Casos suspeitos de microcefalia associada ao zika vírus já são 1.248

infografico_zikavirusA médica e membro da Comissão de Parto, Aborto e Puerpério da FEBRASGO, Dra. Lucila Nagata, em entrevista à AMB aborda o Zika Vírus, doença que chegou recentemente ao Brasil e é transmitida pelo mosquito Aedes Aegipty, mesmo vetor da dengue.

A doutora explica que o vírus tem sido frequente nos estados do Nordeste, mas de acordo com o Ministério da Saúde, o número de casos de malformação congênita cerebral aumentou para 1.248 no país e já atinge 13 Estados.

Como surgiu o Zika Vírus no Brasil?

Segundo um boletim epidemiológico do Ministério da Saúde, em fevereiro de 2015 começaram a surgir no Brasil casos que depois foram atribuídos à doença.

 Essa rápida disseminação da doença é preocupante?

Sim, porque nas regiões Norte e Nordeste está aumentando muito a incidência da microcefalia. Além disso, dados do Ministério da Saúde mostram que que o número de casos de malformação congênita cerebral aumentou para 1.248 no país e já atinge 13 Estados.

 O que deve ser feito de imediato ao se identificar os sintomas de Zika?

É uma virose. Ainda não existe um tratamento, e os sintomas são parecidos com o da dengue, embora menos agressivos. Em 70% a 80% das pessoas são assintomáticas.

 A forma de transmissão é idêntica da dengue? Tem outros tipos de contágio?

 A transmissão é feita pelo mosquito Aeges Aegypti, o mesmo mosquito que transmite a dengue.

 A doença tem tipos de classificação?

Não tem. Os sintomas desaparecem de três a sete dias. Trata-se de uma doença muito sutil.

Como identificar se o vírus é o Zika, Dengue ou Chikungunya?

É por exclusão de sintomas. Não existe no Brasil ainda nenhum exame específico ou sorologia.

Quais os perigos que a doença pode causar às gestantes? Pode causar microcefalia no bebê?

Má formação fetal grave – microcefalia. O bebê nasce com a cabeça pequena, com o perímetro cefálico menor do que os 33 centímetros considerados normais. Além de trazer risco de morte, a condição pode ter sequelas graves para os bebês que sobrevivem, como dificuldades psicomotoras (no andar e no falar) e cognitivas (como retardo mental).

Quais medidas os governantes estão adotando para evitar epidemias?

Tentar controlar os lugares onde tem o foco do mosquito. Orientar a população para não acumular água parada – as mesmas medidas da dengue.

O que deve ser evitado durante o tratamento da Zika?

 A medicação é feita por analgésico e os cuidados devem ser os mesmos para não cortar os efeitos do medicamento.

Quais as medidas de prevenção?

 Não acumule água parada para evitar a proliferação do mosquito Aedes aegypti;

–      Use repelentes diariamente;

–      Coloque telas protetoras em janelas e portas de casa;

–      Sempre que possível use roupas que cubram os braços e pernas.

Gincana de Medicina da ABM reúne quase 500 alunos em dois meses

O evento foi encerrado com chave de ouro no INESS; Grupo Cecil venceu a competição e participantes poderão escolher curso gratuito no Instituto de Ensino e Simulação em Saúde

Depois de competir entre 480 alunos, sete grupos chegaram à fase final da I Gincana Intermédica da ABM, que foi realizada presencialmente no domingo (08.11), no Instituto de Ensino e Simulação em Saúde (INESS), em Nazaré. Idealizado pela Associação Bahiana de Medicina, em parceria com instituições de ensino superior, a competição começou no dia 14 de setembro com as provas realizadas em ambiente virtual.

Os grandes vencedores da competição, que integram o grupo Cecil, poderão escolher um curso de treinamento médico com os mais modernos manequins disponíveis no INESS. A diretora da ABM e idealizadora da iniciativa, Dra. Clarissa Mathias, comemorou os resultados do último dia de competição. “Nós utilizamos as questões do teste do progresso, seguida por uma simulação do INESS, e o nível de aprendizado foi excelente. Os estudantes receberam muito bem a atividade”, avaliou, garantindo que a atividade complementar veio para fazer parte definitivamente do calendário acadêmico.

foto 4

Membro do grupo Cecil, que venceu a competição, a estudante Bruna Souza falou da experiência e ressaltou a qualidade dos equipamentos usados durante a prova final no INESS. “Eu achei interessante as diversas faculdades terem essa discussão bem diferenciada. Gostei bastante das estruturas e dos bonecos do INESS. O boneco fala e faz tudo [risos] e eu achei bem interessante. Foi uma experiência que agregou bastante conhecimento”, comemorou Bruna.

