Sociedade de Medicina de Alagoas e o Museu de História da Medicina Nise da Silveira

A Sociedade de Medicina de Alagoas e o Museu de História da Medicina Nise da Silveira esta, por meio de um convênio com a pró-reitoria de extensão e pesquisa da Universidade Federal de Alagoas, realizando o tombamento, a catalogação e ordenamento dos instrumentais, digitalização, iconografia e objetos do museu.

Os estudantes envolvidos são: Simone Vicente Dias da Silva; Luís Henrique Alves Salvador Filho; Paulo Victor Vicentin Mata e Anderson Mascarenhas Niccio alunos da Faculdade de Medicina de Alagoas – UFAL e Swellen Karine Correia Cabral aluna da Universidade de Saúde do Estado de Alagoas – UNCISAL. O projeto é coordenado pelo professor da UFAL e presidente da Sociedade de Medicina de Alagoas Fernando Antônio Gomes de Andrade, possui o objetivo de modernizar o museu físico e o de criar um museu.

O Museu de História da Medicina foi criado no dia 26 de junho de 1990, sobre a presidência do médico, pesquisador e historiador Agatângelo Vasconcelos. O museu possui instrumentais representativos do século XIX século XX; uma coleção de retratos dos grandes construtores da medicina do Brasil como os alagoanos: Arthur Ramos, Nise da Silveira, Jorge de Lima, Breno Acioly, Estácio de Lima, Melo Moraes, Virgilio Mauricio, Mário Magalhães da Silveira, Abelardo Duarte, Gilberto de Macedo e muitos outros; uma biblioteca com livros raros e a cronologia da historia da medicina de Alagoas, do Brasil e do mundo.

Recentemente, o museu recebeu da direção da Faculdade de Medicina de Alagoas, representada pelo professor doutor Francisco Passos, o importante quadro do primeiro professor de anatomia da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Alagoas, professor Paulo Neto, pintado pelo artista alagoano Miguel Torres.

A história da medicina não é apenas objeto de estudo e interesse para os que são da área, visto que ela possui marcos que dialogam diretamente com a história da humanidade e influenciam as mais diversas sociedades ao longo dos séculos. Nesse contexto, portanto, é possível perceber a importância de que essa história seja preservada, para servir como ensino, esclarecimento e conscientização.

A história de um país, de uma sociedade ou de toda a humanidade é a base imprescindível em que todo homem precisa se apoiar, tanto para entender seu presente, como para melhor construir seu futuro. A história da medicina, como qualquer processo histórico, ajuda o homem a entender mais sobre o seu passado e consequentemente sobre si mesmo; mostra que o indivíduo é produto do meio, e que não se pode avaliá-lo sem levar em conta a época e o contexto em que viveu.

Compartilhar em: