LINCOLN LOPES FERREIRA, PRESIDENTE DA AMB, EM ENTREVISTA AO JR NEWS

No dia 21 de novembro, o presidente da Associação Médica Brasileira, Lincoln Lopes Ferreira esteve nos estúdios da Record News para ser entrevistado pelo Heródoto Barbeiro sobre as inscrições no processo de seleção para o programa Mais Médicos.

“Conseguimos muito bem suprir as nossas necessidades em termo de recursos humanos, falta realmente que os gestores, em seus diversos níveis, federal, municipal e estadual eles atenham e assumam o compromisso legal de prover a infraestrutura” esclarece Lincoln, quando questionado sobre profissionais da medicina relutantes a trabalharem em pequenos municípios.

Com o número elevado de médicos inscritos, mais do triplo de cubanos que prestavam serviços no Brasil, Lincoln Ferreira se mostra otimista, mas ressalta que o programa é de caráter temporário, para atender necessidades emergenciais.

Veja a entrevista completa em: https://youtu.be/-53tmLudeQ0

AMB COBRA EXPLICAÇÕES E PEDE MAIS PRAZO PARA INSCRIÇÕES NO MAIS MÉDICOS

 

 

A Associação Médica Brasileira (AMB) encaminhou, nesta quarta-feira (21/11), ofício para o Ministro da Saúde, Gilberto Occhi, solicitando a prorrogação do prazo de inscrição dos médicos brasileiros no programa Mais Médicos, em substituição dos médicos intercambistas cubanos, em virtude da instabilidade do site, http://maismedicos.saude.gov.br, responsável pela inscrição.

Conforme divulgado no site do Ministério da Saúde, as inscrições para o Programa Mais Médicos deveriam ocorrer de 21/11/2018 às 08h até 25/11/2018 às 23h59h. Mas desde o início da manhã, desta quarta-feira, a AMB recebeu uma série de denúncias de que o site (para as inscrições) estava fora do ar. Ao receber as denuncias a equipe técnica da AMB confirmou os relatos, tentando acessar o site e desde as 10:12 h tem acompanhado minuto a minuto, sem nunca ter conseguido o acesso.

Muitos médicos brasileiros buscaram explicações diretamente do Ministério da Saúde, em Brasília, pelos problemas apresentados no site. O médico Victor Pereira Machado CRM 198310-SP, chegou a ligar várias vezes na Coordenadoria do Mais Médicos – CGPS em Brasília (61) 33153284/33153848. Numa dessas ligações lhe explicaram: “ que o problema era no DATA SUS e que era para continuar tentando”.

O médico lamentou muito a dificuldade, afirmando que vê no edital uma boa oportunidade para os médicos brasileiros recém-formados. “Eu sou médico. Tenho meu CRM direitinho. Estou trabalhando há três meses, dando plantões. Para mim esse edital é uma oportunidade fantástica. É o que eu buscava. Estou disposto a morar em qualquer lugar. Mas infelizmente o site não abre. Vou continuar tentando”, declarou o médico Victor Machado.

“A maior dificuldade é que a gente tenta e o não consegue se inscrever. De manhã algumas vezes conseguia entrar no Site, mas sem conseguir entrar no espaço do edital, e agora de tarde não se consegue entrar em nada. Estou desde às 8h tentando. Só de manhã foram quase 40 tentativas. Aparece que não é possível acessar esse site” explicou o médico Victor Pereira Machado

Outro médico que também tentou e não conseguiu se inscrever no primeiro dia foi Douglas Vinícius de Oliveira Santos, CRM 77095-MG. Depois de tentar inúmeras vezes, ele ligou para Brasília e ouviu do outro lado da linha: ”que o problema era do sistema que estava congestionado e que deveria continuar tentando para se inscrever”.

Ele diz que o problema é mais grave, quando se pensa no princípio da isonomia. “Pelo edital está bem clara a questão da vinculação da vaga pelo comprovante de inscrição e comprovante de locação. E a gente viu pela mídia que foram realizadas inscrições. Ao mesmo tempo em que a gente teve e está tendo dificuldades, e em muitos casos há a impossibilidade. Ainda assim foi divulgado e referenciado na grande Imprensa como que se tivessem ocorrendo inscrições ao mesmo tempo. Aí você imagina que um problema técnico, como esse deveria ser configurando como um problema de quebra de isonomia no processo seletivo. Do ponto de vista do candidato a gente vê prejuízo dos que estão tentando e não estão conseguindo. É preciso que esse processo seja uniforme. Para que todos tenhamos as mesmas oportunidades”, reclama Douglas de Oliveira Santos. Ele se refere a informação de que mais de 3 mil pessoas teriam conseguido fazer a inscrição.

Já o médico Deivid Santos, CRM 45265-RS, diz que precisa ficar bem claro que não é falta de interesse dos médicos brasileiros pelo programa. “Não consegui ainda me inscrever. Vou continuar tentando. Até o final. Mas acho que tem de ficar bem claro, que não são os médicos brasileiros que não querem trabalhar no Programa, pois estão tentando. Hoje passei o dia inteiro tentando. Amanhã vou tentar de novo. Mas se a gente a caba não conseguindo, é obrigado a desistir, mas não é por falta de querer ou de tentar. É porque tem algo errado nesse sistema aí“, desabafou o médico Deivid Santos.

Dificuldades no Mais Médicos sempre foram relatadas pela AMB quando abertas inscrições para os médicos com CRM no Brasil e desta vez não foi diferente. A AMB vê com preocupação o fato, pois o prazo que já é curto agora ficou menor.

“Demandamos ao Ministério da Saúde que esclareça os problemas no site e os resolva o quanto antes, além de prorrogar o prazo de inscrição, para que os médicos brasileiros possam ter acesso às inscrições. As notícias de que houve mais de um milhão de acessos ao site, e que este seria o motivo de estar fora do ar, nos causaram duas surpresas: uma que um site governamental não esteja preparado para uma ocorrência desta natureza e outra que não existam sistemas de segurança que evitem um ‘ataque cibernético’ ”, questiona o presidente da AMB, Lincoln Lopes Ferreira.

Na semana passada a AMB apresentou uma série de propostas para solucionar a crise deixada com a saída dos médicos cubanos. “ Não é de hoje que denunciamos problemas no Programa Mais Médicos. E também nunca nos furtamos de querer ajudar a melhorar a Saúde em nosso País. Por isso, apresentamos uma série de propostas para resolver a crise criada com a saída dos médicos cubanos. Mas é preciso antes de tudo que os médicos brasileiros tenham garantido o acesso ao edital para que possam inscrever-se sem maiores dificuldades”, concluiu o presidente da AMB.

 

Mais informações

O Ministério da Saúde publicou no Diário Oficial da União (DOU) desta terça-feira, 20, edital para selecionar profissionais que queiram aderir ao programa Mais Médicos. Serão ofertadas 8.517 vagas, das quais 8.332 abertas em decorrência da saída de médicos cubanos do programa, que devem deixar o País. O governo de Cuba anunciou na semana passada o rompimento unilateral da participação no programa Mais Médicos.

Os profissionais selecionados irão atuar em 2.824 municípios e 34 Distritos Sanitários Especiais Indígenas, antes ocupados pelos cubanos. As inscrições começaram nesta quarta-feira e seguem até o dia 25 deste mês para médicos brasileiros com CRM Brasil ou com diploma revalidado no País.

SITE PARA INSCRIÇÕES PARA O MAIS MÉDICOS ESTÁ FORA DO AR

Conforme divulgado no site do Ministério a Saúde as inscrições de médicos para O Programa Mais Médicos para o Brasil deveriam ocorrer de 21/11/2018 às 08h até 25/11/2018 às 23h59h.

Denúncias de que o site para as inscrições está fora do ar começaram a chegar na Associação Médica Brasileira desde cedo. Testamos e realmente o site não está no ar (último teste as 10:22h).

Dificuldades sempre foram relatadas quando abertas inscrições para os médicos com CRM no Brasil e desta vez não foi diferente.

A AMB vê com preocupação o fato, pois o prazo que já é curto agora fica menor.

A AMB já encaminhou ofício para o Ministério da Saúde buscando esclarecer a situação e solicitando prorrogação do prazo em virtude da falha apresentada.

MANDETTA SERÁ NOVO MINISTRO DA SAÚDE

 

Lincoln Ferreira, presidente da AMB, esteve presente no anúncio do deputado e ortopedista Luiz Henrique Mandetta como futuro Ministro da Saúde, feito pelo presidente eleito Jair Bolsonaro, na tarde desta terça-feira, 20/11, na sede do CCBB, em Brasília. A AMB sempre defendeu que à frente desse importante Ministério estivesse um médico com experiência e ciente dos problemas que afligem a saúde no Brasil e assim comemora o fato, juntamente com suas 27 Federadas e 54 Sociedades de Especialidade filiadas.

A busca de soluções à saúde dos brasileiros passa pela excelência da formação em medicina e pela melhoria nas condições de atendimento à população.

Assim, dentre outras questões, a comunidade médica espera a criação da Carreira de Médico de Estado para levar profissionais às regiões mais distantes e necessitadas do país. Asseguramos nosso apoio ao futuro ministro nas ações em defesa da melhoria da formação médica no Brasil, com diretrizes para a abertura de novas escolas, manutenção das existentes e o fechamento daquelas que não reunirem as condições para o ensino.

Da mesma forma, acreditamos que o Exame Nacional Obrigatório em Proficiência em Medicina será um desafio do titular da pasta para garantirmos melhor formação médica e um atendimento de qualidade para a população. O Projeto de Lei do Senado n° 165, de 2017, que institui o exame certificará que o médico que atender à população terá plenas condições para tal, independentemente de onde tenha se formado. Exames promovidos pelo CREMESP e pela AMRIGS tem demonstrado que um grande contingente não reúne condições mínimas para prestar esse atendimento.

Diversas são as pautas construídas pela AMB e demais entidades médicas na busca de soluções para os problemas que afetam a saúde dos brasileiros, a Medicina e o médico. A AMB acredita que com a nomeação haverá uma excelente interlocução com o ministério sobre estes temas.

Há muito a ser feito na busca pela melhora da qualidade do atendimento à saúde da população brasileira, e a AMB apoiará Mandetta, em sua gigante missão, colocando-se à disposição para contribuir no que for necessário para um exitoso mandato.

EXAME DE PROFICIÊNCIA É TEMA DE AUDIÊNCIA PÚBLICA

Audiência Pública sobre o Projeto de Lei do Senado n° 165, Exame Nacional Obrigatório de Proficiência em Medicina, foi realizada hoje (20/11) pela Comissão de Educação, Cultura e Esporte. Representando as entidades médicas estiveram presentes José Luiz Dantas Mestrinho, Vice-Presidente da Região Centro da Associação Médica Brasileira, Lúcio Flávio Gonzaga Silva, Coordenador da Comissão de Ensino Médico do Conselho Federal de Medicina e Juracy Barbosa, Presidente da Associação Nacional dos Médicos Residentes.

Mantendo a diretriz fechada durante o ENEM, todos defenderam a criação do exame, com base nas dificuldades do ensino médico pós abertura indiscriminada de Escolas Médicas, destacando o desempenho aquém do desejado de egressos dos cursos de Medicina nas provas do CREMESP e na prova da AMRIGS. Os representantes trouxeram à luz os diversos vieses da situação, oferecendo este conhecimento à CECE para sua avaliação na votação que se seguirá.

IV CONGRESSO BRASILEIRO DE MEDICINA LEGAL E PERÍCIAS MÉDICAS REÚNE PROFISSIONAIS DA PERÍCIA MÉDICA DE TODO O BRASIL EM SÃO PAULO

O Congresso Brasileiro da ABMLPM é o mais importante evento científico da especialidade de Medicina Legal e Pericias Médicas e, de 14 de novembro a dia 17 de novembro de 2018, contou com a participação de médicos peritos de todas as regiões do país.

O tema do congresso deste ano foi “A EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL E FUNDAMENTOS CIENTÍFICOS”, englobando perícias previdenciária, trabalhista, cível, criminal, securitária, administrativa e militar, além de temas do direito médico, toxicologia forense, antropologia forense, auditoria e ensino da medicina legal e perícias médicas.

A abertura do congresso contou com a participação do coral Grupo de “Seresta Conexão” formado por idosos frequentadores do Centro de Convivência e Fortalecimento de Vínculos Conexão, de Carapicuíba cantando o Hino Nacional.

Participaram da cerimônia, compondo a mesa de abertura estavam: Presidente da ABMLPM e do IV Congresso ABMLPM, Dr. Enrico Supino; Representando o CFM – Conselho Federal de Medicina, Dr. Jorge Cury; Presidente da AMB, Dr. Lincoln Lopes Ferreira; Vice Presidente da FENAM – Federação Nacional dos Médicos, Dr. Mario Viana; Representando a Medicina Legal e Perícia Médica Militar, General Sergio Szelbracikowski; Representando a ABMLPM/SP, Dr. Frederico Hope; Representando a Comissão ABMLPM de Medicina Legal e Perícia Militar, Almirante Manuel de Almeida Moreira Filho; e Diretora Científica da ABMLPM e do IV Congresso Brasileiro de Medicina Legal e Perícias Médicas, Dra. Rosa Amélia Dantas.

Os palestrantes Prof. Dr. Daniel Romero Muñoz, professor titular da Universidade de São Paulo, e o Prof. Dr. Duarte Nuno Pessoa Vieira, professor titular da Universidade de Coimbra, engrandeceram a abertura com a Conferência Inaugural abordando respectivamente os temas “Medicina Legal e a Perícia Médica: A Experiência Profissional e Fundamentos Científicos” e “Medicina Legal Humanitária: uma nova área emergente das Ciências Forenses?”.

X CONGRESSO BRASILEIRO DE TRANSPLANTE DE FÍGADO, PÂNCREAS E INTESTINO

O transplante de órgãos é a única alternativa para muitos pacientes com doenças graves e fatais. Porém, existem muitos entraves entre a demanda por esse tratamento e o número de procedimentos efetivamente realizados. Para discutir assuntos relacionados a esse universo, especialistas estiveram reunidos X Congresso Brasileiro de Transplante de Fígado, Pâncreas e Intestino, de 15 a 17/11/18, em Vitória no Espírito Santo.

O evento, realizado no Centro de Convenções Vitória, está sendo promovido pelo Colégio Brasileiro de Cirurgiões e tem a participação da Associação Médica Brasileira (AMB). Representando a AMB, o Diretor de Atendimento ao Associado, Marcio Silva Fortini, fez uma palestra com o tema: Quais os entraves sócio/econômicos que estão impedindo a entrada dos transplantes de fígado e pâncreas no rol da ANS?

Segundo ele, “esses procedimentos já estão codificados e valorados na CBHPM, há anos, e a inclusão deles no Rol da ANS tem sido negada sistematicamente há uma década. E com isto os planos de saúde não tem a obrigação de oferecer o tratamento aos pacientes. Os únicos transplantes inclusos no Rol da ANS são os transplantes de Medula e Córnea, e por isto os planos são obrigados a cobri-los. É isto leva a suspeitar que a Agência tem um viés em defesa dos planos, deixando à deriva os segurados e os prestadores”, explicou o diretor da AMB, Márcio Fortini.

SOLUÇÕES EMERGENCIAIS PARA A CRISE NO MAIS MÉDICOS

Com a criação do Mais Médicos, o governo brasileiro transferiu de forma temerária para Cuba parte da responsabilidade pelo atendimento na atenção básica de saúde. Isso deixou o Brasil submisso aos humores do governo de outro país. Os impactos negativos previstos são os que estamos comprovando agora.

Diante da crise desencadeada pela retaliação do governo cubano ao povo brasileiro, ao anunciar nesta quarta-feira, 14/11, a retirada de seus intercambistas dos quadros do Programa Mais Médicos, a Associação Médica Brasileira (AMB) apresenta as seguintes sugestões de ações emergenciais:

1) Reformular e reforçar o PAB (Piso de Atenção Básica): além de aumentar o valor a ser repassado pela União referente à atenção básica, para que os municípios consigam contratar médicos na própria região, a forma de cálculo também precisa mudar, garantindo mais recursos para os municípios menores.

2) Reforçar o atendimento em áreas indígenas e de difícil acesso: aumentar o investimento nas Forças Armadas para aproveitar a sua experiência tanto em áreas de difícil acesso quanto em áreas indígenas, levando não somente médicos para esses locais, mas toda a infraestrutura necessária para a saúde: transporte de medicamentos, deslocamento de profissionais, hospitais de campanha, helicópteros e barcos para remoção em locais de difícil acesso. Para isso, usaria o efetivo atual de médicos das Forças Armadas, incrementaria o efetivo por concurso e selecionaria também novos Médicos Oficiais Voluntários para atuarem de forma temporária.

3) Incentivar a adesão de médicos jovens ao programa: promover mudanças no edital do Programa Mais Médicos que será lançado em breve, conforme anunciado, criando subsídios e incentivos aos jovens médicos com dívida no Fies (Fundo de Financiamento Estudantil). Durante o período em que os médicos atuarem no programa, as parcelas do financiamento ficam suspensas. Além disso, haverá o benefício de descontos no montante geral da dívida, de acordo com o tempo de permanência e o município ou região escolhido (quanto menor o município ou de mais difícil provimento, maiores os descontos). Também é preciso garantir as mesmas condições ofertadas aos cubanos hoje: moradia, alimentação e transporte.

Desde 2013, a Associação Médica Brasileira (AMB) vem alertando que o Programa Mais Médicos tinha propósitos meramente eleitoreiros e que partia de uma premissa equivocada: a de que não havia médicos em número suficiente no Brasil. O que não existe de fato são políticas públicas que atraiam e fixem esses médicos nos municípios, especialmente nos menores e nos mais distantes dos grandes centros. O governo brasileiro acabou lançando mão de importação de mão de obra, trazida numa condição análoga à escravidão: obrigada a abrir mão de mais de 70% do que o Brasil desembolsava e alocada independentemente das condições de trabalho existentes, sujeita a atender pacientes sem os mínimos padrões de segurança.

Está claro também que o Mais Médicos não é um programa de assistência à saúde, mas de financiamento. Tanto da ditadura cubana (o que é péssimo) quanto dos municípios que aderiram ao programa (o que é ótimo, dada a escassez de recursos em muitas prefeituras para este fim).

Resolver a questão da oferta de médicos em locais de difícil provimento ou de difícil acesso não é viável com ações paliativas. A solução definitiva passa pela criação de uma Carreira Médica de Estado que valorize o médico brasileiro e que dê a ele perspectivas seguras e condições de planejar sua vida num horizonte de longo prazo.

Sabemos que não faltam médicos no Brasil. Hoje, somos 458.624 médicos. Um número suficiente para atender às demandas da população. Essa crise será resolvida com os médicos brasileiros.

A AMB se coloca à disposição para ajudar o governo federal e garantir que a população não fique desassistida. Não vamos aceitar esta sabotagem com o povo brasileiro.

Faremos a nossa parte.

Associação Médica Brasileira

VALORAÇÃO DOS AUXILIARES DE CIRURGIA JÁ CONSTARÁ DA PRÓXIMA CBHPM

Nessa terça feira (13/11), aconteceu a reunião do Conselho de Defesa Profissional da Associação Médica Brasileira, aberta pelo diretor de Atendimento ao Associado, Marcio Fortini.

Uma das principais pautas foi a da Valoração dos Auxiliares de Cirurgia, iniciada pela Sociedade Brasileira de Neurocirurgia e que após apresentação e aprovação de continuidade do pleito na plenária do Conselho de Defesa Profissional de maio de 2018, foi encaminhada para as demais entidades cirúrgicas e Colégio Brasileiro de Cirurgiões.

Na votação ocorrida dia 13, que já impactará a nova CBHPM, a Minuta 1 foi vencedora com os votos de 33 entidades, propondo 60% para o primeiro auxiliar, 40% para o segundo auxiliar e 30% para o terceiro e quarto auxiliar.

Os demais assuntos abordados na reunião foram: a nova Câmara Técnica da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) – CATEC, na qual uma carta aberta será produzida para maior participação das Sociedades de Especialidade nessas discussões. Também foi discutida a primeira faixa de revisão para correção de curva de precificação dos Portes de Procedimentos CBHPM, o Rol de cobertura dos planos de saúde da ANS de 2020 e a apresentação do Thiago Valette sobre o Value-Based Healthcare (VBHC), modelo de assistência médica baseado em valor.

Assim se encerra o calendário de reuniões desse ano para a Defesa Profissional. Apesar de não haver novas reuniões marcadas, a consultora técnica da CBHPM da AMB, Miyuki Goto, diz “uma das pautas previstas para o próximo ano são discussões sobre Diagnósticos Relacionados, DRG”.