Quem também comemorou o encerramento no INESS foi o presidente da ABM, Dr. Robson Moura. Avaliando como exitosa a competição, ele afirmou que o evento contribuiu bastante para a aprendizagem dos alunos de Medicina e reforçou a importância da prova presencial, que ocorreu durante o encerramento no INESS. “Eles puderam praticar a teoria que aprendem em sala de aula. E nós também nos comunicamos mais com os estudantes de Medicina e mostramos a eles a sua casa, que é a ABM. Estamos de portas abertas para recebê-los e colaborar no atendimento às suas demandas”, assegurou.

Dr. Wilson Bruno, representante do Portal Meduniverse, que realizou as avaliações no âmbito digital, avaliou positivamente a primeira edição da Gincana da ABM, destacando a participação dos estudantes no evento. “O que surpreendeu foi o sucesso da Gincana. O volume de acessos que tivemos no Portal chegou a 62 mil visualizações nos dois meses. Ficamos muito felizes com a parte virtual gincana, com a participação dos estudantes. A gente parabeniza também a Dr. Izio por essa fase do simulado no INESS que fez com que os estudantes fizessem todas as simulações em manequins modernos”, disse. Ele falou ainda da importância dessa participação estudantil e confirmou uma segunda edição da Gincana de Medicina.

Já o coordenador do INESS, Dr. Izio Kowes, elogiou o comprometimento dos estudantes de medicina na competição. Para Dr. Izio, o sucesso da Gincana se deu também por conta do sucesso dos alunos nas provas: “Para nós do INESS, foi uma manhã histórica. Nós desenvolvemos essa finalização dessa gincana entre oito faculdades de medicina aqui da Bahia. Eu acho que foi um coroamento do trabalho em equipe e dos alunos que se envolveram e se comprometeram com todo o processo, desde o início da Gincana até esse encerramento”.

foto 5

Durante a prova final, os grupos participaram de duas provas: a primeira etapa com perguntas e respostas e a segunda com a simulação de atendimento em um cenário prático. O professor Adelmo Machado também comentou a importância do último dia da Gincana ser presencial e no próprio INESS. “Foi muito importante porque, além de estimular os alunos, os casos foram bastante aprofundados e com conteúdo muito importante e isso consequentemente é um estimulo à educação médica”, avaliou o docente.

Também durante a Gincana, foi criado o Conselho do Estudante, para que os participantes possam criticar e dar sugestões com o intuito de prover melhorias ao evento nas edições seguintes. A I Gincana Intermédica 2015 foi realizada pela ABM em parceria com o Portal Meduniverse e as Faculdades de Medicina da UFBA, EBMSP, UNIFACS, UNEB, FTC e UNIME.

Sociedades que representam os cardiologistas protestam contra a violência que, em 5 meses, roubou a vida de dois de seus pares

manifesto     

   O covarde assassinato do cardiologista Jorge de Paula Guimarães, na avenida Brasil, no Rio de Janeiro, levou a Sociedade Brasileira de Cardiologia e a Sociedade de Cardiologia do Estado do Rio de Janeiro a protestarem às autoridades. As entidades lembraram que a Segurança está contemplada na Declaração Universal dos Direitos Humanos, definida pela ONU e da qual o Brasil é signatário, e que o Estado está faltando com seu dever de garantir a segurança dos seus cidadãos.

         Falando em nome de 14.000 cardiologistas brasileiros, o diretor administrativo da SBC, Emilio Cesar Zilli, lembrou que o artigo 3º da Carta da ONU declara que ‘todo ser humano tem direito à vida, à liberdade e à segurança pessoal’. O Brasil não está garantindo esses direitos.

         “O Rio de Janeiro não garante o direito à segurança, à medida que a tragédia que enluta os cardiologistas se repete com cinco meses de intervalo”, afirma o médico. Ele se refere ao assassinato do também cardiologista Jaime Gold, morto em maio, na Lagoa, quando foi esfaqueado por bandidos que queriam roubar sua bicicleta, tragédia à qual se soma agora um segundo assassinato de profissional da mesma área.

         O médico agora assassinado, Jorge de Paula Guimarães, pretendia deixar o Rio de Janeiro, pois ainda recentemente teve seu carro roubado em Niterói, o que o levou a buscar emprego fora do Estado. Mas foi alcançado por outros criminosos, antes que conseguisse se mudar com a mulher e os filhos, um dos quais também é médico.

         Para as entidades que representam os médicos, que se dedicam a salvar vidas humanas, as autoridades policiais tem missão similar, de evitar mortes, por isso o Estado falha quando permite que o preço pago por um médico por fazer ciclismo numa área especialmente destinada a essa prática, seja a própria vida.

O Estado falhou lamentavelmente mais uma vez, quando o preço pago por outro cardiologista por aceitar um plantão matinal – para salvar vidas – no Hospital Rocha Faria, foi igualmente a perda da própria vida.

         Para a SBC e a Socerj, a perda dos dois cardiologistas é mais significativa ainda, quando se sabe que escolheram a especialidade por saberem que as doenças cardiovasculares lideram o número de mortes no Brasil, causando 350 mil óbitos por ano.

O prejuízo das duas mortes afeta toda a sociedade brasileira, pois o Brasil investe pesadamente durante pelo menos nove anos para formar um cardiologista, seis anos de Faculdade e mais três de especialização. Pela incapacidade do Estado de prover a segurança, esse profissional com capacitação tão alta como a dos especialistas do primeiro mundo, é morto para que seja roubado o seu automóvel ou uma simples bicicleta.

         Emílio Zilli reitera a difícil e demorada formação do profissional da Cardiologia, lembrando que Jorge de Paula Guimarães cursou a Universidade Gama Filho por seis anos, especializou-se em Cardiologia pela Universidade Federal Fluminense e prestou serviços tão relevantes à sociedade. Ele recebeu o título de ‘Benemérito do Estado do Rio de Janeiro’. O diretor administrativo da SBC, em nome de todos os cardiologistas brasileiros, compartilha o pesar da família enlutada basicamente porque o Estado não garante a segurança de seus cidadãos.

Nota Oficial da Sociedade Brasileira de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial

 Science research

A reportagem “Certificado Digital facilita os Laudos Laboratoriais”, publicada no site da empresa Certisign, em 08/10/2015, cita a Sociedade Brasileira de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial – SBPC/ML com a intenção de “avalizar” a certificação digital na forma que ela é estabelecida pela RDC ANVISA 30/2015, e pretende utilizar este “aval” em benefício da própria empresa Certisign.

A referida reportagem utiliza declarações de membros e ex-membros da diretoria da SBPC/ML que foram retiradas do contexto e, ainda por cima, estão desatualizadas, pois estas foram publicadas em setembro de 2012, quando o cenário existente no país sobre este assunto era completamente diferente. Ademais, essas declarações referiam-se a um serviço prestado, naquela ocasião, por outra empresa, então parceira da SBPC/ML, que não era a Certisign.

Em nenhum momento a SBPC/ML foi procurada pela Certisign ou por qualquer pessoa e/ou jornalista que tenha se apresentado em seu nome para opinar sobre RDC 30/2015. A SBPC/ML repudia esse tipo de manipulação de informações, e destaca que elas atentam contra a ética jornalística.

A SBPC/ML reconhece a importância da necessidade de autenticação dos laudos laboratoriais por modelos de certificação digital e ressalta que os principais Sistemas de Informação Laboratorial (LIS) disponíveis são ferramentas seguras para esta prática.

Em relação às questões apontadas na RDC ANVISA 30/2015, a SBPC/ML posiciona-se com preocupação, uma vez que é uníssono o entendimento acerca da impossibilidade de atendimento das novas regras exigidas no curto prazo estipulado. Esta posição da SBPC/ML tem sido amplamente divulgada em seus veículos de comunicação e em outros veículos de imprensa, bem como apresentada em público e em reuniões realizadas com representantes de outras instituições do setor de diagnóstico laboratorial e da própria ANVISA.

I CONGRESSO REGIONAL DO CENTRO-OESTE DA ABMLPM-DF

VETTA

1° Congresso Regional do Centro Oeste da ABMLPM-DF é um evento científico idealizado pela Associação Brasileira de Medicina Legal e Perícias Médicas Regional DF- ABMLPM-DF com o apoio da Associação Brasileira de Medicina Legal e Perícias Médicas Nacional – ABMLPM, a ser realizado no período de 26 a 28 de novembro de 2015, na Associação Médica de Brasília, localizada no SCES trecho 3 Cj 6 – Brasília/DF.

A realização deste congresso justifica-se a partir do novo paradigma e desafio para a Medicina Pericial dos dias atuais: a sua consolidação como uma especialidade médica.
Dentro desta perspectiva, inova-se uma proposta de integralidade do foco da atividade médico pericial, com o fortalecimento dos protocolos e da visão do perito como especialista. Este congresso gerará mais que uma carta de intenção: uma ação presente na agenda positiva do Distrito Federal e, sobretudo, nas discussões entre Médicos Peritos que estarão reunidos neste Congresso entender  os desafios futuros.

Sociedade Brasileira de Pediatria e Datagenno unidas para a melhor atualização profissional

Parceria exclusiva da SBP com Datagenno leva ao 37º Congresso Brasileiro de Pediatria pacote com duas plataformas médicas online e prontuário eletrônico 

 Ao visitar o estande da Sociedade Brasileira de Pediatria no 37º Congresso Brasileiro da especialidade, de 12 a 16 de outubro, no Riocentro, Rio de Janeiro, os pediatras terão a oportunidade de conhecer e assinar a plataforma interativa com conteúdos de genética Scientific Pediatric Databaseque inclui agora, com exclusividade, a plataforma ClinicalKey e seu amplo conteúdo científico de pediatria. O novo pacote de dados auxilia a pesquisa clínica, o desenvolvimento científico, o relacionamento entre médicos e, também, o gerenciamento de pacientes por meio de um Prontuário Eletrônico com multiacesso.  

Para o Presidente da SBP, Dr. Eduardo Vaz, esse é mais um benefício que a Sociedade oferece ao pediatra brasileiro para ter fácil acesso a livros,  periódicos e outras informações científicas online, constantemente atualizados. “Esperamos que a parceria frutifique e que, com mais conhecimento científico de qualidade, os pediatras aumentem sua participação no cenário internacional da ciência”, afirma.

Na opinião de Marcelo Coutinho, sócio-fundador da Datagenno, a parceria é “bastante coerente” com o mundo atual. “Os pediatras podem acessar uma biblioteca completa (ClinicalKey), de qualquer lugar, a partir de qualquer dispositivo móvel, e se aprofundar com opiniões diversas e atualizadas sobre temas do seu interesse. “Incluímos no Scientific Pediatric Database um eficiente prontuário eletrônico, também com multiacesso. É um grande diferencial para a prática clínica na pediatria”, destaca.

Cuidado mais qualificado e seguro

Plataforma médica online desenvolvida pela Elsevier, ClinicalKey pode ser acessada a partir do computador do consultório, tablet ou smartphone.Oferece 28 renomados títulos de livros de pediatria disponíveis para download, 15 de neonatologia e 10 de genética médica, entre eles Goldman-Cecil, Nelson Textbook, Netter´s Pediatrics, Fanaroff and Martin’s Neonatal-Perinatal Medicine e Thompson & Thompson, além de 13 periódicos internacionais atualizados diariamente, 519 consultas sobre procedimentos, 4500 guidelines, Medline indexada, vídeos e imagens e 2.958 monografias de drogas. A ferramenta pensa e trabalha como os médicos fazem, tornando mais fácil encontrar e aplicar o conhecimento relevante. As respostas são concisas e rápidas e o acesso aprofundado às evidências científicas melhoram a qualidade do cuidado.

Dr. Dennis Burns, Diretor Científico da Sociedade Brasileira de Pediatria e usuário da plataforma, declara: “Temos toda a literatura médica sobre pediatria disponível e ainda podemos trocar informações com os colegas, com os diversos aplicativos que a ferramenta tem”.

Segundo Dr. Ercio Amaro Filho, Diretor de Cursos, Eventos e Promoções da SBP,  “o acesso à informação mais recente e sempre atualizadatambém deixa o pediatra mais seguro com o diagnóstico e o tratamento, o que reflete na confiança e segurança do paciente”.

A assinatura das plataformas Scientific Pediatric Database e Clinicalkey é feita pelo www.datagenno.com/plans.

SERVIÇO
Lançamento Scientific Pediatric Database com Clinical Key
Data: de 12 a 16 de outubro
Local: Riocentro – Av. Salvador Allende 6.555, estande da Sociedade Brasileira de Pediatria – Barra da Tijuca, Rio de Janeiro.

Assessoria de Imprensa

Dedicata Comunicação: (21) 3852-7922 / (21) 98121-2474
Jaciara Rodrigues – jaci.rodrigues@dedicatacomunicacao.com.br

 SOBRE A SBP:
A Sociedade Brasileira de Pediatria é uma instituição que defende os interesses dos médicos de crianças e adolescentes, de seus pacientes e famílias. Centenária, vem crescendo em tamanho, atuação e importância social.  Reúne atualmente cerca de 22 mil associados e é considerada a maior sociedade médica de especialidade do Brasil e a segunda maior entidade pediátrica do mundo.


SOBRE A DATAGENNO INTERACTIVE RESEARCH:

A Datagenno é uma empresa que tem a missão de facilitar a troca de informações sobre doenças genéticas raras entre especialistas, de modo a ajudar no diagnóstico diferencial por meio de um database com aproximadamente 10 mil sinais, sintomas e mutações identificadas, capaz de analisar e propor soluções na qual tenha como alvo a raiz do problema, diferentemente de tratar somente sintomas.

SOBRE A ELSEVIER:
Líder mundial em publicações de Saúde, Ciência e Tecnologia, a Elsevier responde por 25% de todo o conteúdo científico publicado no mundo e atende a uma comunidade demais de 30 milhões de cientistas, estudantes e profissionais de informação e saúde. A editora publica ainda mais de 2.000 periódicos e cerca de 20.000 livros e enciclopédias de selos como Mosby, Saunders e Churchill Livingstone.

Carreira médica e sustentabilidade profissional serão abordadas na Semana do Médico 2015

No dia 14 de outubro, a AMRIGS vai promover o talk show “Carreira Médica & Sustentabilidade Profissional”, com diversos temas de interesse a acadêmicos e profissionais de medicina. A atividade, dividida em três eixos (Acadêmico, Residente e Profissional), acontece das 8h às 18h. Gratuito para associados, o evento integra a programação da 28ª edição da Semana do Médico.
De acordo com o diretor da AMRIGS e um dos organizadores do ciclo de palestras, Dr. Antonio Weston, o evento foi pensado com foco na formação e sustentabilidade do médico ao longo de sua carreira, tanto no serviço público quanto no privado. “O objetivo será discutir todos os aspectos referentes à satisfação do profissional com a carreira que escolheu. Nós sabemos que a medicina oferece um amplo espectro de oportunidades , mas , como toda carreira , pode e deve ser planejada”, afirmou. Segundo Dr. Weston, profissionais extremamente capazes e qualificados são vistos, com grande frequência, ocupando postos que não preenchem às suas expectativas, o que gera insatisfações e frustrações profissionais. “A ideia proposta pelo ciclo é de fornecer ao participante subsidio para que ele planeje adequadamente a sua carreira”.
Para a coordenadora de Residência Médica do Hospital Universitário de Santa Maria, da UFSM, Dra. Tânia Resener, a residência é considerada a melhor e mais qualificada forma de especialização médica no Brasil e vem tendo desafios e dificuldades em sua condução. Resener, que vai palestrar no “Eixo Profissional” sobre o futuro da residência médica, aponta que as mudanças impostas pela Lei 12.871/2013, que institui o programa “Mais Médicos”, impacta na formação médica no país e traz dificuldades de equacionamento das suas repercussões.
“O grande problema é que há uma enorme distância entre a lei e a realidade.  Primeiro, são preocupantes as perspectivas com a maneira como é imposta a titulação de Medicina Geral de Família e Comunidade como pré-requisito para a participação da maioria dos Programas de Residência Médica.  Segundo, o prazo estabelecido pelo governo, de oferecer vagas para residência médica no mesmo número de egressos em cursos de medicina, parece inviável. Precisa-se de definição de como isto será possível até o final de 2018, uma vez que não temos uma Atenção Básica preparada para receber todos esses médicos residentes”, afirmou Tânia Resener.
No “Eixo Residente”, a médica internista e oncologista clínica, Dra. Alice Zelmanowicz, irá ministrar a palestra “Plantões x Qualidade de Vida”.  Para a Dra. Alice, atualmente, muitos dos acadêmicos de medicina escolhem suas especialidades pelo potencial de ganho financeiro que poderão ter, como fazer plantões para aumentar a renda, o que para ela é admissível. Faz, porém, um alerta. “Ter uma especialidade que preveja muitos plantões não é uma boa opção. Isto parece um contrassenso. Dependendo da fase da vida como, por exemplo, de uma médica que faz plantão para manter-se atualizada e produtiva e, ao mesmo tempo, tem filhos e os acompanha nos primeiros anos de vida”.
Esses e outros assuntos de interesse do médico e dos futuros profissionais da medicina serão debatidos durante o “Carreira Médica & Sustentabilidade Profissional”.  O talk show vai oferecer palestras com temas diversos, como: judicialização na saúde, gerenciamento de tempo, ensino médico, empreendedorismo na área médica e carreira médica no setor público.  As inscrições podem ser feitas até o dia 7 de outubro, pelosite da AMRIGS. A 28ª edição da Semana do Médico acontece entre os dias 13 e 17 de outubro de 2015 e conta com diversas atrações.