Presidentes discutem especialização em neurologia pediátrica

O presidente da AMB, Florentino Cardoso, reuniu-se na sede da AMB, na manhã desta terça-feira, com o presidente da Sociedade Brasileira de Neurologia Infantil (SBNI), Rubens Wajnsztejn.  O motivo da reunião solicitada pelo professor Rubens foi a preocupação existente hoje em relação ao Título de Especialista em Neurologia Pediátrica, e, para isso, Wajnsztejn solicitou inserção maior da Academia Brasileira de Neurologia (ABN) e seu departamento de neurologia infantil, representado pela SBNI.

“Nos colocamos à disposição para colaborar e fazer isso de forma legal, regimental e estatutária, a fim de que a ABN,  caso queira, também possa realizar prova de especialista para área de atuação em neurologia pediátrica, em conjunto com a Sociedade Brasileira de Pediatria”, destacou o presidente da AMB, Florentino Cardoso. “Enfim, discutimos o conjunto especialidade e área de atuação: como foi no passado, como é hoje e o que precisa para ser especialidade médica ou área de atuação”, finalizou Cardoso. Também participou da reunião o advogado Carlos Michaelis, representando o departamento jurídico da AMB.

Dr. Rubens Wajnsztejn

AMB e CFM: união em defesa da classe em 2017

A exemplo do que ocorreu no ano passado, as diretorias da Associação Médica Brasileira e do Conselho Federal de Medicina voltaram a se reunir neste início de ano, visando definir estratégias para as ações conjuntas em 2017. O encontro aconteceu na manhã desta sexta-feira, na sede da AMB, em São Paulo.

“Temos várias pautas convergentes, com interesses comuns às nossas entidades, em defesa dos interesses dos médicos brasileiros como a ética no final vida, medicina baseada em evidências, defesa profissional, autonomia, condições de trabalho, reconhecimento do trabalho médico, entre outros”, destacou o presidente do Conselho Federal de Medicina, Carlos Vital.

Ele também assinalou que para este ano  estão programados . vários  eventos e encontros conjuntos a serem realizados pela AMB e CFM, além do desenvolvimento de pautas de ordem política e legislativa que  serão desencadeadas de maneira convergentes entre as entidades.

O primeiro desses eventos – que também terá a participação de países ligados à Confemel ( Confederação Médica Latino-Americana e do Caribe)  acontecerá em março, no Rio de Janeiro, e será destinado a debater aspectos ligados à terminalidade da vida. O resultado servirá como contribuição das entidades médicas latino-americanas à WMA – Associação Médica Mundial.

“Essa reunião consolidou a união e continuidade do nosso trabalho conjunto – AMB e CFM em muitos assuntos diretamente ligados à classe médica. Temos algumas pautas separadas, pela peculiaridade  das próprias entidades, mas que serão apoiadas e respeitadas por ambas. Avaliamos e discutimos o cenário atual da política nacional, a nossa relação com o governo, especialmente ações ligadas ao Ministérios de Saúde e da Educação. Em todas as reuniões ligadas à política nacional ou internacional, abrangendo WMA e Confemel, a AMB e o CFM estarão lado a lado”, sentenciou o presidente da AMB, Florentino Cardoso.

Na foto: Aldemir Soares (1º Secretário da AMB); Diogo Sampaio ( Diretor de Comunicações da AMB); Carlos Vital ( Presidente do CFM); Florentino Cardoso ( Presidente da AMB); Jeancarlo Cavalcante ( Conselheiro do CFM e Presidente da Confemel); Miguel Roberto Jorge ( 2º Tesoureiro da AMB) ; Antonio Salomão (Secretário-Geral da AMB)

Adquira já a CBHPM 2016

CBHPM 2016

A AMB lançou a publicação de uma ampla e revisada edição da CBHPM, a partir do exitoso trabalho da Comissão Nacional de Honorários e da Câmara Técnica da CBHPM, com a participação e de todas as Sociedades de Especialidade, de participantes do Sistema de Saúde Suplementar, da Agência Reguladora e das entidades médicas. Devemos entendê-la como o padrão mínimo aceitável (Resolução CFM nº 1.673/03) para o estabelecimento da remuneração do nosso exercício profissional. Desejamos que, a cada momento, seja uma ferramenta legítima de apoio, de proteção, e que sua adoção por todos os segmentos da Saúde Suplementar Brasileira.

Este trabalho, hoje reconhecido pelo sistema de Saúde Suplementar Brasileiro, vem sendo incorporado progressivamente pelas mais importantes operadoras de planos de saúde e é entendido pela agência reguladora ANS como a condição básica para que seus procedimentos possam ser incorporados ao Rol de Procedimentos, atualizado periodicamente por esta agência.

Temos a certeza de que, tendo como norteadores a ética e o racional, o fortalecimento da CBHPM como aliada necessária ao reconhecimento da dignidade de nosso exercício profissional, e a melhoria da qualidade assistencial aos nossos pacientes, será apenas uma questão de tempo e de sensibilidade político-administrativa, a adoção da CBHPM também pelo Sistema Único de Saúde (SUS). E esta, já podemos adiantar, será a uma de nossas próximas metas! É importante ressaltar que, a cada edição da CBHPM (atualmente realizada a cada dois anos), novos procedimentos são incorporados e outros extintos, atendendo à necessária dinâmica da prática médica, mutante e evolutiva por sua finalidade e natureza.

A Classificação Brasileira Hierarquizada de Procedimentos Médicos (CBHPM) está disponível para aquisição em brochura e em CD (dados tabulados).

Para sócios da AMB que estejam em dia com sua contribuição somente será cobrado o valor de manuseio e envio.

https://amb.org.br/adquirir-cbhpm/