada para o atendimento adulto (clínico, cirúrgico e trauma) e referência para o atendimento pediátrico regulado pelo gestor local.

O HU não terá a característica de “porta aberta”, ou seja, o paciente só será encaminhado ao hospital por encaminhamento médico. O foco principal da unidade é contribuir com a formação profissional de saúde, desenvolvimento de pesquisas de acadêmicos da Unifap, e ainda ofertar assistência aos pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS).

O senador Randolfe Rodrigues considerou que a medida transforma o HU em uma grande Unidade Básica de Saúde (UBS). “Nós queremos um hospital inteiro e não pela metade. Nós não precisamos de uma grande UPA (Unidade de Pronto-Atendimento) ou de uma grande UBS. Isso nós já temos no Amapá. Não vamos admitir isso”, disse.

A AMB-AP seguirá na luta para oferecer à população amapaense um hospital que ofereça um atendimento completo pautado pela ética e qualidade.

Compartilhar em: