DEZEMBRO LARANJA – CAMPANHA DA SBD CHAMA A ATENÇÃO: “SE EXPONHA MAS NÃO SE QUEIME”  

 

Campanha da SOCIEDADE BRASILEIRA DE DERMATOLOGIA enfatiza a importância de hábitos cotidianos para a prevenção ao câncer da pele, faz mutirão de divulgação e de atendimento com 3000 médicos e tem até calculadora de risco.

 

De acordo com dados do Instituto Nacional de Câncer (Inca), todos os anos surgem mais de 176 mil casos de câncer da pele, o de maior incidência no país. Atenta a esse alto índice, a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) desenvolve, desde 2014, o movimento Dezembro Laranja, com a promoção de uma série de iniciativas de conscientização sobre a prevenção e o diagnóstico precoce da doença, incluindo a importância da fotoproteção para a redução dos riscos. Este ano, pela primeira vez, a campanha continua durante todo o verão, trazendo diferentes ações na internet, ruas, praias e parques.

Sob o slogan “Se exponha mas não se queime”, a campanha pretende conscientizar e educar as pessoas sobre os riscos do câncer da pele decorrentes da exposição excessiva ao sol sem proteção, lembrando que filtro solar não é o único cuidado contra a radiação ultravioleta. A mensagem visa atingir, sobretudo, quem trabalha sob o sol ou ao ar livre e as pessoas em seu cotidiano profissional e em momentos de lazer.

“Queremos divulgar para a grande população, especialmente para os trabalhadores que desempenham suas funções expostos ao sol, como carteiros, vendedores ambulantes, operários da construção civil, feirantes e outros, esse conjunto de atitudes, essenciais para que essa exposição prolongada não traga problemas de saúde”, afirma o presidente da SBD, José Antonio Sanches.

A recomendação é de que usem equipamentos de proteção individual (EPI): chapéus de abas largas, óculos escuros, roupas que cubram boa parte do corpo e protetores solares com fator mínimo de proteção solar (FPS) 30. A hidratação constante também faz parte dessas medidas fotoprotetoras, sem esquecer de evitar os horários de maior insolação: de 10h às 16h.

Entre as iniciativas previstas, estão a divulgação de peças publicitárias na internet (Facebook, Instagram e site), com concentração durante o mês de dezembro, que alertam sobre a incidência do câncer da pele. As peças virão marcadas com a hashtag #DezembroLaranja e #ControleoSol. O público interessado poderá divulgar a campanha nas redes sociais, customizando a foto de perfil, postar o texto com fundo laranja no Facebook ou usar o filtro laranja do Stories no Instagram.

Assim como em anos anteriores, personagens e lideranças em suas áreas de atuação participarão do movimento vestindo a cor laranja e monumentos nacionais serão iluminados com a cor símbolo da campanha, frisando o compromisso com a prevenção e medidas protetoras.

Para saber mais sobre a campanha, acesse: www.dezembrolaranja.com.br

 

 

MUTIRÃO NACIONAL DE ATENDIMENTO, PREVENÇÃO E COMBATE AO CÂNCER DA PELE

ACONTECEU NO DIA 2 DE DEZEMBRO

A primeira ação do Dezembro Laranja ocorreu no dia 2 de dezembro, sábado, quando cerca de três mil dermatologistas, voluntários prestaram atendimento, esclarecimento e aconselhamento quanto à importância de adotar medidas preventivas. Em Pernambuco, o mutirão de atendimento da Campanha Nacional de Prevenção ao Câncer da Pele, aconteceuna quarta-feira, 6 de dezembro.

As consultas foram realizadas, gratuitamente, em cerca de 130 postos de atendimento em todo o Brasil.

Essa é a 18ª. edição da Campanha Nacional de Prevenção ao Câncer da Pele da Sociedade Brasileira de Dermatologia. Segundo Sergio Palma, vice-presidente da SBD, “é um dia de voluntariado no qual queremos reforçar a importância da proteção diária para prevenção, além de alertar que a identificação precoce do câncer da pele aumenta as chances de cura e evita danos ou mutilações mais profundas”, declara o médico.

Desde a sua implementação, em 1999 a campanha da SBD atingiu 566.873 pessoas. Em 5 de dezembro de 2009, a SBD recebeu a certificação do Guinness World of Records por ter promovido a maior campanha médica do mundo realizada em um único dia, e a maior campanha mundial de prevenção ao câncer da pele, com mais de 34 mil atendimentos em diferentes regiões do Brasil.

 

SOBRE O CÂNCER DA PELE

O câncer da pele é provocado pelo crescimento anormal das células que compõem a pele. Existem diferentes tipos de câncer da pele que podem se manifestar de formas distintas, sendo os mais comuns denominados carcinoma basocelular e carcinoma espinocelular– chamados de câncer não melanoma – e que apresentam altos percentuais de cura se diagnosticados e tratados precocemente. Um terceiro tipo, o melanoma, apesar de não ser o tipo de câncer da pele mais incidente é o mais agressivo e potencialmente letal. Quando descoberto no início, a doença tem mais de 90% de chance de cura.

Em todos os tipos, a exposição excessiva e sem proteção ao sol é a principal causa de câncer da pele. O câncer da pele pode se manifestar como uma pinta ou mancha, geralmente acastanhada ou enegrecida; como uma pápula ou nódulo avermelhado, cor da pele e perolado (brilhoso); ou como uma ferida que não cicatriza.

A regra do ABCDE ajuda na suspeita de uma lesão maligna e sinaliza que um dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologia deve ser procurado.

ABCDE DA PINTA:

ASSIMETRIA: A metade da pinta não “casa” com a outra metade. Pintas perigosas ou melanomas tendem a ter uma assimetria de cores e forma.

BORDAS: Lesões malignas apresentam bordas irregulares, dentadas ou com sulcos, com interrupção abrupta na pigmentação da margem.

COR: A coloração não é a mesma em toda pinta. Lesões muito escuras ou que apresentem diferentes tons em uma mesma lesão devem ser avaliadas, pois podem indicar malignidade.

DIÂMETRO: Lesões que crescem rápido de diâmetros, principalmente aquelas maiores que 6 milímetros levam a uma suspeita maior de lesão maligna.

EVOLUÇÃO: Toda pinta que mudar (mudança de cor, formato, tamanho e relevo) em curto período de tempo (1 a 3 meses) deve ser examinada por um dermatologista.

Outra forma de avaliar o risco da doença é através da “Calculadora de Risco para Câncer da Pele”, também disponível no site –

http://www.sbd.org.br/controleOsol/calculadora/

A Sociedade Brasileira de Dermatologia orienta que as pessoas se examinem com periodicidade, consultando um dermatologista em caso de suspeita. Também é importante que se examine familiares, pois muitas vezes os cânceres podem aparecer em regiões que não conseguimos ver sozinhos. Ao se expor, é importante que as áreas descobertas estejam protegidas, mesmo em dias frios e nublados.

 

PREVINA-SE

l Evite o sol entre 10h e 16h

l Aplique o protetor solar diariamente (fator de proteção de no mínimo 30) e repita a aplicação a cada 2 horas

l Use camiseta, chapéu de abas largas, sombrinha e guarda-sol

l Não se esqueça dos óculos escuros, de preferência com lentes de boa qualidade

A SBD lembra que a melhor forma de evitar a doença é a prevenção! Vale reforçar que nem o autoexame, nem a calculadora de risco, substituem a consulta ao dermatologista da Instituição. Encontre um dermatologista da SBD – http://www.sbd.org.br/

Para saber mais sobre a Campanha Dezembro Laranja, acesse: http://www.sbd.org.br/controleOsol/

 

 

BRASILEIROS CONHECEM O CÂNCER DE PELE, MAS NÃO SE PREVIVEM, APONTA PESQUISA DA SBOC

 

Um em cada quatro brasileiros admite que poderia se proteger melhor do sol, mas não o faz, segundo estudo da SBOC

Dezembro é o mês do início do verão, mas também marca o  Dia Nacional de Combate ao Câncer da Pele, comemorado dia 2. A exposição ao sol é uma das principais causas relacionadas ao seu desenvolvimento, fato que é entendido por boa parte dos brasileiros, graças às grandes campanhas de prevenção, segundo constatou pesquisa proprietária da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC), o “Panorama sobre Conhecimento, Hábitos e Estilo de Vida dos Brasileiros em relação ao Câncer”. Entretanto, o mesmo estudo identificou que a população ainda deixa a desejar nas atitudes preventivas, o que se torna ainda mais perigoso com a chegada do verão. A doença é a variedade mais comum entre os tumores, correspondendo a 30% de todos os casos malignos do País, de acordo com o INCA.

Segundo o Panorama, o câncer de pele é um dos tipos mais conhecidos pelos brasileiros, sendo citado por 89% da população. O dado positivo é ainda mais relevante quando considerado que, além de conhecerem a enfermidade, também reconhecem sua causa direta: 83% dos brasileiros relaciona a exposição ao sol com o câncer. “Nos últimos anos, diversas campanhas conduzidas por órgãos públicos, sociedades médicas e pelo setor produtor de protetores solares conscientizaram a população brasileira sobre os riscos dos raios ultravioletas e a importância de se proteger adequadamente, cuidando da pele diariamente. Não à toa, se proteger do sol foi a segunda atitude preventiva contra o câncer mais lembrada, sendo citada por 86% dos brasileiros, atrás apenas do antitabagismo”, diz a Diretora da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica, Dra. Andreia Melo.

Além disso, os mesmos 86% da população concordam que a exposição aos raios solares deve ser controlada desde a infância para evitar complicações na idade adulta. Os altos índices indicam que as diversas campanhas de prevenção tiveram efeito no nível de conhecimento. Entretanto, há uma diferença preocupante entre a teoria e a prática.

Ao todo, um em cada quatro brasileiros admite que poderia se proteger do sol, mas que não o faz – índice que aumenta para um a cada três entre os mais jovens com idades entre 18 e 29 anos. Além disso, 6% da população demonstra forte resistência, afirmando que não adotaria o hábito. “A resistência da população a adotar comportamentos simples no seu dia a dia, como aplicar protetor solar sobre a pele, usar óculos escuros e chapéu é preocupante. Em alguns estados, essa atitude é especialmente prejudicial. No Tocantins, por exemplo, quase um a cada cinco habitantes afirmou que não mudaria suas atitudes preventivas no futuro”, alerta Melo.

Além deles, pernambucanos, capixabas, catarinenses e rondonienses apresentaram altos índices de oposição a adotar hábitos preventivos em relação ao câncer de pele – cada um deles 10%. Por outro lado, paraibanos (87%), alagoanos (81%), sergipanos (80%) e gaúchos (80%) dizem já se protegerem do sol no seu dia a dia. “É crucial que consigamos melhorar os índices de conversão de conhecimento em ação. Com a chegada do verão, nosso desafio é levar a população a adotar as medidas de prevenção necessárias durante toda a estação e que essas medidas sejam utilizadas também nas outras estações”, finaliza Melo.

SBEM ALERTA: AUMENTA O NÚMERO DE MULHERES COM DIABETES

 

A campanha nacional do Dia Mundial do Diabetes, celebrado em 14 de novembro, terá como foco neste ano o tema “Mulheres e Diabetes: nosso direito a um futuro saudável“. A Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) busca alertar para o crescente número de mulheres com a doença, que chega a 199 milhões atualmente e pode alcançar, em 2040, a marca de 313 milhões.

 

Atualmente, o diabetes é a 9ª causa principal de morte das mulheres no mundo todo, causando mais de 100 milhões de vítimas anualmente. E não para por aí. Mulheres com diabetes tipo 2 têm dez vezes mais chances de desenvolver doenças cardiovasculares. Já mulheres com diabetes tipo 1 têm um risco aumentado de aborto precoce ou de ter um bebê com má formaçãoUma em cada sete gestantes é afetada pelo diabetes gestacional – metade dessas mulheres vai desenvolver diabetes tipo 2 no período entre cinco a dez anos após o parto.

 

O número de brasileiros diagnosticados com diabetes cresceu 61,8% nos últimos 10 anos, passando de 5,5% da população em 2006 para 8,9% em 2016. Uma pesquisa realizada nesse ano de 2017 pela Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigital), e divulgada pelo Ministério da Saúde, mostra que as mulheres registraram mais casos da doença – o público feminino passou de 6,3% para 9,9% no período, enquanto os homens tiveram índices de 4,6% e 7,8%.  

 

SOBRE DIA MUNDIAL DO DIABETES

A data foi estabelecida pela Organização Mundial de Saúde, em 1991, em resposta às preocupações crescentes com a doença. O objetivo é divulgar a todos os interessados a importância de se colocar em discussão esse problema de saúde pública tão importante. Além disso, a ideia é chamar a atenção da grande população para o problema e sobretudo diagnosticar, tratar e dar a devida atenção e assistência aos pacientes. 

 

AÇÕES PELO BRASIL

Durante o mês, acontecerão ações em todo o Brasil para conscientizar a todos sobre a importância do diagnóstico e tratamento do diabetes, com atendimento e esclarecimento ao público. Confira as atividades por região em: www.diamundialdodiabetes.org.br/atividades.

 

 O QUE É DIABETES?

O Diabetes mellitus (DM) não é uma única doença, mas um grupo heterogêneo de distúrbios metabólicos que apresenta em comum a hiperglicemia, ou seja, a elevação da glicose no sangue. Esse aumento de açúcar no sangue pode acontecer por causa de defeitos na ação da insulina, na secreção de insulina no organismo, ou em ambas as situações (ação e secreção).

 

Os alimentos sofrem digestão no intestino e se transformam em açúcar, a chamada glicose, que é absorvida para o sangue e é utilizada pelos tecidos como energia. Mas para transformar a glicose em energia é necessária a presença da insulina — substância produzida nas células do pâncreas. Quando a glicose não é bem utilizada pelo organismo ela se eleva no sangue, o que chamamos de hiperglicemia.

 

DIABETES TIPO 1

Também conhecido como diabetes insulinodependente, compreende os subtipos idiopático (tipo 1A), autoimune (tipo 1B), diabetes infanto-juvenil e diabetes imunomediado. Neste tipo de diabetes, a produção de insulina do pâncreas é insuficiente, pois suas células sofrem o que chamamos de destruição autoimune. Os portadores necessitam de injeções diárias de insulina para manterem a glicose no sangue em valores normais. Se as doses de insulina não são aplicadas diariamente, há risco de complicações graves, incluindo a morte. O diabetes tipo 1, embora ocorra em qualquer idade, é mais comum em crianças, adolescentes ou adultos jovens.

 

DIABETES TIPO 2 

Chamado também de diabetes não insulinodependente, é o diabetes do adulto e corresponde a aproximadamente 90% dos casos. Ocorre geralmente em pessoas obesas com mais de 40 anos, embora na atualidade também seja visto com maior frequência em adultos jovens, em virtude de maus hábitos alimentares, sedentarismo e estresse da vida urbana. No diabetes tipo 2 a insulina está presente no organismo, porém sua ação é dificultada pela obesidade, o que é conhecido como resistência insulínica, uma das causas de hiperglicemia. Por ter poucos sintomas, na maioria das vezes, permanece por muitos anos sem diagnóstico e sem tratamento, o que favorece a ocorrência de suas complicações no coração e no cérebro entre outros órgãos.

 

SINTOMAS DO DIABETES

Aproximadamente metade dos portadores de diabetes tipo 2 desconhece sua condição, uma vez que a doença apresenta poucos sintomas. O diagnóstico precoce é importante para evitar as complicações da doença. Quando presentes, os sintomas mais comuns são: urinar diversas vezes, sede excessiva, aumento do apetite, perda de peso — em pessoas obesas a perda de peso ocorre mesmo estando comendo muito —, cansaço, vista embaçada ou turvação visual e infecções frequentes, sendo as mais comuns às infecções de pele.

 

No diabetes tipo 2 esses sintomas, quando presentes, se instalam de maneira gradativa e, muitas vezes, passam despercebidos pelas pessoas. Ao contrário, no diabetes tipo 1, os sintomas se instalam com rapidez. Quaisquer que sejam os sintomas, um médico deve ser procurado imediatamente para realização de exames que esclarecerão o diagnóstico.

 

QUEM PODE TER DIABETES?

A maioria, próximo a 90% dos portadores de diabetes, é do tipo 2, pouco sintomática, podendo passar despercebida e retardar o diagnóstico e o tratamento, além de favorecer a ocorrência de complicações. A presença de uma ou mais das seguintes condições sugerem a possibilidade de diabetes: familiares próximos portadores de diabetes, idade maior que 45 anos, excesso de peso ou obesidade, pressão alta, colesterol elevado e mulheres com antecedentes de filhos nascidos com mais de 4kg.

CONTROLE DO DIABETES REDUZ O RISCO DE UM INFARTO OU AVC EM 20%

O alerta é da Sociedade Brasileira de Cardiologia que promove campanha nacional, em 14 de novembro.

Mais de 16 milhões de brasileiros têm diabetes e muitos ainda negligenciam o tratamento e as recomendações médicas. A Sociedade Brasileira de Cardiologia – SBC faz um alerta, em 14 de novembro, no Dia Mundial do Diabetes já que a doença é o terceiro maior fator de risco para os problemas cardiovasculares, como infarto e derrame (AVC). O Brasil é o quarto país com a maior incidência mundial, perdendo apenas para os Estados Unidos, Índia e China.

O diretor da SBC, Celso Amodeo, lembra que os diabéticos precisam controlar a glicemia regularmente, tomar a medicação, quando indicada, fazer atividade física e ter uma dieta equilibrada. “Quanto mais cedo o diagnóstico, mais rápido se iniciará o tratamento e assim os riscos de eventos cardiovasculares vão diminuir”, destaca o cardiologista. “E a prevenção é a melhor forma de combater o diabetes e suas consequências”, completa.

Existem três tipos de Diabetes: 1, 2 e Gestacional, sendo o tipo 2 o mais comum. “A glicemia ótima é abaixo de 100 e a hemoglobina glicada deve estar entre 5,5 a 6,4%. Acima desse nível alguém já é considerado diabético e a pessoa deve procurar um médico”, orienta diretor de Promoção de Saúde Cardiovascular da SBC, Weimar Sebba Barroso. “Reduzir em 1% a hemoglobina glicada faz com que a pessoa consiga diminuir o risco cardiovascular em 20%. É muito significativo”, alerta Barroso.

A SBC distribuirá folhetos informativos, que também estarão no site da entidade (www.cardiol.br) e serão multiplicados em mídias sociais, com os sete passos para uma vida mais saudável: praticar exercícios físicos; manter o peso, evitando a obesidade; alimentar-se com pouco sal, sem frituras e com mais frutas, verduras e legumes; reduzir o consumo de álcool; abandonar o cigarro; evitar o estresse; e ter mais tempo para a família, os amigos e o lazer.

XX CONGRESSO BRASILEIRO DE UROLOGIA PEDIÁTRICA, ESTÁ SENDO REALIZADO EM SÃO PAULO (SP), DE 13 A 16 DE NOVEMBRO.

 

 

Com ampla programação, presença de especialistas internacionais e transmissão de cirurgias, de hoje (13) a 16 de novembro, a Associação Brasileira de Cirurgia Pediátrica (Cipe) promove em São Paulo (SP), o XX Congresso Brasileiro de Urologia Pediátrica. Além de conferências, mesas redondas e discussão de temas livres, o evento será integrado pela transmissão de cirurgias ao vivo.

Por ser um tema atual e controverso em muitos aspectos, nos campos clínico cirúrgico, psicológico e legal, na manhã do dia 13, após a abertura oficial do evento, distúrbios do desenvolvimento do sexo serão abordados em duas mesas redondas. Mas a programação também abrangerá muitos outros campos da cirurgia pediátrica urológica, como videolaparoscopia urológica, disfunção miccional, tumores, hipospadia e transplante renal pediátrico, entre outros temas.

Dois convidados internacionais têm presença confirmada: Drs. Marc-David Leclair (chefe do departamento de Cirurgia e Urologia Pediátrica do Hospital Universitário de Nantes, na França) e Israel Franco (urologista pediátrico, pesquisador e diretor do Yale-New Haven Children’s Bladder and Continence Program, nos EUA).

Cirurgia com transmissão simultânea

No dia 16 de setembro, será oferecida aos participantes uma atividade extra (sem custo adicional): o Dr. Marc-David Leclair realizará cirurgia raríssima de Correção de Pênis Intravesical em Extrofia de Cloaca, com transmissão ao vivo. A operação será efetuada das 8h às 12h, nas dependências do Hospital Infantil Sabará (Av. Angélica, 1.987, também no bairro de Higienópolis).

Os interessados devem confirmar antecipadamente sua presença pelo e-mail contato@luminaeventos.com.br, pois as vagas são limitadas.

Veja em http://www.cburologiapediatrica.com.br/ informações detalhadas sobre o congresso.

 

Serviço

Evento: XX Congresso Brasileiro de Urologia Pediátrica

Data: De 13 a 15 de novembro de 2017, das 8h às 18h

Local: Hospital Samaritano (Rua Conselheiro Brotero, 1.486 – Higienópolis – São Paulo – SP)

 

Evento: Correção Cirúrgica de Pênis Intravesical em Extrofia de Cloaca, com transmissão ao vivo

Data: 16 de novembro de 2017, das 8h às 12h

Local: Hospital Infantil Sabará (Av. Angélica, 1.987 – Higienópolis – São Paulo – SP)

FEBRASGO REALIZA 57º CONGRESSO DE GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA EM BELÉM

Serão quatro dias de palestras, estudos e debates que tratarão de temas relevantes como Transexualidade e Cirurgiões do Futuro

A Febrasgo (Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia) promove o 57º Congresso Brasileiro de Ginecologia e Obstetrícia entre os dias 15 a 18 de novembro, no Hangar – Convenções e Feiras da Amazônia, em Belém (PA), voltado para os profissionais das áreas. Durante os quatro dias de programação, especialistas de todo Brasil vão ministrar e debater sobre diferentes áreas da Ginecologia e Obstetrícia.

 De acordo com o Dr. César Fernandes, presidente da Federação, “o Congresso tem como objetivo ser protagonista das boas práticas assistenciais em prol da saúde das mulheres. Estamos empenhados em fortalecer os vínculos éticos e profícuos que devem caracterizar as relações de uma sociedade com seus associados e parceiros”.

No total, serão 35 palestras, mesa-redonda, fóruns e cursos que trarão temas muito pertinentes à atualidade como “Cirurgiões do Futuro”, “Procedimentos Estéticos no Rejuvenescimento Genital” e “Anticoncepção de Longa Ação”.

Pela primeira vez, o encontro abordará a temática “Saúde Sexual no Contexto da Diversidade: Intersexualidade, Transexualidade, Travestilidade e Orientação Sexual”, que será coordenado pela Dra. Lucia Alves da Silva Lara, de São Paulo. Um dos assuntos que encerrará o evento é “Anticoncepção de Longa Ação”, coordenado pelo Dr. Nilson Roberto de Melo de São Paulo. Para um dos palestrantes, Dr. Rogerio Bonassi Machado, também de São Paulo, só no Brasil, mais de 55% das mulheres que engravidam não tinham essa pretensão e, no caso das adolescentes, esse número chega a 80%. “O uso da Contracepção Intrauterina, ou seja, os DIUS, vem crescendo fora do Brasil. Por aqui, é pouco difundido. Vamos debater e realizar um manual de recomendação, visto que entre os métodos ele é o mais eficaz”, afirma o médico.

 

SERVIÇO:

 

57º Congresso de Ginecologia e Obstetrícia em Belém

Cidade: Belém (PA)

Data: 15 a 18 de novembro de 2017

Local: Centro de Convenções e Feiras da Amazônia

Inscrições e informações: https://www.febrasgo.org.br/

INICIOU HOJE (10) O 64° CONGRESSO BRASILEIRO DE ANESTESIOLOGIA, EM CURITIBA.

O evento se estenderá até o dia 14/11, inclusive no domingo, tem intensa programação científica, nas diversas áreas da Anestesiologia, em 14 salas  do Expo Unimed Curitiba, localizado no Campus da Universidade Positivo.

Já atraiu cerca de 3000 participantes, entre anestesiologistas, médicos de outras especialidades, residentes e estudantes de medicina. Mas as inscrições ainda podem ser feitas até amanhã no local do evento.

Para o Presidente da Sociedade Brasileira de Anestesiologia, Dr Ricardo Almeida de Azevedo, “além de ser um fórum importante de debate, educação continuada e reciclagem, o congresso traz importe discussão sobre a legislação para a SBA e a Assembleia Geral para a eleição da nova diretoria.”

O congresso é o maior evento da Anestesiologia no Brasil, e um dos mais importantes do mundo, já que a SBA é a terceira instituição em número de sócios declarados na Federação Mundial de Sociedades de Anestesiologia.

O Congresso da SBA atrai também participantes de diversas outras nacionalidades, “este ano temos a presença de colegas da América Latina, da Europa e dos Estados Unidos. Isto mostra que a anestesiologia brasileira, antes com interação mais tímida no cenário mundial, ganhou espaço de reconhecimento internacional”, complementa Dr Ricardo.

Na programação social estão incluídas a solenidade oficial de abertura do evento, no Teatro Positivo, que será amanhã (11) às 18:30 e o encerramento dia 14/11 às 20:30h no Victória Villa (Jockey Club do Paraná), incluindo shows, corrida de cavalos e sorteio de prêmios.

Tudo foi organizado para que os profissionais tenham um ótimo cardápio de temas, palestrantes  e ambiente para atualização profissional, além de espaço para a confraternização entre os colegas.

Saiba mais: http://www.congressoanestesia.com.br/

RESTAURAÇÃO DAS CARTILAGENS, GRANDE DESAFIO DA MEDICINA, SERÁ TEMA DO CONGRESSO BRASILEIRO DE ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA EM GOIÂNIA

Um dos maiores pesquisadores sobre o problema da restauração e substituição da cartilagem humana, o professor William Bugbee, de San Diego, confirmou presença no Congresso Brasileiro de Ortopedia e Traumatologia – CBOT, que vai se realizar neste mês, em Goiânia.

 A apresentação do especialista norte-americano sobre a mais recente evolução das pesquisas sobre cartilagem está sendo esperada com ansiedade, porque com o envelhecimento da população brasileira já são milhões os pacientes que sofrem pelo desgaste da cartilagem que ocorre em decorrência da idade ou da prática esportiva. Os problemas se concentram principalmente do joelho, quadril e ombro, explica o presidente do Congresso, Sandro Reginaldo, ele mesmo especialista em patologias do ombro e cotovelo.

 O médico brasileiro acrescenta que no mundo inteiro e também no Brasil os pesquisadores se debruçam sobre o problema de substituir a cartilagem desgastada, de vez que o problema causa dores intensas e a cartilagem não se regenera.

 Sandro Reginaldo lembra que a pesquisa sobre cartilagem é apenas um dos muitos temas que serão discutidos no Congresso de Goiânia, o mais importante evento de Ortopedia e Traumatologia da América Latina. “Esperamos em torno de 3.500 ortopedistas do Brasil inteiro e também dos Países do Cone Sul”, diz ele, “tanto que recebemos pedido de médicos de fala hispânica para que as conferências tenham tradução simultânea”

 O evento científico vai focar tanto o tratamento dos problemas ortopédicos e do trauma, como a prevenção, tanto que para o público leigo será promovida a ‘Corrida Ossos Fortes’, para divulgar a importância da atividade física na prevenção dos problemas musculoesqueléticos, em especial a osteoporose. Outro evento importante será um curso pré-congresso sobre a Dor, pois Sandro Reginaldo explica que “o objetivo do médico do Século XXI não é apenas prolongar a vida, mas prolonga-la com boa qualidade” e, para isso, é vital que o idoso seja saudável e não sofra com dores.

 Outro também relevante no Congresso será a presença de dezenas de ‘Ligas Acadêmicas de Ortopedia’, isto é, de grupos de estudantes de Medicina que, no Congresso, terão contato com os grandes especialistas em Ortopedia e Traumatologia e que, no correr do evento, muitas vezes decidem se, quando formados, optarão pela especialidade Ortopedia. Já estão confirmados, entre outros, grupos de Ligas Acadêmicas da Bahia, Patos de Minas, Marília, Curitiba, Acre, Uberlândia, Petrópolis, Rio de Janeiro, Araraquara, Vale do Itajaí, Vitória, Distrito Federal, Rio Verde e da Universidade Federal de Goiás.

 SERVIÇO:

49º Congresso Brasileiro de Ortopedia e Traumatologia

Local: Centro de Convenções Goiânia/GO

Datas: 16 a 18 de novembro de 2017

Informações: http://cbot2017.com.br/

PROGRAMA NACIONAL DE COMBATE AO CÂNCER COLORRETAL SERÁ LANÇADO EM BRASÍLIA

A proposta busca seguir os mesmos padrões de ações de enfrentamento a outros tipos de câncer

Quase 35 mil novos casos de câncer colorretal devem ser diagnosticados no Brasil este ano. Considerado um dos tipos mais preveníveis e curáveis entre todos os tumores, é o segundo mais frequente em mulheres e o terceiro nos homens. Contudo, faltam políticas públicas de enfrentamento e divulgação de informações referente ao diagnóstico e tratamento do câncer de cólon e reto. Para preencher essa lacuna na saúde pública brasileira, será discutida a proposta para a criação de um Programa Nacional de Combate ao Câncer Colorretal. A divulgação desse embrião acontecerá em 11 de novembro, durante a XVI Semana Brasileira do Aparelho Digestivo (SBAD), maior evento científico da especialidade na América Latina.

O documento foi produzido pela Sociedade Brasileira de Endoscopia Digestiva (SOBED), baseado nos modelos internacionais de combate ao câncer de cólon. A partir destas ideias, a proposta será discutida, com base na adaptação de exemplos internacionais de sucesso, respeitando a realidade nacional quanto à assistência aos pacientes oncológicos e ao acesso aos serviços de saúde. A iniciativa teve apoio da Organização Mundial de Endoscopia (WEO).

Nos Estados Unidos, por exemplo, o plano de prevenção buscou encontrar homens e mulheres de baixa-renda que não possuíam estrutura para realizar serviços de triagem para a descoberta do câncer de cólon.

Desta forma, a proposta visa a criação de programas contra o câncer colorretal seguindo os mesmos princípios daqueles já consolidados no combate ao câncer de próstata e mama.

“O objetivo do plano é evidenciar que o câncer colorretal pode ser evitado, representando maior custo benefício em seu tratamento. É essencial estabelecer uma política de combate ao câncer de cólon e reto – o primeiro passo que estamos dando nesse sentido é alertar sobre a importância da sua prevenção”, informa o Dr. Lix de Oliveira, presidente da Comissão de Prevenção de Câncer Colorretal da SOBED. Segundo o especialista, a participação da WEO no lançamento da proposta é fundamental, principalmente para embasar o documento considerando o que está sendo feito internacionalmente.

“A WEO tem uma iniciativa de prevenção que quer replicar para o mundo todo, sobretudo para explicar a necessidade e a importância dos cuidados a serem tomados. A Organização tem nos apoiado na elaboração dessa proposta, inclusive nos orientando na sua implantação”, destaca.

Na ocasião, serão analisados programas que já acontecem isoladamente no Brasil. A Dra. Linda Rabeneck, presidente da Comissão de Prevenção de Combate ao Câncer Colorretal da WEO, estará presente e afirma que aproveitará para fornecer um panorama global e regional quando ao câncer de cólon e reto. “Abordaremos a importância do diagnóstico do câncer colorretal com ênfase na América Latina, onde o problema está aumentando em vários países. Além disso, vamos falar sobre o papel fundamental da qualidade da colonoscopia”, adianta.

Colonoscopia é principal exame para diagnóstico e prevenção

Estudo publicado pelo Journal of the National Cancer Institute atesta que os números de casos de câncer colorretal dobram nas últimas duas décadas na população adulta com idade inferior a 55 anos, abrangendo tumores que agridem o cólon e o reto, segmentos do intestino grosso, a doença tem sintomas como sangramento anal, eliminação de sangue ou muco nas fezes e alteração do hábito intestinal.

Para a doença ser diagnosticada é realizada uma colonoscopia, exame que permite a visualização direta do interior do reto, cólon e parte do íleo terminal através de um tubo flexível introduzido pelo ânus, contendo em sua extremidade uma minicâmera que transmite imagens coloridas, podendo ser fotografadas ou gravadas em vídeo.

De acordo com o Dr. Lix a colonoscopia é fundamental para o diagnóstico dos pacientes. “O procedimento é o padrão ouro dos métodos que se dispõem atualmente, esse exame é a melhor ferramenta no diagnóstico, prevenção e tratamento do câncer colorretal”.

De que maneira os mutirões de colonoscopia podem auxiliar?

Ao longo do ano, visando conscientizar a população sobre o câncer colorretal e estimular o diagnóstico precoce, a SOBED atua fortemente realizando mutirões em todo o País, realizando cerca de 100 exames de colonoscopia gratuitos na população local.

Para o Dr. Lix, essa iniciativa poderá ajudar na luta para a criação do programa, uma vez que a ação tem um modelo que potencializa a difusão da informação. “Promoveremos orientação a todos sobre os mecanismos de rastreio e combate, tornando-os potenciais divulgadores em suas comunidades e famílias. O câncer colorretal é passível de prevenção, então, por meio de informação de qualidade e correta, conseguimos diminuir o número de casos e deixar com que menos pessoas sofram e morram em decorrência dessa doença”.

Serviço
Lançamento da Proposta para Programa Nacional de Combate ao Câncer Colorretal
Data: 11 de novembro
Horário: 8h30 às 12h
Local: Centro Internacional de Convenções do Brasil
Endereço: SCES Trecho 2, Conjunto 63, Lote 50 – Asa Sul – Brasília/DF

 

CBR APRESENTA DEBATE SOBRE RADIOLOGIA DE EMERGÊNCIA

Em comemoração ao Dia do Médico Radiologista e Dia Internacional da Radiologia, o Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem (CBR)  promoverá um Estúdio Online, no qual médicos da entidade irão debater o tema do ano: Radiologia de Emergência. O acesso ao debate será por meio do Workplace (apenas para médicos Radiologistas) e na fanpage do CBR.

 

Mais informações: https://www.facebook.com/CBRadiologia/photos/a.681980275211221.1073741828.597964293612820/1568673526541887/?type=3&theater